Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Antiguidades > Aprenda a comprar em leilões

Aprenda a comprar em leilões

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Antiguidades
Visitas: 14
Aprenda a comprar em leilões

Um leilão é uma alternativa de compra e venda de tudo e mais alguma coisa: imóveis, carros, joias, brinquedos, móveis, etcétera, quer novos, quer usados, quer em estado de sucata. Também denominados de hasta pública, os leilões constituem a mais antiga forma de negociação conhecida, sendo o leiloeiro a personagem principal. Ele é, de facto, o administrador dos bens em transação, sendo contratado pelos respetivos vendedores, e devidamente habilitado para efetuar leilões.

Fica com o objeto apregoado quem fizer a maior licitação, isto é, a oferta mais alta. O valor do bem é pré-definido através de avaliação, e é a partir dele que o potencial interessado deve lançar ofertas. Nos avisos e editais deverão constar as datas e locais de visitação dos objetos, que permitirá examiná-los antes do leilão. É aconselhável que se avaliem os bens com o auxílio de técnicos especializados, uma vez que eles são vendidos da forma como estão, sem azo a reclamações ou desistências a posteriori.

Para ir a um leilão não é preciso convite. Por necessidade jurídica, ele é aberto a qualquer pessoa, individual ou coletiva. Com o intuito de aprender ou comprar, é útil visitar previamente a exposição.

A indumentária deve estar de acordo com o local, o ambiente, a hora do dia e o tipo de pessoas presentes no leilão. Atrasos à chegada revelam pouca educação e menos interesse, e podem ser aniquiladores de ótimos negócios. Chegar um pouco antes do início e registar-se para fazer licitações ou para receber convites de outros leilões é boa ideia. Atenção às bebidas! Embora grátis, elas costumam sair muitíssimo caras a quem abusa (o álcool potencia o descontrolo) …

As licitações devem ser bastante claras, mas não escandalosas, e restritas às posses reais do comprador (que será responsabilizado civilmente pelo seu comprometimento, que funciona com um contrato) e ao valor da peça. Licitações demasiado diminutas são indicadoras de ignorância ou constituem insultos, assim como cobrir ofertas de outros com um acréscimo de poucos cêntimos.

Também na Internet é possível participar em leilões. Aqui, podem encontrar-se artigos novos ou usados a preços bastante inferiores aos do mercado tradicional. Não ter de sair de casa para comprar algo que pode estar a milhas de distância constitui, sem dúvida, uma grande vantagem, mas é sempre útil entrar em contacto com o vendedor e pedir esclarecimentos e informações detalhadas. Todavia, a confiança é uma questão premente, passível de ser contornada através da escolha de sites que ofereçam algumas garantias acerca dos participantes.

Quem nunca tenha utilizado um site de leilões on-line deve ler o ficheiro de ajuda do site antes de fazer uma licitação. Adicionalmente, é preciso compreender a declaração de privacidade do site e o acordo de utilizador. Por exemplo, há muitos sites que não admitem a anulação de um negócio. Há que verificar a existência de seguros e garantias.

As informações que se conseguirem recolher sobre o vendedor podem revelar-se valiosíssimas. É de desconfiar se um vendedor der um número de telefone errado ou solicitar o envio do pagamento para um apartado. Do mesmo modo, causam suspeição uma encomenda com data de expedição superior a 20 dias após a receção do pagamento e a prática de preços muito inferiores a outros leilões para artigos similares (que podem ser indício de menor qualidade ou de produtos roubados).

Pesquisar acerca do artigo pretendido e comparar preços de peças semelhantes noutros leilões ou em lojas on-line conferem mais segurança e avontade na negociação. Não se podem tocar os objetos antes da compra, mas, depois desta, é só esperar que eles sejam entregues.


Maria Bijóias

Título: Aprenda a comprar em leilões

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 14

807 

Imagem por: unforth

Comentários - Aprenda a comprar em leilões

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Imagem por: unforth

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios