Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Operações bancárias internacionais

Operações bancárias internacionais

Categoria: Empresariais
Visitas: 14
Comentários: 3
Operações bancárias internacionais

Você sabe que um banco internacional é uma instituição financeira que oferece serviços financeiros, tais como, contas-salário e oportunidade de empréstimos para clientes estrangeiros. Estes clientes estrangeiros podem ser pessoas e empresas, embora todos os bancos internacionais tenham sua política própria de quem fará negócios com eles. De acordo com a OCRA Worldwide, organização que une pessoas e empresas para as operações bancárias internacionais, os bancos internacionais tendem a oferecer seus serviços às empresas e aos indivíduos muito ricos, como pessoas com US$ 100 mil ou mais. Mas muitos bancos internacionais, principalmente os bancos suíços, abrem portas para consumidores com todo tipo de renda. Saiba que as empresas fazem negócios com bancos internacionais para ajudar nas transações internacionais, pois, suas complexidades podem ser muito dispendiosas.

As pessoas trabalham com banco por vários motivos, inclusive por fuga de taxas, isso é provavelmente o que você mais ouve quando se fala em banco estrangeiro. A fuga de taxas não é necessariamente ilegal. Mas existem outros perigos nas operações bancárias internacionais, como existem muitos motivos para as pessoas e as empresas realizarem operações internacionalmente. Pessoas de todo o mundo utilizam os bancos para guardar seu dinheiro, para evitar que fiquem sujeitos aos impostos e taxas de seu país. Saiba que as filiais dos bancos operam em países com baixa taxa sobre impostos e taxas tais como ilhas Cayman (colônia britânica), Belize, Panamá e ilha de Man, também do Reino Unido. Mas saiba que você não pode simplesmente aplicar a sua renda em Belize e não pagar taxas. Os clientes devem declarar a renda e trabalhar com o banco para terem certeza de que a fuga de taxa não se transforme em sonegação de imposto ou lavagem de dinheiro. Algumas pessoas utilizam os bancos internacionais para investirem as economias dos países emergentes e em desenvolvimento, da mesma maneira que investirem em uma corporação doméstica ou num empreendimento imobiliário.

Vários indivíduos ricos têm suas fortunas em banco estrangeiro e em outras instituições para manter livre de processos judiciais. Isso não significa que essas pessoas sejam criminosas; eles simplesmente querem evitar perder até o último centavo num processo judicial repentino, inesperado ou predatório. Uma vez que os bancos internacionais, eles são menos afetados pelas flutuações de juros domésticas. Exemplo, se o Senhor ou a Sra. Lage querem evitar a baixa dos juros em seu país, o que eles podem fazer é movimentar o dinheiro para um banco internacional. Existem alguns bancos estrangeiros que podem oferecer melhores taxas de juros do que bancos locais, gerando uma oportunidade de lucro para os clientes.

Os bancos internacionais também tornam mais fáceis, para uma empresa com presença internacional, fazendo negócios ao redor do mundo. Mas isso a empresa não precisa abrir um milhão de contas diferentes no mundo inteiro, ou então aguardar para receber o dinheiro enquanto os bancos negociam entre eles. Além disso, os bancos internacionais oferecem muitos serviços financeiros que facilitam o comercio internacional. Além de oferecerem serviços de pagamento de salário para as impressas como funcionários contratados em outros países, eles oferecem carta de crédito para garantir que as empresas de outros países efetuem os pagamentos de bens e serviços. Eles também oferecem serviços financeiros para apoiar as empresas que enfrentam os altos custos com importação e exportação de produtos.

Uma conta em um banco internacional com boa reputação provavelmente incluirá os seguintes: o banco confirmará a sua identidade e as identidades de qualquer pessoa que tenha interesse de propriedade sobre seu dinheiro; como um pai zeloso, o banco o questionara sobre suas intenções. Como porque você precisa de uma conta bancária internacional? E o que a sua empresa faz? O banco também questionará sobre a origem de seu depósito, sobretudo os depósitos maiores. Onde conseguiu, por exemplo, estes US$ 897 milhões, o banco também pedirá referencias se você é um individuo ou empresa com boa reputação. O Baco também analisará o quão arriscado você e sua empresa pode ser, e se consegue pagar os empréstimos.

Existem alguns perigos nas operações bancárias internacionais, como se o banco esta a beira de uma guerra civil ou colapso econômico? Saiba também se o banco se localiza em um país conhecido pela corrupção? Pois isso você tem que ter cuidado pra não colocar seu dinheiro em um incêndio. Veja se o banco é conhecido pela sua eficiência e pelos investimentos inteligentes ou por um serviço ao cliente ruim e socorros financeiros federais? Saiba que assim como a moeda local pode mudar de valor, a mesma coisa é a moeda estrangeira.

Se você investir em um banco estrangeiro e o valor da moeda cai muito saiba que você perde dinheiro. Porém se você lucrar muito através de um investimento internacional, o seu lucro pode ser bastante reduzido durante a conversão do dinheiro para a fraca moeda local. Mas para solucionar essa questão, muitos bancos internacionais incentivam os proprietários de contas a manterem seu dinheiro em contas de capacitação de juros e outros investimentos. Os clientes podem utilizar o dinheiro que ganham em tais contas para conduzirem negócios no exterior. E quando a taxa de juros aumentarem, o cliente pode trazer algum dinheiro de volta para casa. A (FDIC) Sociedade Federal de Seguros de Depósitos. Não fazem seguros em bancos estrangeiros, mas pode fazê-los nas divisões americanas de banco baseados no exterior.

Se você esta pensando em fazer operações bancárias internacionais, questione sobre o seguro de depósito fornecido pelo governo do banco local ou de outra instituição. Por causa do aumento internacional com lavagem de dinheiro, e o terrorismo, tráfico de drogas, e sonegação de imposto, saiba que muitos bancos internacionais irão vigiar sua conta. E se você tiver movimentação enorme e quantias muito rápidas, você receberá um sinal vermelho.

Criminosos terroristas adoram lavar dinheiro através dos bancos internacionais, passando seus fundos questionáveis pelas contas estrangeiras, muitas delas com portadores anônimos, até que o rastro legal seja pedido. Já os sonegadores de impostos geralmente utilizam os bancos internacionais para abrirem empresas trustes cujo único propósito é o de ocultar dinheiro e eliminar suas relações com o proprietário. Se uma coleta de impostos, tal como a receita federal, não conseguir provar que o dinheiro é seu, ela não pode receber imposto sobre ele. Se essas empresas e trustes não forem instituições lucrativas legitima, você estará fazendo parte de um amparo tributário abusivo. Pelo menos nas leis americanas. A receita federal impõe penalidade muito duras pela participação em amparos tributários abusivos. No acordo oferecido pela receita federa no golpe conhecido como Son of Boss, os participantes pagarão penalidade de até 20% dos impostos não pagos sobre taxas tributárias.

Por tanto tenha cuidado com os bancos estrangeiros que você faz negócios. Para que você não tenha prejuízo



Waldiney Melo

Título: Operações bancárias internacionais

Autor: Waldiney (todos os textos)

Visitas: 14

769 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • paulino macuacua

    01-08-2012 às 08:46:00

    gostei do apontamento acho que a formacao para ser um bancario e muito impotante. gostaria de saber o que faco para ganhar uma bolsa na vossa instituicao para ser um bancario

    ¬ Responder
  • Paulo Cesar MelloPaulo Cesar Mello

    13-06-2010 às 20:22:27

    Olá, Boa Tarde!

    Gostaria de saber quais os impostos e deduções que eu terei para transferir do Banque Solidarité de Côte D'ivoire a importância de U$ 2.500.000,00 de onde sou herdeiro de uma correntista.

    Grato,
    Att. Paulo Cesar Mello
    (21) 9399 1035

    ¬ Responder
  • Jaime SoaresJaime Soares

    12-10-2009 às 15:41:16

    qual o valor das taxas de uso da conta internacional?

    ¬ Responder

Comentários - Operações bancárias internacionais

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios