Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > O Hobbit – Uma jornada inesperada.

O Hobbit – Uma jornada inesperada.

Categoria: DVD Filmes
Visitas: 4
Comentários: 1
O Hobbit – Uma jornada inesperada.

Olá! A muito tempo que estava pensando em escrever sobre Tolkien e algumas histórias de seu universo. No entanto o fato de que o cara é um gênio e tem fãs (que chegam ao fanatismo) bem radicais, acaba por criar um receio em qualquer um que pense em escrever sobre esse assunto.

Brincadeiras à parte, pois também posso me considerar fã do Mestre.

A ideia de escrever sobre os filmes acabou por ser a mais viável, pois há mais pessoas envolvidas e por isso podemos considerar que se houveram falhas ou problemas podem ser relevados.

Então vamos falar sobre o primeiro filme da Hexalogia de Peter Jackson, mas seguindo a ordem da história e não de produção dos filmes. Mas já fiquem de sobre aviso que viram mais textos sobre os outros filmes.

O filme (e a história) conta o começo dos eventos que envolvem os Hobbits nos grandes acontecimentos da Terra Média.
Uma curiosidade deve ser mencionada: Quando Tolkien escreveu a primeira versão do Hobbit ele não planejava escrever O Senhor dos Anéis, por isso não se dava muita importância ao anel, nem se sabia que era o Um Anel. Tanto que nessa primeira versão o Gollum entrega o Anel de bom grado para o Bilbo por vencer a disputa de charadas, ponto que foi mudado pelo próprio Tolkien quando começou a escrever o Senhor dos Anéis.

Digo isso somente para entendermos que as histórias se modificam com o tempo e isso não é uma coisa necessariamente ruim.

O Hobbit, Bilbo Bolseiro (Martin Freeman), levava uma vida pacata, mas carregava em seu íntimo, um espirito aventureiro que talvez, nem mesmo ele sabia. Por influência de um certo mago Gandalf (Ian McKellen), o pequeno entra para a comitiva de anões liderada por Thorin escudo de Carvalho (Richard Armitage), que busca recuperar o tesouro e a honra de povo, os Anões.

O plot da história (e do filme) é simples e lembra muito uma aventura de RPG, e de fato acabou por delinear o que seriam as aventuras de RPG.

O fato do livro ser dividido em três filmes fez com que muitos pontos que seriam omitidos acabassem sendo bem explorados, mas como veremos nos próximos textos o fato de serem TRÊS filmes gera uma coisa chamada de “encher linguiça” para ganhar mais dinheiro, mas não vamos pensar nisso por enquanto.

Voltando para a história!

A estrutura narrativa segue a Jornada do Herói (se você nunca ouviu falar nisso tem um outro texto meu nesse mesmo site leia lá!), e como vemos no início dessa jornada temos o Chamado e logo em seguida a Recusa. É isso que vemos, pois Bilbo se mostra hesitante à sua participação na aventura. Depois reavalia a situação e parte com toda força.

É logico que na medida em que avança em sua jornada Bilbo enfrenta novos problemas e com isso evolui como personagem.

Para não nos estendermos muito na história, vamos com a comitiva até o enfrentamento com os orcs e os Wargs, outra adaptação que em minha opinião funciona para o primeiro filme é que Peter Jackson se utiliza de um orc como vilão principal para a primeira parte e acaba levando-o consigo pelos três filmes. Não sei dizer se gostei ou não pelo menos não sei se quero dizer, mas entendo que as adaptações são necessárias, pois sou da opinião de que se fosse para ser tudo igual não precisaria filme, ou não precisaria livro. E também que são mídias diferentes que também devem ter suas peculiaridades para que funcionem à sua maneira.

Se tenho que dar um parecer final sobre o filme avalio-o como positivo. Espero que tenha acrescentado alguma coisa, ou não. Continuem lendo os meus textos e compartilhem com os amigos nem que seja para achar ruim(rsrs).


Jhon Erik Voese

Título: O Hobbit – Uma jornada inesperada.

Autor: Jhon Erik Voese (todos os textos)

Visitas: 4

0 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    26-05-2016 às 00:20:44

    Veja também: http://www.ruadireita.com/dvd-filmes/info/mad-max-estrada-da-furia-um-divisor-de-aguas-no-cinema/

    ¬ Responder

Comentários - O Hobbit – Uma jornada inesperada.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios