Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Empresariais > Fui Despedido – E agora?

Fui Despedido – E agora?

Categoria: Empresariais
Comentários: 1
Fui Despedido – E agora?

A crise mundial instalou-se, aliás, entranhou-se. Como o mundo é feito de países e estes de pessoas, o comum cidadão é sem sombra de dúvidas o mais afectado. O aumento dos meios de subsistência tal como os alimentos básicos, os transportes, e as taxas de juro, são um pequeno exemplo do que pode alterar o bem-estar de qualquer um de nós.

Se os aumentos dos preços nos fazem perder o poder de compra e consequentemente um melhor estilo de vida, existe um outro factor que nos pode levar a uma ruína a níveis financeiros e psicológicos. Ficar desempregado.

A palavra é assustadora e ganhámos já o hábito de o ouvir permanentemente a qualquer início de telejornal. O desemprego tem aumentado nos últimos tempos e face à instabilidade económica que se vislumbra em qualquer lugar, não existe a chamada luz ao fundo do túnel.

A melancolia atinge-nos quando conhecemos alguém que se encontra no desemprego e que caminha para as instituições de direito, afim de poder voltar ao ritmo profissional a que estava habituado.

Mas e quando a situação de desemprego nos calha a nós? O nosso despedimento, o nosso desemprego, o nosso sufoco, a nossa mágoa, o nosso sentimento de desamparo.

A situação é a nossa e só nos resta perguntar – E agora?

Bem, para começar, não se sinta perdido. Não poderá achar que está perante uma catástrofe. Uma doença complicada é um tormento, uma situação de desemprego não poderá ser. Não perca o desânimo.

Com o despedimento (extinção do posto de trabalho ou despedimento colectivo que são os mais comuns) o trabalhador tem direito a pelo menos uma comunicação da entidade empregadora, tal como a chamada carta para o fundo de desemprego. Esta carta diz respeito a um impresso que pode ser impresso através do site da Segurança Social, e posteriormente assinada e carimbada pela entidade patronal.

Com esta carta dirija-se ao Centro de Emprego e inscreva-se, mostrando o documento. Peça o direito ao fundo de desemprego que poderá corresponder a uma percentagem do valor do seu ordenado.

De seguida, verifique os anúncios que se encontram no centro de emprego, quer os escritos, quer os que lá estão on-line. Aproveite e verifique se existem cursos ou formações subsidiadas pelo estado que possa frequentar.

Entretanto, procure no jornal e em sites de anúncios na internet.

Envie o seu curriculum com uma pequena carta de apresentação. A insistência e a procura constante vão abrir-lhe portas. Vá a entrevistas e tente. Nunca e de forma alguma desista nem se deprima. Vai ver que existem portas que se vão abrir.


Carla Horta

Título: Fui Despedido – E agora?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

768 

Imagem por: dmangust

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    10-07-2014 às 23:21:58

    Sempre muito difícil no início, mas depois de se recompor é melhor levantar a cabeça e seguir em frente. Tentar pensar em como melhorar como pessoa e como profissional. Já aconteceu comigo e é bem chato mesmo, mas depois passa!

    ¬ Responder

Comentários - Fui Despedido – E agora?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: dmangust

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios