Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Aceite os desafios!

Aceite os desafios!

Categoria: Empresariais
Comentários: 1
Aceite os desafios!

Hoje em dia fala-se muito em design, renovação e novas linhas para conservar a vitalidade das empresas. Não admira. A envolvente macroeconómica está marcada por um clima de incerteza e insegurança. Há que repensar estratégias, bem como a forma como se aborda o mercado. Sendo este crescentemente concorrencial e competitivo, é preciso diversificar, mormente inovar, desempenhando o design um papel decisivo na inovação.

A elevada competitividade num mercado aberto e global obriga a uma constante actualização de conceitos, técnicas e segmentos-alvo. A globalização tem a virtude de encurtar distâncias, mas acarreta sérios problemas ao nível dos mercados, o que torna imperiosa a ampliação de iniciativas que constituam mais-valias e sejam factor de competitividade. A modernização tecnológica e o aumento da capacidade instalada são, em muitos casos, as premissas básicas. O investimento na qualidade, na formação e na flexibilização da estrutura produtiva apresentam-se como essenciais. Os trabalhadores devem ser vistos como verdadeiros e principais aliados nesta luta diária. Por outro lado, e sobretudo em determinados ramos de negócio, o desenvolvimento do conceito “marca” afigura-se como uma das soluções para escapar à pressão sobre os preços originada pela concorrência asiática.

Em alguns casos, será de grande proficuidade estabelecer protocolos comerciais com organizações de outros sectores para a realização de projectos de média e grande dimensão. A focalização no cliente, com simplificação dos processos de distribuição e logística permitirá optimizar a cadeia de valor, transferindo essas vantagens para os parceiros de mercancia.

Paralelamente, há que aferir se as pessoas têm realmente hábitos de consumo assim tão definidos. A diversificação do mix de produtos, numa perspectiva de renovar e inovar, costuma apresentar óptimos resultados. O segredo está em preencher as expectativas de cada leque de clientes, componentes de uma carteira que se pretende o mais alargada possível. Por exemplo, no que respeita ao segmento alto, a aposta vai no sentido da valorização dos elementos diferenciadores relativos ao design e aos materiais aplicados. Em segmentos mais baixos, procura-se combinar economia e funcionalismo. O objectivo é permanecer em constante mudança e surpreender até o cliente mais exigente.

Há que cimentar a posição alcançada nos mercados já conquistados e procurar outros, tendo em conta que as economias emergentes podem constituir grandes oportunidades de negócio. Pode ser necessário recorrer a fusões e aquisições para aumentar a massa crítica. De tudo, o principal é ver no comprador individual uma possibilidade comercial e saber concretizá-la, propondo a solução mais apropriada. Isto sim, é o desafio quotidiano de qualquer estrutura mercantil.



Maria Bijóias

Título: Aceite os desafios!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

610 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Kizua UriasKizua

    11-07-2014 às 18:06:13

    Gosto de desafios. Quando tenho uma meta na minha frente, faço de tudo para alcançá-la e quando uma acaba, quero logo outra. Acho que isso que faz a vida valer os minutos que se seguem. Desafie-se! Vá atrás de outros horizontes, você só tem a ganhar!

    ¬ Responder

Comentários - Aceite os desafios!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios