Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Beleza > Dermatoporose

Dermatoporose

Categoria: Beleza
Visitas: 10
Comentários: 5
Dermatoporose

Dermatoporose é uma doença que surge quando a pele não se limita a envelhecer e fica muito frágil.

O nome desta patologia foi atribuido por uma equipa do atual Presidente da liga Mundial de Dermatologia, J.H.Saurat, em 2007, na suiça. Até esta data era pouco conhecida, e o seu nome atribuido a um problema de ossos.

Foi na suiça que os critérios morfológicos e funcionais de insufuiciência cutânea foram estabelecidos, a fim de ser conhecida e tratada, pois o seu problema está mesmo á flor da pele.

A doença distingue-se por ser um síndroma de insuficiência cutânea crónica, que surge como consequência da idade. O seu nome foi criado por analogia com a osteoporose, devido à fragilidade da pele, uma redução da capacidade de amortecer choques provocados por traumatismos ou outros e uma maior dificuldade de cicatrização da pele.

Por conseguinte é uma doença que aparece mais frequentemente a partir dos setenta anos e está cada vez mais generalizada, em virtude do aumento da esperança de vida.

Pode também aparecer como consequência da exposição solar exagerada, em pessoas mais novas. Os locais onde aparece com mais intensidade é nas pernas e nos lados dos antebraços, especialmente em peles muito claras.

Os principais sintomas de alerta são a diminuição de resistência da pele, com hematomas, dificuldade em cicatrizar e erosões fáceis.

Pode ainda apresentar manchas solares e uma pele mais fina, com elevada atriofia.
Quando evolui para casos mais graves pode gerar descolamento cutâneo, esquimoses e púrpura, que poderão necessitar de biópsia.

Para prevenir este problema deve fazer-se a hidratação diária da pele, para melhorar a sua textura e consistência , tornando-a deste modo mais tolerante.

O uso de cremes específicos, com ácido hialurónico, é o mais indicado, uma vez que ajuda a repor a matriz extra celular e captação da água.

Os protetores solares, de índice alto, têm um efeito benéfico e combatem o problema, por protegerem a pele dos raios nocivos do sol.

A alimentação adequada, rica em frutas e legumes, diminui a fragilidade cutânea e contribui para a produção de colagénio e no processo de coagulação.

A vitamina C é um importante contributo para reduzir o risco de hematomas e os outros problemas relacionados com a dermatoporose.

O uso de um creme hidratante é fundamental para atenuar o problema, bem como a exposição ao sol nos períodos de calor. As doenças de pele beneficiam grandemente com estes cuidados, no dia-a-dia.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Dermatoporose

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 10

799 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoTeresa Maria Batista Gil

    30-07-2012 às 12:13:21

    Atualmente hà cada vez mais doenças dermatológicas , em virtude do stress, hábitos alimentares e abuso de sol.Na realidade a moda do bronzeado permitiu que se usasse e abusasse do sol, mais do que é devido.A pele deve ser tratada e mimada todos os dias. Isso significa que devemos dar á nossa pele a atenção que ela merece, diáriamente, para não envelhecer prematuramente ou causar outros incómodos inestéticos.A limpeza diária, hidratação e proteção, são passos importantes para manter a pele do rosto e do corpo em perfeitas condições. O uso de cremes sem agentes agressivos é salutar na saúde da pele.Além dos hidratantes, deve colocar-se na pele do rosto, cremes de proteção com índices altos, pois o sol é o principal causador de vários problemas de pele, especialmente, rugas, secura, acne e bolhas.Se o sol não for controlado e doseado, provoca reações na pele que desembocam em dermatites ou outras imperfeições. O ideal é fazer apenas pequenas exposições, com proteção. Além disso provoca queimaduras.As vezes o efeito nocivo dos raios ultravioleta só é reconhecido mais tarde, quando a pele fica envelhecida com manchas ou cancro de pele. Muita gente repudia este desconhecimento e expôem a pele em demasia ao sol, sem proteção.Nas horas de maior calor é conveniente não se expor a pele ao sol, porque os índices de radiação são mais altos. Logo a pele fica mais danificada, vermelha e sugeita a alterações, como vermelhidão, queimadura ou pequenas borbulhas.Os cuidados de proteção solar devem manter-se todo o ano, mesmo no inverno o frio excessivo, vento e sol, pode também danificar a pele do rosto, se esta não estiver bem protegida.As pessoas de pele muito branca, crianças e idosos devem ter cuidados redobrados com o sol, devido à pele ser mais sensível. Deste modo convêm usar sempre proteção, com um creme solar de índice 30 ou 50.Ter uma pele macia e jovem é o que todos apreciam e querem. Mas para isso é necessário ter cuidado com a alimentação, evitar fritos e gorduras e não abusar do sol ou frio. A sua proteção é extremamente útil, bem como consultar um dermatologista no caso de acne com pus, psoríase, dermatoporose ou pele muito seca e com borbulhas.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRodrigo

    09-07-2012 às 12:01:33

    O meu avo também tem isso e agora?

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoInes

    09-07-2012 às 11:59:08

    A minha avó descobriu que tinha a dermatoporose, que cuidados posso eu ter para a ajudar na doença?

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRicardo

    09-07-2012 às 11:57:53

    Eu fui diagnosticado com essa doença a dermatoporose a semana passada...

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFlavia gomes

    09-07-2012 às 11:52:38

    A minha avo tinha essa doença e pelo desconhecimento da mesma nunca a trataram como deviam, depois quando finalmente obtiverem o diagnostico correcto e que a conseguiram tratar convenientemente!

    ¬ Responder

Comentários - Dermatoporose

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios