Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Aprenda a lidar com o desemprego

Aprenda a lidar com o desemprego

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Empresariais
Visitas: 2
Comentários: 2
Aprenda a lidar com o desemprego

Em tempos de crise ou não, por vezes nos deparamos com a triste realidade do desemprego. São muitos os fatores que levam a ele, mas a única postura do trabalhador em relação a essa situação é não se deixar abater a buscar outras alternativas de sobrevivência. No mundo atual a criatividade tem gerado muitos outros tipos de empregos alternativos para garantir a renda no final do mês.

Algumas pessoas, empreendedoras por natureza, conseguem transformar momentos desesperados como este de não se obter emprego em grandes oportunidades de negócios. São inúmeros os casos de pessoas que sobreviverem as suas crises pessoais e familiares, ocasionadas pela falta de trabalho, canalizando suas ideias para grandes negócios. Fizeram das dificuldades as molas propulsoras do sucesso de seus pequenos empreendimentos.

As oportunidades raramente batem a nossa porta, nós é que devemos atraí-las com nosso potencial e desejo de vencer. Todos temos habilidades, algumas até desconhecidas, mas que quando a necessidade impera, elas aparecem e nos ajudam a superar os obstáculos. É necessário buscar em nós mesmos as potencialidades para dar a volta por cima e vencer. Se existe algo que eu sempre gostei de fazer, mas nunca tive oportunidade, quem sabe não investir nisso no momento em que não há outra alternativa? Dificilmente, o empreendimento dará errado, porque já começou certo. Começou com vontade e entusiasmo. Ninguém está dizendo que é fácil ou que será muito fácil partir do nada e virar empreendedor, fazendo aquilo que sempre sonhou. Essa é uma realidade de contos de fadas. No mundo real, para se alcançar os objetivos é preciso muito trabalho e dedicação, especialmente nos casos em que a própria pessoa busca outras alternativas de emprego.

Há vários casos de pessoas que usaram seus gostos pessoais para obter recursos extras. Os exemplos são muitos. Se a pessoa gosta de fazer bons pratos na cozinha e é bastante elogiada por isto, já está aí um potencial de mercado. Ela já tem o dom, já sabe fazer, resta tentar investir nisso como carreira profissional. Há muitos casos em que as pessoas iniciaram dedicando-se a gastronomia, vendendo a princípio para os amigos, depois para os amigos dos amigos e assim por diante, ampliando as redes de contato e vendas. Adquirindo clientes fixos e, em muitos casos, até conseguiram, com perseverança, abrirem seus próprios negócios no ramo alimentício. Por que não?

Para quem tem habilidade, criatividade e paciência, um ótimo recurso é se dedicar ao artesanato. Os trabalhos manuais, apesar de toda a industrialização, não perderam espaço no gosto popular. Os artesãos continuam criando e muitos vivem somente da sua arte. É bem possível seguir esse caminho, aprendendo as técnicas e inovando. Essa é a grande vantagem de quem trabalha com arte, é possível estar sempre produzindo peças únicas, desenvolvendo a utilização de materiais novos. Dependendo do trabalho, o custo é baixo e o produto valorizado, contribuindo para uma renda mensal bastante significativa. Há também a oportunidade de se participar de feiras de artesanato e ampliar os contatos. Em muitos casos, dessas feiras surgiram contratos até internacionais. Se o produto é bom, bonito e diferente, com certeza ele será valorizado e apreciado, conquistando o mercado.

São inúmeras as possibilidades, para os já graduados, existe a oportunidade de trabalhar com aulas particulares, dentro da sua área, auxiliando pessoas com dificuldades na aprendizagem ou que não estão apresentando um bom rendimento escolar ou acadêmico. Para aqueles que dominam a informática, ministrar aulas privadas de manuseio do computador ou formar grupos de estudos é uma ótima oportunidade de emprego informal.

O grande diferencial para se vencer as crises é buscar a inovação. Procurar fazer algo diferente, conquistar o seu espaço, acreditar no seu potencial. Quem acredita em si mesmo, segue adiante e vence. Por mais obstáculos que aparecem, o reconhecimento chega para aqueles que vão em busca das oportunidades. Num momento de falta de emprego formal o que resta é buscar em si mesmo alternativas para driblar a crise e não apenas sobreviver, mas viver bem. Basta prestar atenção no mercado, nas suas potencialidades e usar isso em benefício próprio.


Rosana Fernandes

Título: Aprenda a lidar com o desemprego

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 2

763 

Imagem por: KellyB.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoToni

    22-01-2015 às 23:28:34

    É muito difícil não ter uma renda mensal, eu já estive desempregado outras vezes, mas, dessa vez, tem sido barra suportar.
    Eu li seu artigo. Espero conseguir suportar. Valeu!

    ¬ Responder
  • Rafaela CoronelRafaela

    10-07-2014 às 23:31:30

    Uma fase bem importante para criar novas maneiras de mudar o pensamento, estudar, correr atrás dos sonhos e ver como é possível melhorar no campo profissional.

    ¬ Responder

Comentários - Aprenda a lidar com o desemprego

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Imagem por: KellyB.

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios