Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Antiguidades > Quando um objecto se torna uma antiguidade

Quando um objecto se torna uma antiguidade

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Antiguidades
Visitas: 17
Quando um objecto se torna uma antiguidade

Nos Estados Unidos, com aliás noutros sítios, as antiguidades são avaliadas de distintas maneiras. No entender de uns, uma antiguidade consubstancia, tão-somente, algo que existe há mais de cem anos. Para outros, porém, este conceito apenas abrange peças fabricadas no máximo até ao ano 1700. Na Europa, muitos antiquários exibem, por exemplo, móveis com 400 ou 500 anos.

Efetivamente, a noção de antiguidade varia de acordo com diversos parâmetros e áreas de conhecimento e interesse. Não obstante, o valor de uma antiguidade contempla alguns padrões fixos, como a qualidade intrínseca do objeto e a sua raridade, o estado de conservação e restauro, a época a que pertence, a procedência, a marca, a matéria-prima utilizada e a sua valia decorativa. Ainda assim, as virtudes reconhecidas podem ser mais ou menos relativizadas pelas leis do mercado. Em acréscimo, os fatores comerciais resultarão numa avaliação muito diferente de outra de cariz mais sentimental, estimativo. Nesta perspetiva, uma peça modesta é suscetível de valer uma soma mensurável, enquanto que a um artigo raro e caro (do ponto de vista comercial) podem ser atribuídos preços baixíssimos.

Existem várias maneiras de identificar uma antiguidade. Tratando-se de mobílias, há que reparar nos encaixes (que, sendo feitos à mão, indicam que a peça terá data anterior a 1860), na simetria (no fabrico manual, as travessas, as ripas, os bilros e outros componentes de pequeno diâmetro não são uniformes), no tipo de madeira (móveis do século XVIII são, usualmente, de carvalho), nos acabamentos e noutros aspetos característicos.

Regra geral, os amantes de antiguidades são pessoas viajadas, com uma cultura acima da média, que integram as classes alta e média-alta (embora não seja taxativo), sendo que a maioria sabe exatamente aquilo que quer e consulta assessores especializados, técnicos ou colecionadores de confiança antes da compra, no sentido de reunir toda a informação possível. Adquirem antiguidades pelo prazer de terem em seu poder peças únicas, fragmentos vivos da História, relíquias assaz cobiçadas que ultrapassaram séculos ou, simplesmente, porque pretendem realizar um bom investimento.

Um filme, um livro, uma peça de teatro ou de roupa, uma pessoa célebre com interesse nesta área, viagens a certos países (com consequente apreensão da respetiva cultura), uma exposição, etcétera, são passíveis de despertar um desejo de procurar objetos de um determinado estilo ou período histórico.

Os objetos mais procurados são aqueles que evocam a fusão de culturas: peças indo-portuguesas, luso-japonesas, americanas de influência inglesa, … Os artigos de culto, artefactos de mobiliário e pintura, assim como obras com acentuada presença decorativa (casos das escultura budista e hindu) estão também nos lugares cimeiros da demanda.

A tendência actual é para comprar melhor e em menor quantidade, até porque se muda mais frequentemente de casa. Então, as peças de valor médio já quase não se comercializam, ao passo que as de nível superior se compram cada vez mais, mormente as de pequeno porte. É o que se poderia apelidar de “antiguidade concentrada”…


Maria Bijóias

Título: Quando um objecto se torna uma antiguidade

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 17

812 

Imagem por: pedrosimoes7

Comentários - Quando um objecto se torna uma antiguidade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: pedrosimoes7

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios