|
Top 100 | Categorias

Email

Password


Início > Textos > Empresariais > Assédio moral no ambiente de trabalho

Assédio moral no ambiente de trabalho

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Empresariais
Assédio moral no ambiente de trabalho
Assédio, é uma palavra que normalmente se associa a situações de cariz sexual. Porém, essa é uma visão muito restritiva. Na realidade, assédio constitui todo e qualquer comportamento impróprio, inconveniente ou excessivo que, de forma reiterada, comprometa a dignidade ou a integridade física e/ou psíquica de uma pessoa. No contexto do emprego, trata-se da degradação propositada das condições ou do ambiente de trabalho, através de ameaças (mais ou menos implícitas ou explícitas), comportamentos hostis, comunicações não éticas, etc. Que têm como objetivos a inabilitação, o abatimento moral e a desestabilização emocional do(a) visado(a).

O assédio moral distingue-se de um vulgar conflito laboral pela ausência de igualdade entre as partes. Na realidade, o que existe é uma relação dominador/dominado, em que o “estratega” estabelece as “regras do jogo”, minuciosamente delineadas para a submissão do outro até à total perda de identidade. Este, por seu turno, embarca num quadro de miséria física, psicológica e social tão duradoura quanto a astúcia do assediador e a sua própria falta de capacidade para se libertar o permitirem. Por outro lado, a “guerra” não é aberta, “oficial”, o que atira o escondido, o não dito, para um palco de desconfiança, insegurança e medo.

Para se poder considerar uma conduta abusiva como assédio moral é necessário atentar nalguns pontos fundamentais: a veemência da violência psicológica (a gravidade deve ser medida partindo do conceito objetivo de uma pessoa dita normal, porque a vulnerabilidade excessiva a que ficam sujeitas as pessoas afetadas por alguma patologia é suscetível de as fazer viver com extrema ansiedade situações que, por si, não desencadeariam tal estado de espírito); a continuidade dos episódios no tempo (sendo preciso uma curva temporal suficiente para originar impacto real e ocasionar atos que consubstanciem verdadeira perseguição); a repetição da humilhação (passível de interferir na vida do humilhado a ponto de abalar a sua dignidade e as relações afetivas e sociais, cujos possíveis danos na saúde física e mental poderão culminar em improficiência laboral, desemprego e até a morte!); a intencionalidade de provocar sofrimento ao(s) colega(s)/subordinado(s) com a finalidade de o(s) marginalizar; e a transformação dos danos psíquicos em doença, atestada medicamente.




Dentro do assédio moral no trabalho englobam-se atitudes de várias naturezas, levadas a cabo com o invariável intuito de deitar abaixo uma ou várias pessoas. Fazer comentários maldosos em público, inventar ou produzir erros no trabalho alheio, pedir tarefas com uma urgência inexistente, ignorar a presença do trabalhador, impor horários incompatíveis com a vida pessoal do colaborador, isolá-lo do convívio com os colegas ou privá-lo da hora de almoço, não fornecer o material indispensável à realização das funções, não cumprimentar, ordenar trabalhos muito aquém das competências do funcionário, estimular a discriminação entre colegas, não atribuir qualquer tarefa a um empregado, imputar rótulos do género “fraco”, “incompetente”, “incapaz”, demitir sem justa causa (ou levar ao pedido de demissão), controlar as idas ao médico, fazer desaparecer atestados de saúde, multiplicar burocracias, colocar uns colegas a supervisionar outros e espalhar boatos, são exemplos de procedimentos inerentes a um processo de assédio moral no emprego.

O stress, não concretizando uma forma de assédio, é, pelo desgaste que gera, um terreno assaz fértil para que se instale o referido processo. As consequências serão tanto mais severas quanto a consciência que se tem do evidente propósito de prejudicar.

Os danos mais frequentes do assediado passam por cansaço exagerado, nervosismo, enxaquecas, distúrbios do sono, irritação permanente, ruminações constantes, perturbações da memória, tremores, hipertensão arterial, tristeza profunda, alteração da personalidade (com nota dominante para uma agressividade crescente), evitação de circunstâncias que tragam associações à tortura psicológica, inversão da escala de valores, pensamentos suicidas ou tentativas de suicídio, desordens do aparelho digestivo, com eventual perda ou ganho consideráveis de peso, hipotético consumo de álcool ou drogas, dores de cabeça, musculares e na coluna, falta de confiança em si, projeção negativista do futuro, agravamento de enfermidades previamente manifestadas, angústia, ansiedade, mágoa, ressentimento, sentimento de fracasso, caos interior, vergonha, culpa, sensação de se ter sido traído(a) e de inutilidade, infelicidade genuína. A estes malefícios podem juntar-se os estragos do desemprego massivo, que incrementa o temor e a sujeição dos trabalhadores, qual vassalagem obrigatória isto ocorrendo, passando quase duzentos anos, desde o término da escravatura (legalmente falando, é claro).

O assediador pode atuar isoladamente ou em conjunto com outros comparsas igualmente perversos, dotados de carácter narcisista, que, não suportando a própria dor, a solidão e as contradições que não conseguem admitir em si, assim como a felicidade e o prazer de viver que reconhecem noutros, atacam a autoestima destes, procurando alcançar o poder ou manter-se nele a qualquer custo, numa busca insaciável de gratificação e de ocultação da incompetência intrínseca.

O assediado, por outro lado, ou seja, a vítima de antemão designada pelo assediador, é ativo e competente, responsável, bem-educado, dotado de alguma aptidão acima da média (um negligente, passivo, sem valiosas qualidades profissionais e morais não suscitaria a inveja e o fascínio do assediador nem o faria sentir-se ameaçado), mas também ingénuo, crédulo e com necessidade do amor e da admiração daqueles que o rodeiam, e que receia a desaprovação e tende a culpar-se de tudo. Fragilizado deste modo, o assediado acaba por adotar posturas induzidas pelo agressor.

O assédio moral é um risco invisível, mas muito concreto, no que concerne às relações e condições de trabalho. Toda a sintomatologia psico-físico-emocional, nomadamente as dificuldades de aprendizagem, de concentração e do sono, a ansiedade, o esquecimento, a irritabilidade, a indecisão e a fadiga podem converter-se em fatores favoráveis à ocorrência de acidentes de trabalho, retração de amizades, casamentos arruinados, aumento das despesas com medicamentos, perda de bens patrimoniais. É um caso muitíssimo sério, e que deveria ser mais fácil de identificar por todos nós, pois muitos podem até ser vitimas sem terem noção dos seus direitos.

a carregar

150 

Maria Bijóias

Título:Assédio moral no ambiente de trabalho

Autor:Maria Bijóias (todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem:

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 49 )    recentes

  • Rua DireitaRua Direita

    15-04-2014 às 22:57:28

    Isso é um assunto de suma importância e vemos acontecer sempre, principalmente, escritórios. Adorei seu texto, parabéns!

    A equipa da Rua Direita

    ¬ Responder
  • Natália 25-03-2014 às 17:20:03

    Trabalho numa empresa distribuidora de alimentos há 1 ano e 5 meses, gosto muito do meu trabalho, mas de um tempo pra cá eu venho sofrendo assédio moral por parte de alguns colegas, na hora do almoço (nós almoçamos na empresa mesmo), aí eu vou colocar sal na minha salada, uma colega minha implica comigo porque na minha comida tem sal demais... ah tenha dó... cada um que cuide de si né... eu só não peço demissão porque preciso trabalhar, estou juntando dinheiro pra sair de casa... mas minha paciência tá esgotando... que coisa chata!

    ¬ Responder
  • Leonardo Silva 05-03-2014 às 00:48:33

    uma pessoa do meu trabalho fica toda hora passando a mão em minha bunda e min chamando de gay e de bixa
    já faleí com meu chefe mas ele não faz nada ih agora

    ¬ Responder
  • Mara 21-02-2014 às 18:29:39

    Boa tarde,
    Sou professora em uma escola particular e uma das professoras tem me causado grandes constrangimentos. Nas reuniões de funcionários, ela levanta dúvidas sobre meu comportamento com os alunos dizendo que sou agressiva, que faço bulluyng, que tem mãe até querendo me bater (mas quando questionada, diz que não pode falar quem é)ela tem falando de mim para alguns pais, fico muito frustada pois minha profissão é minha vida. Existe algum meio legal que eu possa usar para força-la a parar? Desde já, agradeço.

    ¬ Responder
  • luciana 13-02-2014 às 18:40:23

    olá estou me sentindo assim tudo que diz sobre o assedio não em relação ao assedio sexual mas o abusivo por parte dos superiores trabalho na empresa de cal center a 2 anos e7 meses o produto pelo qual trabalhava acabou e fui colocada para um novo fiz o treinamento e me colocaram para trabalhar sem crachá sem colete ou login e senha nada comprovava que eu estaria na empresa depois recebi o crachá mas não estava cadastrado quando me deram até então não tinha ciência que tinha que cadastra-lo fui trabalhar no fim de semana domingo na segunda minha supervisora que até o momento em que ela me questionou a presença no domingo não sabia que era minha nova supervisora ela então afirmou que eu não teria ido trabalhar ela alega não ter me visto no dia porem não tem como provar que não fui pelos motivos que já citei e eu não tenho como provar também pelo mesmo ficou neste impasse mas a mesma levou a gerencia que me passou uma suspensão não aceitei e não assinei voltei na gerencia expliquei a situação ela cancelou suspensão porem não conformada a supervisora criou casos desconfortantes para meu ambiente de trabalho pois a desconfiança por parte de seus amigos os supervisores que questiona odo tempo se fui mesmo no dia informado e alegan também que não me vira depois de tudo disseram que não me vira mas era como se não tivesse la pois não me deram login como disse em fim eles não tem como provar que faltei e eu não tenho como provar que fui eu posso levar punição baseado no que o supervisor disse ja que virou questão pessoal por eu tela confrontado informando que fui trabalha apesar dela dizer ao contrario?

    ¬ Responder
  • ronaldo tadeu de souza 23-01-2014 às 10:41:51

    Bom dia.
    Tenho 55 anos e trabalho no setor de projetos de uma empresa privada a quase 15 anos. de uns 04 anos pra cá, houve muitas mudanças na empresa,mudança mais no que tange funcionários, hoje tenho um novo chefe e novos colegas de trabalho. Este novo chefe, não me atribui mais funções que fazia antes, passando a funcionarios novos que entraram junto com ele praticamente. sinto uma descriminação devo falar com ele tipo abrir o jogo? passo semana sem nada a fazer e o chefe não me pergunta nada. tenho vontade de sair sem avisar devido esta pressão que venho passando. qual seria o melhor procedimento de minha parte?
    agradeço me enviar no meu e-mail uma melhor posição a ser tomada.

    Obrigado.

    ¬ Responder
  • Andressa 19-12-2013 às 17:43:16

    Ontem estava trabalhando até então tudo ocorria bem, quando chegou minha ex patroa me em sutando e der repente começou a me gritar no mesmo estante a gritei também, e ela me chamou de ''vagabunda'' na mesma hora eu parei olhei pra ela e perguntei eu ou o que? e ela repetiu é isso mesmo, eu disse ok agora nos vamos para justiça porque você vai provar que eu sou vaganunda! E peguei minhas coisa e me retirei da empresa dela. Agora como devo prosseguir em qual processo essa situação se em caixa. POR QUE IMPUNE EU NÃO VOU DEIXAR! Me ajudem por favor!

    ¬ Responder
  • Lorrainne 29-10-2013 às 02:39:04

    Posso ser mandaa embora, porque faço faculdade e tenho pedido um horario fixo a tarde para não faltar?

    ¬ Responder
  • Joao 21-10-2013 às 00:50:41

    quando o mesmo casal trabalha em uma empresa que presta serviço para o estado e um dos conjuge é transferido para outra cidade, visto que o casal tem uma filha recem nascida, sendo que o casal só reside nas duas cidades por vinculo do emprego, ou seja não tem nenhuma parentela no local, qual procedimento pode ser tomado para que os mesmo continuem juntos ou possam estar em municipios mais proximos?

    ¬ Responder
  • cleide 04-10-2013 às 18:49:13

    Estou trabalhando em uma empresa tercerisada no shopping, porem nestes dias levei uma suspensão, porque meu supervisor me pegou no banheiro, falei pra ele que estava esperando o banheiro desoculpar para eu usar, ele não acreditou em mim chamou a encarregada pra ver o banheiro e me levou até sua sala tentei explicar pra ele que eu ia usar o banheiro como ele não queria agreditar em mim elevei o tom da voz ele disse que desrespeitei ele me suspendeu mas eu não fiz nada de errado além de me defender.
    Acho engraçado que a uns meses reclamei pra ele que a encarregada me gritou ele não tomou atitude alguma mas quando é a com a gente rapidinho levo uma suspensão agora fiquei ciente que na primeira reclamação que eu fizer vou levar uma advertência ate ele me dar três suspenção pra mim ter uma justa causa me sinto triste poxa eu não fiz nada e que injustiça espero uma resposta mais animadora que me tire dessa. agradeço desde já.

    ¬ Responder
  • anderson 26-09-2013 às 12:55:06

    Bom dia,eu trabalho em uma empresa terceirizada da oi e meu lugar de trabalho é realengo ,sendo que ontem meu supervisor chegou pra mim e falou que eu iria ter que trabalhar em são Conrado durante uns 15 dias aproximadamente no minimo,eu falei com ele que para mim ficaria ruim porque estudo e complicaria minha vida porque é muito longe da minha casa,se eu fosse iria acabar faltando nos meus estudos e ele me disse que o coordenador falou se eu não fosse para la eu ficaria na falta,que eu não poderia ir pra realengo,eles podem me obrigar a ir trabalhar a no lugar que eles quizerem sem me perguntar se daria para mim ir pra outro lugar apenas me jogar pra la?

    desde ja agradecido

    ¬ Responder
  • Marcelo 23-09-2013 às 03:32:54

    Trabalha a 4 anos em ambiente de vendas, só eu de homem com trabalhamos com vendas . A gerente protege as meninas tira minha vendas dizendo ser delas me provocam e quando respondo logo me vem dizer que estou errado . A gerente após me julgar quando me defendia . Disse a ela se assim ela achasse melhor me despedisse ela disse que não e me deu uma advertência posso processar a empresa ? ainda trabalhando não recolhem os beneficios correto somos pagos pelo piso e o rentante por fora. estou no prejuízo.

    ¬ Responder
  • Adriana 18-09-2013 às 00:06:18

    Olå Boa noite, Li essa mensagem, e tenho passado algo com o que estå sendo falado aqui. trabalho em um escritorio comercial, no financeiro. e o dono, so fala comigo com gritos, batendo, na mesa, isso na frente de todos os funcionarios, e até aconteceu na frente de um fornecedor. pedir tarefas com uma urgência inexistente, ignorar a presença do trabalhador. e etc…
    isso nåo é so comigo. mais venho aqui querendo saber se isso é Assédio Moral?

    ¬ Responder
  • João Santos 02-09-2013 às 23:03:37

    Um gerente de produção mandou eu calar a boca na frente dos meus funcionários ao qual são subordinados, perdi a credibilidade com os mesmos, posso processar por assédio moral?

    ¬ Responder
  • micheli 22-07-2013 às 21:31:12

    ola ,trabalho num hospital particular,tive problemas particulares em casa com minha folha de 10 anos,a baba dela sumiu nao vem mais fica com ela para mim trabalha faltei sem sustificativa.me derao advertencia e em seguida suspensao de pois de alguns dias...so nessa semana q eu faltei outras colegas tambem faltarao sem sustificativa so eu fui punida.trabalhei o plantao todo e no final do plantao minha supervisora me deu suspensao de 2 dias...isso e asedio moral ,so eu fui punida pelas faltas e o pior trabalhei o dia todo e no final do palntao levei suspensao..obrigada...

    ¬ Responder
  • sonia de jesus lopes 20-07-2013 às 20:29:42

    minha gerente me deu uma advertencia mas por um motivo banal mas ela criou uma situaçao em cima do caso e eu naõ tive nem como me defender tive que assinar a divertencia,eu posso processa_la.


    mesmo estando trabalhando

    ¬ Responder
  • nil 27-06-2013 às 11:55:58

    Meu supervisor está denegrindo minha imagem perante outros funcionários via mensagens no skype no trabalho. Acontece que peguei algumas conversas dele, e tenho elas copiadas comigo. Se levar na justiça configura como perseguição? e posso processa-lo?

    ¬ Responder
  • Maria Celia 22-05-2013 às 15:11:50

    Ola, estou há dias me remoendo..a supervisora do meu esposo me proibiu de ir na loja dele , chamou sua atençao e avisou a todos os funcionarios que não queria nenhum parente na loja, se ela soubesse que foram sem avisar antes a pessoa seria demitida.É possivel uma coisa dessas.O que devo fazer? Se puder me ajudar agradeço.

    ¬ Responder
  • rivelino 30-04-2013 às 09:50:46

    Atualmente trabalho em um curtume em Pedra preta-MT, percebi uma diferença de comportamento por parte da administração da empresa que passaram a não me cumprimentar mais. Com exatamente 11 meses de empresa solicitei uma reunião com o gerente, supervisor, e o responsável pelo RH. Eu trabalhava das 21:00h às 07:00h do dia seguinte, exercendo a função pela qual fui contratado, e de graxero exercendo assim duas funções por turno, sendo remunerado apenas por operar a caldeira. Na respectiva reunião perguntei ao gerente eu estava sendo transferido de turno e minha carga horária continuava sendo de 220h mensais já que os dois novos contratados teriam sua carga horária de 180h mensais, desconversou. Começou a dizer que o responsável pelo RH da empresa se queixava alegando que eu não registrava certamente o horário de marca o ponto, e uma outra queixa de que eu não realizava limpeza no local de trabalho, sendo que muitas vezes o fiz mesmo quando não cabia a mim faze-lo, me cobrou que eu fizesse lixeiras para a empresa, eu já indignado lhe respondi que não era obrigado a faze-lo pois não fui contratado para este serviço, me respondeu que a empresa só ajuda quem merece, dizendo na minha cara que eu era um incompetente, por isso não merecia aumento salarial. Foi quando exclamei, quer dizer que sou incompetente não mereço aumento de salário? Os colaboradores que não possuem curso e que trabalhavam no curtimento tiveramdois aumentos de salário, e eu que exerço duas funções ou mais de acordo com as necessidades da empresa sou obrigado a trabalhar e receber um salário inferior a um salário de fuloneiro que não exige curso algum? Fez cara de desentendido,e sugeriu esquecer-mos o passado.
    Não me abalo com qualquer coisa, mas confesso que me senti muito inferiorizado, depois disso um colega que pediu para não ser involvido, disse que o responsável pelo RH disse que iria aprontar comigo. Ainda trabalho na mesma empresa porque tenho uma família a zelar, caso contrário já teria me desligado desta empresa

    ¬ Responder
  • geni 18-04-2013 às 16:57:59

    trabalhei por tres meses em um hospital, bem no primeiro mes a chefe disse presta,presta, não presta, manda embora, bom depois disso fiquei totalmente desequilibrada,com medo de tudo de fazer qualquer procedimento, me trocaram de turno para noite, mas fiquei muito melhor por ela não esta por perto mas mesmo assim ela deu um jeito de falar mal de mim e eu fui mandada embora. Fui em outro hospital mandei currículo fiz entrevista, tava tudo certo de repente a chefe do hospital disse espera um pouco la que voce vai fazer outra entrevista daqui á pouco esperei ela me chamou e disse que não iria mais perguntei que dia que eu ia fazer a entrevista ela desconversou e disse se precisar te ligo tenho certeza de estar sofrendo perseguição, dessa infeliz,

    ¬ Responder
  • Eliezer ramos 23-03-2013 às 20:18:39

    Um caso de assedio moral
    Eu me chamo Eliezer ramos da silva curso gestão empresarial na faculdade UNIP, e sou funcionário da empresa ELITE SERVIÇOS DE SEGURANÇA LTDA. desde o ano 2000 onde atualmente tenho a função de fiscal de operações em escala de 12x36 em um cargo de extrema confiança que sempre avança em conhecimento operacional. A aproximadamente 6 meses desde a participação direta nas operações da empresa, venho sofrendo uma serie de perseguições por um colaborador que chamado SIDNEY LEÃO DE ALMEIDA que nos mês de janeiro assumiu temporariamente o cargo de supervisor operacional de fiscalização, onde neste período foram os que mais colaborei nas implementações das operações em todos os aspectos para o bom andamento das operações, mas sempre e nunca era o suficiente para esse supervisor temporário.
    Além do mais em sua antiga posição como auxiliar operacional, e diante de todas as pessoas que trabalham nas operações este sujeito nunca foi preparado e capaz de operacionalizar este sistema de fiscalização.
    Desde estão o mesmo ao perceber que a minha pessoa dentro e fora do campo operacional na área, superava seus conceitos o referido investiu em uma perseguição funcional contra a minha pessoa dizendo que minhas atribuições como fiscal, estavam deixando a desejar e me notificava com grande frequência até a gestão de processos da empresa. Que mesmo eu realizando todas as provas e defesas convencionais, ele ficava ao lado da gestora de processos (pessoa designada de conhecimento em direito) instigando como a gestora deveria proceder me punindo e me afastando das funções e me prejudicando financeiramente e psicologicamente no trabalho mesmo eu tendo todas as evidências de comprovação por escrito e diante de todas as pessoas do quadro de fiscalização que estavam junto comigo nos fatos e também ficavam sem entender e reciprocidade da injustiça.
    Eu como fiscal em minhas atribuições não realizo qualquer ROTA DE FISCALIZAÇAO sem a orientação do supervisor operacional, assim como tudo e qualquer desvio de ROTA sempre deve ter a permissão do mesmo, então como eu fiscal Eliezer realizava alguma transgressão operacional indevida? Mesmo com todas as evidências comprovadas! E se existia uma pessoa preparada para os processos da empresa, por que ele ficava praticamente forçando a punição?
    O caso e que desde então venho sempre passando por inúmeras passagens pela gestão de processos da empresa, e sempre a pedido deste CANALHA!!! QUE SEMPRE FICA ME PERSEGUINDO... tive por muitas vezes vontade de descarregar minha arma nesse safado! Mas mantive a minha personalidade psicológica constante, mas já não sei se da próxima vez vou aguentar... Já foi cogitado entre os membros que a mesmo esta com medo de perder seu cargo para a minha pessoa, e eu que nem planejo esse cargo, eu só quero mesmo e trabalhar com dignidade e acima de tudo continuar estudando e aprendendo muito mais. Pois quem estuda cresce!!!
    PROFESSOR - observe este caso e tenho certeza da minha vitória!!!
    DESDE JÁ LHE AGRADEÇO.

    ¬ Responder
  • icaro cardoso 11-02-2013 às 10:59:40

    Ola , fui agredido no trabalho pelo irmão da dona do estabelecimento sendo que ele é o gerente do restaurante e dei queixa ,
    como faço para proses-ar eles , sem conta que venho passando varias humilhação dele e dela na frente de clientes

    ¬ Responder
  • LUNA 27-01-2013 às 15:55:13

    TRABALHO A 10 ANOS NA MESMA EMPRESA, OS FILHOS DA EMPREGADORA SEMPRE USAM DE PALAVROES ,GINGAMENTOS COISAS HORROROSAS,A MAE NO COMEÇO ERA MAIS SUAVE DE UNS TEMPOS PARA CA ELA TAMBEM E AGRESSIVA, NAO NSEI MAIS O QUE FAZER NAO AGUENTO ESTE AMBIENTE HOSTIL,ME SINTO TRISTE DEPRIMIDA, ARRASADA, DEVO PEDIR CONTA

    ¬ Responder
  • nelsin 23-03-2013 às 02:59:59

    Olha pedir a conta não sei,mas que se possivel verifique outro emprego para se ter maior numero de escolhas ou oportunidades possiveis.

    ¬ Responder
  • Jonathan 12-06-2013 às 17:31:04

    Arrume provas e denuncie o empregador por assédio moral!! Não deixe barato e nem pense em pedir demissão!!

    ¬ Responder
  • anonimo bradescravo 21-01-2013 às 17:50:45

    O Bradescravo é o campeão de assédio moral. Quebraram o sigilo bancário da minha conta e de meus familiares. Como não tenho como provar, não pude entrar na justiça depois que saí. Mais vou deixar registrado aqui, para que todos saibam, que Esse Banco tem que pagar pelo que fez e vem fazendo com os seus funcionários.

    ¬ Responder
  • valdirene vilhena 12-01-2013 às 15:46:17

    rabalhei na Empresa durante 8 meses. Dia 07/01/2013 trabalhei normal e dia 8 fui ao medico e estou com atestado medico de 14 dias a partir do dia 08. Quando fui levar o atestado fui demitida e sem dispensa do aviso previo e na carta de demissão estava dia 07/01/2013 mas não assinei nada. A pergunta é a seguinte. Eles podem demitir com data retroativa? E tambem o afastamento é devido ao trabalho , estou em depressão devido a torturas psicologicas que sofre durante todo este tempo. Por favor preciso dessa resposta pq se eles quiserem me mandar embora me dipensando do aviso previo eu aceito mas se não o que eu faço? grata

    ¬ Responder
  • valdirene Vilhena 12-01-2013 às 15:44:06

    rabalhei na Empresa durante 8 meses. Dia 07/01/2013 trabalhei normal e dia 8 fui ao medico e estou com atestado medico de 14 dias a partir do dia 08. Quando fui levar o atestado fui demitida e sem dispensa do aviso previo e na carta de demissão estava dia 07/01/2013 mas não assinei nada. A pergunta é a seguinte. Eles podem demitir com data retroativa? E tambem o afastamento é devido ao trabalho , estou em depressão devido a torturas psicologicas que sofre durante todo este tempo. Por favor preciso dessa resposta pq se eles quiserem me mandar embora me dipensando do aviso previo eu aceito mas se não o que eu faço? grata

    ¬ Responder
  • Andre Altico 25-12-2013 às 16:52:43

    esta resposta serve p todos , procurem 1 advogado de causas trabalhistas eles melhor que ninguem instruiram vcs

    ¬ Responder
  • wagner 09-01-2013 às 15:35:41

    meu líder onde trabalho e quem recebe meus atestados, e já faz algum tempo q ele vem me questionando sobre eles...ele tem uma conduta difícil de se lidar , se vc ñ faz hora extras ele te muda de horário se vc faltou c justificativa ele te ameaça te colocar em outro horário q ñ teria como fazer às tarefa e deveres de pai ou chefe d família... em fim nas últimos meses tenho entregado meus atestados a ele c ordem do rh da empresa.. só q já foram descontados vários dias e o rh diz q os atestados ñ chegam até eles... e quando vou falar c meu líder ele diz q ñ se lembra e q é para eu correr atraz e neste meio tempo tenho q perder tempo e dinheiro para eles me reembolsarem nós meses seguintes.
    oq faço? como devo agir ? por favor me ajude.

    ¬ Responder
  • Jôse Lins 30-12-2012 às 09:00:26

    Gostaria de saber o que fazer em relação ao meu chefe, há três anos faço trabamento psicologico, devido varios gritos que levei dele, tenho registrado varios e-mail onde ele me agride de forma moral, e se desfaz do meu trabalho, ja chegou até falar em reunião na presença de outras pessoas, sobre um documento que fiz, ele aprovou depois quando foram questionar ele, chegou jogar na minha cara que aquele documento perecia ser vomitado, me sente sem chão na presença dos colegas de trabalho.
    Outro dia disse em reunião eu,ele e o chefe da segurança que eu estava sem credibilidade me sinto mal, porque sou resposavel em tudo que faço, e procuro deixar isso bem transparente. Agora ele colocou uma pessoa como bode espiatorio para vir trabalhar na sede que trabalho, para a pessoa ver se há algo errado ou seja, isso mexe com minha moral, pois sempre trabalhei com honestidade eu e toda minha equipe, sou supervisora e ele é gerente geral.O que posso están fazendo gostaria de orientação, ja trabalho há 20 anos nesta empresa, hojo tomo remedio controlado devido pressões e gritos do meu superior.

    aguardo uma resposta.
    Obrigado.

    ¬ Responder
  • LÉIA 17-11-2012 às 19:23:17

    Passei por situações de Assédio Moral na empresa em que trabalhava até pedir demissão. Fui perseguida e monitorada por uma colega de trabalho que, na realidade não era funcionária da empresa, e sim colaboradora mas mantinha uma amizade com o dono da empresa, assim dito por ele, somos amigos quando perguntei o que ela era , porque se fosse sócia eu estaria fora. No entanto,ela se achou no direito de ser a administradora e me perseguiu durante 10 meses. Eu varias vezes quis sair e ele não deixava porque dizia que eu era subordinada à ele e ela me sacaneando, articulou toda a equipe contra mim, desestabilizou meu ambiente de trabalho, os colegas mal falavam comigo e a postura de todos era a mesma, atitudes combinadas. fora bolada de miolo de pão que jogavam nas minhas costas no hora do lanche. Desrespeito total com a minha pessoa. Até que o meu chefe me tirou uma funçao na frente de 2 clientes que eu estava atendendo, ele colocou outra pessoa no meu lugar e disse para eu levantar da mesa que ele terceirizando o meu trabalho.
    Consultei o presidente da OAB da minha cidade que disse pra eu não perder meu tempo com justiça que não tenho direitos. ???
    Adoeci, estou com depressão , sensação de incapacidade para o trabalho e outros sentimentos... Eu não quero dinheiro de ninguém , penso que esse tipo de Gestão Incompetente não pode ficar no mercado de trabalho sem nenhum tipo de punição. Até quando nossas leis vão ficar no papel?

    ¬ Responder
  • carina bueno mauro 16-11-2012 às 14:04:30

    OLa meu nome é carina, sou tecnica em enfermagem estou gravida de 6 meses e trabalho no turno noturno , era mais ou menos 05:30 da manhã quando eu estava no posto de enfermagem fazendo meu trabalho como de costume olhei para trás na janela onde tem um corredor e vi a chefe do departamento pessoal tirando foto de mim levei um enorme susto pois a 15 dias tinha entrado ladrao no asilo onde trabalho o que devo fazer , não consegui nem dormir por causa disso ...obrigada

    ¬ Responder
  • A.M.S 07-11-2012 às 20:13:12

    Trabalho numa empressa de atendimento telefonicoo receptivo, e aqui que fica doente tem seu horario de trabalho alterado, pessoas que trouxeram atestado de saude, ao retornar fora comunicados que devido a isso foi mudada horario de trabalho para 2 horas mais tarde, apenas pelo fato do atestado, contrangendo a todos que precisam do horario não trazer atestados medicos mesmo doentes.

    ¬ Responder
  • Ana Lúcia Lopes de Souza 04-10-2012 às 17:12:34

    Meu filho trabalha em uma loja de calçados.Chegou um novo gerente em sua loja,que por sua vez alega que meu filho era protegido do ex gerente.Começou a persegui-lo,seu horario de entrada é as 8;30,ele chegou as 8;32 ele disse que ele tem que chegar as 8;20.Implicou com seu cabelo ,com sua barba.E disse que com ele é diferente o que devemos fazer,nos ajude por favor meu filho esta sofrendo e eu também ,obrigada

    ¬ Responder
  • Maria Ribeiro 30-07-2012 às 06:43:33

    Trabalho em uma empresa, a dona nos manda constantes e-mail com grosserias, nos tratando como fossemos uns idiotas. Pede inúmeras tarefas no mesmo tempo, tudo através de e-mail. Quando nos chama tem que largar tudo e sair correndo, senão ela fica gritando. Fica falando mal de um colega para o outro, até por email ela fala mal. O que eu faço? Pois eu já não aguento mais, ela costuma perder as coisas, e antes de encontrar ela fica acusando a gente... fala que vai fazer B.O. etc... depois encontra e nem pede desculpas... eu choro todos os dias, só não saio de lá porque não tenho outro trabalho e preciso pagar minhas despesas.

    ¬ Responder
  • Tassiele Lima 02-07-2012 às 17:10:17

    Boa tarde, amigos.

    Tenho uma dúvida, segue abaixo um e-mail enviado pelo o meu DP: Senhores responsáveis,



    Gostaríamos de solicitar mais a atenção dos senhores para o que segue: temos (RH) percebido que alguns colaboradores estão utilizando o refeitório em horários não permitidos. Ou seja, estão chegando após o horário de início de suas atividades (atrasados) e ainda ficam por vários minutos tomando café e em conversas com outros colegas e/ou no celular (ocorrências estas que já vêm acontecendo há alguns dias). Lembramos que, de acordo com a cláusula 17 do nosso Regulamento Interno, dentre outras ocorrências abordadas na referida cláusula, não é permitido o uso do refeitório fora de horário. Assim, temos duas ocorrências ‘negativas’: o colaborador, além de estar atrasado, também está utilizando o refeitório fora do horário. É totalmente permitido e liberado o uso do mesmo para tal refeição e conversas (porém, também devem estar de acordo com a cláusula 34 do nosso RI, a qual diz: “Não é permitido promover algazarras, falatórios ou risadas em alto som, jogos, discussões, brincadeiras, usar palavras ou gestos impróprios à moralidade e respeito dos colegas e clientes, nas dependências da empresa”), mas dentro do horário permitido.



    Esta é uma ocorrência que precisamos fiscalizar melhor, para que não haja transtornos ao trabalho e desmotivação aos colegas que seguem as regras do nosso RI.



    Lembrando, também, que qualquer quebra de alguma cláusula do RI, é passível de medidas Trabalhistas, conforme prevê o próprio Regulamento e as Leis Trabalhistas.

    ***
    Porém hoje não contamos com um refeitório! Temos um espaço que fica de frente para o RH/DP a onde recebem os funcionários e visitantes nos momentos que estamos ''almoçando'' ou seja, ficamos constantemente constrangidos com essas situações, tirando o fato que não podemos ''relaxar'' em nossa hora de almoço conforme o departamento deixa subentendido acima.

    Gostaria de saber se existe alguma lei/artigo para que nós funcionários possamos reverter essa situação.

    Obs: não recebemos Vale Refeição para almoçar fora e contamos hoje com apenas 1 microondas para uma grande quantidade de funcionários.

    Desde já muito obrigada,

    ¬ Responder
  • Costa 01-06-2012 às 12:10:07

    bom dia ,tenho 38 anos e a dois anos, e durente esse tempo venho tentando ser transferido para o terceiro turno em função de estar fazendo faculdade durante o dia ( manhã, tarde e as vezes inicio da noite ate as 18 horas ),com muita dificuldade consegui pois já estava desperiodisado e corria o risco de ser jubilado , durmindo as vezes 3 a 4 horas por dia e em situação de extremo cansaço fiquei com o rendimento na empresa depreciado mas dentro da media , entretanto , um funcionario mais antigo do que eu no setor usando de influencia sobre os demais colegas , vem tentando me sabotar a minha conquista ,falando mau de mim depreciando minha moral e ate tirando fotos minhas em ocasiões onde acometido de cansaço acabei durmindo ( nao sei se a origem das ftos foram durante o intervalo ou em circusntancias em que eu passei do horário por cansaço , o fato é que de forma maquiavelica , dizem alguns colegas recoltados ele tirou fotos de mim e enviou ao supervisor , a data e hora podem ter sido fraudadas, meu questionamento é que providencias devo tomar juridicamente contra a empresa e o funcionario difamador , vale ressaltar que isso pode afetar minha avaliação e posso ter prejuisos materiais alem de morais e que por ser o funcionario mais antigo do que eu usa de chantagem junto a chefia por considera-lo uma peça indispensavel pela experiencia ( presumo que ele se sinta ameaçado ja que tenho mais experiencia do que ele na area mas pouco conhecimento do produto em questao.

    ¬ Responder
  • Artur de Jesus 06-02-2012 às 01:17:14

    Boa noite a todos,parabens pela materia sobre assedio moral!Trabalho em uma empresa em Barueri a 10 meses e la tem uma empresa de seguranca que a 10 meses me segue e assedia moralmente.Os carros desta empresa,sempre,ao me verem diminuem a velocidade,como a policia quando ve uma pessoa suspeita,as vezes encaram,outras passam rindo sos,debochando de mim e na maioria das vezes ficam dando voltas ao meu redor nao sei com que finalidade pois sabem onde trabalho e que trabalho,nao ando sujo ou mal arrumado,simplesmente me assediam!Nao sei a quem recorrer ou o que fazer em relacao a este transtorno.Obrigado.

    ¬ Responder
  • fabiana 05-08-2011 às 21:34:54

    minha gerente grita comigo me chama de muleca e diz que sou abusada.O que devo fazer e aonde devo procurar ajuda...Por favor me responda

    ¬ Responder
  • Joao 27-07-2011 às 09:29:22

    Muito bom artigo. Tente evitar qualquer forma de assédio em qualquer campo e no trabalho. Se você quiser ler outro artigo sobre esse assunto eu recomendo o seguinte link: http://euquerotrabalho.com/assedio-moral-no-trabalho.html
    Abraços!

    ¬ Responder
  • aline conde costa henrique 01-02-2011 às 14:35:15

    sofri um assédio moral por um cara do meu serviço, o mesmo me disse palavras obsenuas e coisashorriveis na qual não gostaria de expor. Fui mandada embora por isso pois ele tinha 5 anos de empresa e eu apenas 5 meses. Então quando fui entrar na justiça, minha irmã que trabalha na mesma empresa porém tercerizada, meligou desesperada pois se eu entrasse na justiça ela seria mandada embora. agora NÃO sei o que fazer !!! A EMPRESA É UMA CONCESSIONARIA DE CAMPINAS DAHRUJ PEUGEOT.

    ¬ Responder
  • antonio 20-01-2011 às 19:03:44

    tambem sofri esse tipo de assedio , sei o que a pessoa senti é terrivel , o gerente da empresa onde trabalho me pre julgou chamando eu e outros dois funcionarios de moleque e vagabundo espero um dia poder ser indenisado por este ato

    ¬ Responder
  • Ana Paula Martins 26-11-2010 às 13:04:49

    Trabalho na Industria Farmacêutica. Desde o dis 03 de Fevereiro de 2008 que sofro uma constante pressão visto não ter aceite a rescisão amigavel que me apresentaram.
    Devido á pressão que sofri entrei de baixa em Outubro de 2009. Voltei ao serviço após a minha baixa ter terminado a 19/11/2010. É horrivel estar aqui. Estou sentada a uma secretária todo o dia, sem nada para fazer. Tiraram-me tudo, o que me safa é ter trazido livros e um trablho em ponto cruz para fazer. Não dá para explicar o sofrimento que é estar assim o dia todo. Trabalhava na Venda Nova (Amadora), transferiram-me para Loures (Sete Casas). Moro no Cacém tenho 2 filhos (14 e 10 anos) que na terça-feira estiveram sózinhos em casa até ás 20:30Horas e na quarta-feira até ás 10:00 horas, devido ao facto de a mãe ter que estar presente num sitio onde é obrigada a estar e que para passar o tempo e não ficar louca de todo, borda. Obrigaram-me a trabalhar mais 30 minutos/diários do que diz o meu contrato de trabalho. retiram-me o sub de almoço, não me pagam os transportes. Os meus colegas já receberam o vencimento este mês e eu nada. Vejam como os patrões em Portugal são simpáticos ....

    ¬ Responder
  • carolina machado 19-08-2010 às 23:39:56

    Olá Rogério, li sua mensagem e me interessei muito em saber que escreveu um livro sobre este tema, pois sou estudante de direito e gostaria de fazer minha monografia baseada neste assunto, mas ainda não tenho conteúdo suficiente para um correto embasamento e gostaria de ter a sua ajuda. Aguardo resposta.

    ¬ Responder
  • Joao Coelho 02-06-2010 às 10:54:24

    @Maria Neves

    http://www.cite.gov.pt/
    http://www.act.gov.pt

    inclusive o CITE tem uma linha de apoio espectacular.
    Cumpts,
    joao

    ¬ Responder
  • Sergio 23-04-2010 às 11:29:22

    Muitas mulheres são foi vitma de assedio moral, e de assédio sexual no setor publico de um modo geral.
    O assedio moral se da quando as amigas e colegas de trabalho com seus casos mal resolvidos em casa, aconselhão as "amigas" mais inexperiêntes na vida conjugal a viverem a vida com colocações do tipo "que nada boba, viva a sua vida, e deixe aquele trate pra la". Logo em sequida vem o incentivo para o assedio sexual. O chefe do setor ou pessoas oportunistas percebendo as intenções, começam a fazer graçejos e convites amigos par almoçar, a dizer que ficou com saudades, aquele velho papo que ninguem acredita mais a coisa rola.
    Portanto mulheredas, não se iludam, trepar de graça todo mundo quer, se você esta sofrendo pressão da amigas para trair seu marido isto é assédio moral, e se transou com o chefe isto é assédio sexual. Processa todo mundo.

    ¬ Responder
  • Claudio Santos de Andrade 27-03-2010 às 21:54:26

    @ROGERIO BATISTA DE FREITAS gostaria que voce enviá-se para mim nome e editora da sua obra sobre assédio moral, pois vou fazer minha monográfia sobre assédio moral no ambiente de trabalho, e estou bibliogrfias para que eu possa ter uma boa apresentção no final do curso.

    ¬ Responder
  • Ricardo 02-03-2010 às 16:17:48

    @JP
    Em 1º lugar anote todas as agressões sofridas (dia, mês, ano, hora, colegas que observaram, conteúdo da conversa). Procure gravar as conversas ou ter provas das mesmas.
    2º Fale com os seus colegas sobre o que está a acontecer e procure saber se eles também são vitimas de agressão por parte do agressor.
    3º Procure nunca estar só com o agressor, procure estar sempre acompanhado de forma a ter uma testemunha e gravar todas as conversas.
    4ºProcura que ele lhe responda através de uma carta os motivos das agressões, tire fotocopia e envie uma carta registada com o respectivo documento para o departamento pessoal ou de recursos humanos. Guardo o comprovativo do envio dado pelos correios.
    5º Exponha o seu caso/apresente queixa no seu sindicato, no ministério do trabalho, na ACT – autoridade das condições de trabalho e procure um advogado especializado em questões laborais.
    6º Converse com o seu médico de família sobre as agressões.
    Contacto ACT : Morada
    Avenida Casal Ribeiro 18-A
    1000-092 Lisboa
    Telefone
    21 330 87 00
    Email geral@act.gov.pt

    ¬ Responder
  • JP 02-03-2010 às 15:16:35

    Eu sou vitima de assedio moral no trabalho, com provas escritas (mails), no entanto desconheço, onde me dirigir, e onde posso encontrar ajuda nesse sentido, obrigada.

    ¬ Responder
  • Maria Neves 08-01-2010 às 20:50:27

    Eu sou vitima de assedio moral no trabalho, no entanto devido a um desconhecimento total da matéria só depois de ter visto a reportagem na RTP1 dia 6, é que me apercebi da situação, gostava de saber onde me dirigir, e onde posso encontrar ajuda nesse sentido, obrigada.

    ¬ Responder
  • ROGERIO BATISTA DE FREITAS 06-01-2010 às 04:09:21

    Srs boa noite,
    Escrevi um livro de 190 paginas sobre Assédio Moral e suas consequëncias como a depressão, tentativas de suicídio, e desmotivação total de viver, além de quase perder meu casamento, e oriento o caminho e forma da saída do olho do furacão. Tenho todos laudos psiquiátricos e periciais do INSS como documentos comprobatórios. Sou funcionário de uma grande Industria Farmaceutica, formado em adm e estudante de Direito. Pesquisas feitas pelas indústrias revelam que depressão é o mal do século. Segundo pesquisa do INSS em 2008 tinham em benefiicio 1200 e em 2009 já chega a 1200 beneficiarios. Gostaria de uma análise para edição. Gostaria também de indicação de um profissional na área para Estado do Espirito Santo.

    ¬ Responder
  • Ana Maria 02-04-2013 às 08:37:00

    ana maria eu trabalho em serviço a 21 anos e minha colega de trabalho sempre me provoca com coisas absurdas como ofende , me maltrata liga no horario que estou trabalhando e pergunta de outra funcionaria para me provocar me insulta e desliga o telefone em minha cara as pessoas te que ter amizade comigo as escondidas por medo dela se ela souber ela fica brava e provoca eles tamben por saber que tem amizade comigo eles tem que fazer de conta que eu não existo para ela ficar contente já me provocou falando do meu filho e familiares como meu marido e etc.

    ¬ Responder

Deixe o seu comentário

voltar ao texto
  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.