Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Crédito - a evolução do mercado

Crédito - a evolução do mercado

Categoria: Empresariais
Comentários: 1
Crédito - a evolução do mercado

O crédito está tão banalizado que já há quem nos telefone para nos sugerir um determinado cartão. Para combater essa inundação – própria da evolução do mercado de capitais e do seu motor de movimentação – o mercado de valores usa diversas estratégias, nas quais se inserem as de marketing. Estas aproveitam a junção de vários instrumentos, associando variadas ofertas à aquisição e ao uso de um determinado Cartão de Crédito (CC), tornando-o apelativo, aliciante e, nalgumas situações, efectivamente vantajoso, sendo esta última qualidade delimitada por parâmetros bem definidos (normalmente sob a forma de letrinhas pequeninas), que permitem reduzir o risco associado a qualquer engrenagem de criação de lucro.

Uma das maiores vantagens do CC para as instituições bancárias é o facto de ser um produto que potencia o negócio. Primeiro porque ao valorizar o capital representa um ponto de aumento de receitas e de seguida porque, paralelamente, promove uma reunião e acumulação de serviços, que a curto ou longo prazo acrescem mais valias para a vida (crescimento e amadurecimento) da empresa bancária.

Apesar de todos os produtos fornecidos pelo banco gerarem de certo modo mais-valias para o seu crescimento é no jogo do crédito que ele vai buscar o lucro para se autoalimentar, pelo que deverá sempre adoptar várias formas de reduzir o risco a ele associado. Como também é um produto que cativa outros produtos e/ou serviços, a sua eficácia é responsável por fomentar o crescimento da carteira de clientes e fidelização dos já existentes. Nesse sentido, há que contrabalançar as medidas de protecção face ao risco (pois qualquer situação de ganho pode reverter-se e dar origem a perdas), com as margens de credibilidade afiançadas, de forma a construir uma relação de confiança com o cliente.

Outra das vantagens deste produto é permitir um acompanhamento dos passos da concorrência, favorecendo a construção do lugar pretendido no mercado. Neste ponto, a atenção centra-se sobretudo nos benefícios por ela oferecidos (de modo a encontrar uma forma de igualar ou superar esses benefícios, para os diversos públicos-alvo ou segmentos de mercado existentes, potenciais e/ou desejáveis). Este factor está intimamente ligado com a versatilidade necessária para o ajuste ao perfil do cliente, tornando o produto e respectiva empresa associada capazes de competir com segurança com vista ao aumento do volume de negócios.

De uma forma geral, o CC será tanto mais vantajoso para um banco quanto: melhor corresponder ao perfil do cliente ao qual se destina; mais versátil for (até como forma de melhor preencher o requisito anterior); mais benefícios trouxer aos serviços a si associados; e mais verídico for o Reflexo da sua Imagem propagada no mercado.



Carla Santos

Título: Crédito - a evolução do mercado

Autor: Carla Santos (todos os textos)

Visitas: 0

619 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    11-07-2014 às 00:57:06

    Os créditos evoluíram muito bem como as facilidades hoje em dia. Porém, os juros estão altíssimos e exorbitantes. Não vale a pena mesmo adquiri-lo.

    ¬ Responder

Comentários - Crédito - a evolução do mercado

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios