Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Antiguidades > Antiguidades: o tempo de antena do passado no presente...

Antiguidades: o tempo de antena do passado no presente...

Categoria: Antiguidades
Visitas: 6
Comentários: 1
Antiguidades: o tempo de antena do passado no presente...

Normalmente, as antiguidades são confundidas, ou com tralha, ou com algo muito valioso. Grande parte deste valor, porém, reside no domínio da reminiscência e do sentimento, pelo que é objectivamente subjectivo. Andam a par do coleccionismo e há quem as considere como uma mania. Esta “pancada” começa, regra geral, ainda durante a infância, onde se guardavam cromos, canetas, folhas de carta, porta-chaves, moedas e tantas outras coisas que, à partida, não teriam um destino traçado.
Ainda assim, iam-se amontoando em locais “seguros” e distantes da vista e do alcance da mãe, sobretudo em alturas de arrumações, e dos irmãos mais novos, verdadeiros arautos da destruição e profetas da demolição de sonhos.

Muita gente dá continuidade, pela vida fora, a estes ajuntamentos, como costume ou hobby, não do mesmo tipo de coisas, supostamente, desejavelmente pelo menos, mas de objectos que lhes transmitam, de uma forma ou de outra, e por razões distintas, uma mensagem de paz, amor, harmonia e sabedoria. De facto, as antiguidades possuem o condão de não deixar morrer o passado e de veicular e relembrar recados, expressões, momentos e pessoas especiais, eventualmente falecidas ou geograficamente distantes, mas, em todo o caso, muito importantes. Ajudam ainda a incrementar a gratidão pelos que estão perto e se vão, deste modo, fazendo mais presentes.

As antiguidades funcionam para nós como um baú de recordações, de onde se desfiam memórias que convocam emoções eternas. Mesmo que os seus autores desapareçam das nossas vidas, o seu traço jamais será dissociado daquele corpo inerte, que, de repente, parece ganhar vida e espelhar um olhar, fazer ecoar uma voz tão familiar, emitir um afago no rosto…

Perante uma tal implicação dos afectos, o que interessam as pratas, a arte sacra, as porcelanas, os móveis de estilo e tantas bugigangas que não nos dizem absolutamente nada?

O culto pelas antiguidades é visto por alguns numa perspectiva de arquivamento do seu valor patrimonial, para além do indiscutível prisma decorativo.

Porém, os gostos e as circunstâncias vão mudando e o que constituía uma antiguidade a ser usada no âmbito da decoração e do lar, passou a integrar investimento especulativo.

Paralelamente, a própria noção de antiguidade vai sofrendo a erosão dos tempos, e varia de acordo com os prefixos intrínsecos de cada geração. Todavia, por mais metamorfoses que sofra, a velhice, seja do que for, traz sempre agregada uma história, lembra um lugar, marca uma época, comporta um ensinamento. Afinal, trata-se de viver o suficiente para ter a casa cheia de antiguidades e para não poder passar sem elas!



Maria Bijóias

Título: Antiguidades: o tempo de antena do passado no presente...

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 6

781 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • bilubilu

    14-03-2010 às 13:09:21

    tinha que ter sobre o tempo na antiguidade eu to tentando fazer umas pesquisa mas não acho nada bah vcs tinham que ter um pouco mais de consideração né!

    ¬ Responder

Comentários - Antiguidades: o tempo de antena do passado no presente...

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Raio Mata Três Pessoas No Brasil

Ler próximo texto...

Tema: Segurança
Raio Mata Três Pessoas No Brasil\"Rua
No dia 07 de novembro de 2014, três pessoas acabaram morrendo em decorrência de raios após as vítimas serem socorridas, mesmo depois de bastante tempo tentando reanimá-las.

Os três homens deram entrada no hospital com parada cardiorrespiratória e com muitas queimaduras. Esse incidente aconteceu na zona leste de São Paulo, as vitimas trabalhavam com ferro velho.

O Brasil é o país onde os raios estão mais presentes no mundo. São mais de 50 milhões de raios por ano. Esses raios atingem mais pessoas na zona rural, porém nas áreas urbanas ocorrem também só que com menos frequência.

Há pessoas que falam que raios não ocorrem duas vezes no mesmo lugar, mas isso é improvável, eles ocorrem sim! Tanto que nos últimos séculos, as tempestades aumentaram 90% por causa do aquecimento do planeta devido ao asfalto, que é uma das formas de poluição.

Alguns cuidados, nesses momentos, são importantes como: não ficar em área aberta, não usar o telefone e se vir uma tempestade, então permaneça no carro.

Os raios ocorrem no Brasil porque é um país tropical e de muito calor, por isso está em primeiro lugar em queda de raios. Nesse mesmo ano de 2014, um rapaz morreu usando o computador. Ele recebeu a eletricidade no momento em que o raio caiu na antena.

O estado de São Paulo lidera em quedas de raios. Um raio dura em média 1 segundo, e a queda de raios acontece por uma descarga elétrica que produz nuvens de chuva. Os relâmpagos ocorrem entre as nuvens e os raios pelo solo.

Algumas regiões tem tendência de cair mais raios, a descarga é visível a olho nu e é um fenômeno que produz um clarão. As mortes mais frequente são nas áreas urbanas, por isso não é seguro se proteger em baixo de árvores.

Pesquisar mais textos:

Gislene Santos Sousa

Título:Raio Mata Três Pessoas No Brasil

Autor:Gislene Santos Sousa(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios