Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Antiguidades > Quando um objecto se torna uma antiguidade

Quando um objecto se torna uma antiguidade

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Antiguidades
Visitas: 17
Quando um objecto se torna uma antiguidade

Nos Estados Unidos, com aliás noutros sítios, as antiguidades são avaliadas de distintas maneiras. No entender de uns, uma antiguidade consubstancia, tão-somente, algo que existe há mais de cem anos. Para outros, porém, este conceito apenas abrange peças fabricadas no máximo até ao ano 1700. Na Europa, muitos antiquários exibem, por exemplo, móveis com 400 ou 500 anos.

Efetivamente, a noção de antiguidade varia de acordo com diversos parâmetros e áreas de conhecimento e interesse. Não obstante, o valor de uma antiguidade contempla alguns padrões fixos, como a qualidade intrínseca do objeto e a sua raridade, o estado de conservação e restauro, a época a que pertence, a procedência, a marca, a matéria-prima utilizada e a sua valia decorativa. Ainda assim, as virtudes reconhecidas podem ser mais ou menos relativizadas pelas leis do mercado. Em acréscimo, os fatores comerciais resultarão numa avaliação muito diferente de outra de cariz mais sentimental, estimativo. Nesta perspetiva, uma peça modesta é suscetível de valer uma soma mensurável, enquanto que a um artigo raro e caro (do ponto de vista comercial) podem ser atribuídos preços baixíssimos.

Existem várias maneiras de identificar uma antiguidade. Tratando-se de mobílias, há que reparar nos encaixes (que, sendo feitos à mão, indicam que a peça terá data anterior a 1860), na simetria (no fabrico manual, as travessas, as ripas, os bilros e outros componentes de pequeno diâmetro não são uniformes), no tipo de madeira (móveis do século XVIII são, usualmente, de carvalho), nos acabamentos e noutros aspetos característicos.

Regra geral, os amantes de antiguidades são pessoas viajadas, com uma cultura acima da média, que integram as classes alta e média-alta (embora não seja taxativo), sendo que a maioria sabe exatamente aquilo que quer e consulta assessores especializados, técnicos ou colecionadores de confiança antes da compra, no sentido de reunir toda a informação possível. Adquirem antiguidades pelo prazer de terem em seu poder peças únicas, fragmentos vivos da História, relíquias assaz cobiçadas que ultrapassaram séculos ou, simplesmente, porque pretendem realizar um bom investimento.

Um filme, um livro, uma peça de teatro ou de roupa, uma pessoa célebre com interesse nesta área, viagens a certos países (com consequente apreensão da respetiva cultura), uma exposição, etcétera, são passíveis de despertar um desejo de procurar objetos de um determinado estilo ou período histórico.

Os objetos mais procurados são aqueles que evocam a fusão de culturas: peças indo-portuguesas, luso-japonesas, americanas de influência inglesa, … Os artigos de culto, artefactos de mobiliário e pintura, assim como obras com acentuada presença decorativa (casos das escultura budista e hindu) estão também nos lugares cimeiros da demanda.

A tendência actual é para comprar melhor e em menor quantidade, até porque se muda mais frequentemente de casa. Então, as peças de valor médio já quase não se comercializam, ao passo que as de nível superior se compram cada vez mais, mormente as de pequeno porte. É o que se poderia apelidar de “antiguidade concentrada”…


Maria Bijóias

Título: Quando um objecto se torna uma antiguidade

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 17

812 

Imagem por: pedrosimoes7

Comentários - Quando um objecto se torna uma antiguidade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: pedrosimoes7

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios