Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > A Aplicação da PNL no Processo de Definição de Escopo em Projetos

A Aplicação da PNL no Processo de Definição de Escopo em Projetos

Categoria: Empresariais
Visitas: 16
A Aplicação da PNL no Processo de Definição de Escopo em Projetos

As diversas metodologias e conjuntos de melhores práticas em gerenciamento de projetos reconhecem e enfatizam a importância da qualidade da comunicação em toda e qualquer etapa de um projeto. Uma das etapas mais sensíveis e estatisticamente mais impactantes no resultado final do projeto é a Definição do Escopo.

Definir adequadamente o escopo vai muito além de obter dados para o dimensionamento de cronograma e de recursos, requer habilidades na identificação de fatores como a real expectativa das partes interessadas, os chamados stakeholders, que está por trás do Objetivo do Projeto.

Compreender a necessidade das partes não é um desafio tão simples quanto parece. Não raro, o que é expressado por uma parte difere do que é compreendido pela outra. E isso tende a se intensificar quando pensamos em qual experiência o cliente espera ter, muito além do produto ou serviço que ele espera que lhe seja entregue.

Neste contexto, a PNL (Programação Neurolinguística) apresenta algumas ferramentas que auxiliam na dinâmica da comunicação e feedback, para o melhor alinhamento das expectativas e consequentemente uma definição de escopo mais eficaz.

Um primeiro pressuposto aplicável neste caso é o de que “O Mapa não é o Território”. Esta máxima da PNL preconiza a limitação do chamado “Mapa de Mundo” que, por ser baseado nas experiências e conhecimentos individuais, ignora a dimensão total de conhecimento e de informações que poderiam compor a “verdade” sobre determinado ponto. Tomar consciência, portanto, da limitação do nosso Mapa de Mundo permite considerar a possibilidade de expandi-lo, levando em conta outras interpretações e pontos de vista, partindo de ângulos diferentes. Significa considerar a inexistência de um significado definitivo e único, ou seja, que o único significado para tudo é aquele que cada um dá.

Ao admitirmos que o significado de uma informação dada por um emissor pode ser completamente diferente da interpretação dada pelo receptor, percebemos a necessidade e utilidade da validação da informação. Esta validação pode ser alcançada com a aplicação de uma ferramenta chamada Calibragem. Nela, buscamos compreender melhor o Mapa de Mundo do outro e identificamos significados chave para o indivíduo que nos permitam interpretar mais assertivamente as suas mensagens.

Associada à Calibragem, outra ferramenta poderosa é o chamado Metamodelo, que consiste num conjunto de padrões verbais, utilizados para extrair um nível mais profundo de informações. Isso nos permite nos aproximarmos mais da experiência da outra parte envolvida no contexto e, em decorrência, obter uma interpretação mais assertiva do significado de cada variável.

Perguntas como “O que especificamente?” ou “Como exatamente” ou “Como seria se?” ou ainda “Quando especificamente?” ajudam a tornar mais rica e clara a definição do que deve ser feito, baseado no melhor entendimento do que exatamente é esperado como resultado ao final do projeto. Isso evita as famigeradas suposições, que frequentemente permeiam as definições de escopo e contaminam a comunicação durante todas as fases de um projeto.
Outro ponto importante é a definição de evidencias. O quê no decorrer do projeto evidenciará o real cumprimento do escopo definido?

Ter clara a forma como serão sistematicamente validados todos os aspectos do escopo, até a entrega final do Objetivo do Projeto significa encurtar o caminho crítico e muitas vezes otimizar todas as formas de recursos, especialmente tempo e dinheiro.
Os conflitos, muito comuns entre partes interessadas num projeto, tendem a ter a maioria de suas raízes estabelecidas na definição inadequada do escopo. Adotar ferramentas de PNL para a comunicação pode diminuir sensivelmente a ocorrência destes conflitos e, aplicadas no decorrer das demais fases, podem melhorar a gestão dos conflitos que eventualmente surgirem, inerentes a todos os demais fatores críticos de sucesso.


Mabile Gatelli

Título: A Aplicação da PNL no Processo de Definição de Escopo em Projetos

Autor: Mabile Gatelli (todos os textos)

Visitas: 16

0 

Comentários - A Aplicação da PNL no Processo de Definição de Escopo em Projetos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios