Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Antiguidades > Moeda de Nero

Moeda de Nero

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Antiguidades
Visitas: 22
Comentários: 1
Moeda de Nero

Na Roma antiga, e desde os seus primeiros tempos (quando ainda era uma monarquia), havia um templo dedicado ao deus Jano, ou deus da Porta. Era representado com duas caras, uma voltada para o passado, outra para o futuro. O nome do deus estava ligado ao nome do primeiro mês do ano (Januário -> janeiro), e os soldados que regressavam das campanhas militares tinham de passar pelo templo do deus, antes de poderem entrar em Roma, de modo a se purificarem de todos os excessos cometidos nas batalhas. Assim, enquanto Roma estivesse envolvida nalgum conflito, as portas do templo tinham de permanecer abertas.

Já em época imperial, parece que este templo só teve as suas portas fechadas em três ocasiões, significando que, apenas em três momentos da sua longa história, Roma conseguiu ter paz em toda a extensão dos seus domínios.

Quem se dedica a estudos ligados à história da humanidade, com o tempo, acaba por perceber que o homem é o mesmo em todas as épocas, na sua essência. A sua vida é orientada para a satisfação das mesmas necessidades básicas, tais como a alimentação e a continuação da espécie. Para tal, há um outro conjunto de necessidades que, embora possam ver as suas caraterísticas alterarem-se, com a evolução humana, continuam a ser aspetos basilares, onde a satisfação das necessidades mais básicas do homem assenta. Obtenção de matérias-primas, descoberta de formas e técnicas de as trabalhar, conhecimento do ambiente em que está inserido, transmissão de conhecimentos, etc., tudo isto contribui para que os indivíduos se sustentem e criem a sua descendência. Estar em paz é, também, uma destas características desejadas para se viver e se construir uma família, com mais tranquilidade e hipóteses de sucesso.

Voltando ao templo de Roma, é perfeitamente compreensível que o governante que conseguisse mandar fechar as suas portas, por realmente ter alcançado a pacificação do território, gozaria de uma grande simpatia e aceitação por parte das populações, pois a sua ação governativa tinha promovido a paz e o bem-estar dos que habitavam sob o seu domínio. Divulgar essa notícia, esse feito grandioso do alcance da paz, era uma excelente manobra de propaganda política – basta lembrar-se que um dos argumentos que se usa para “desculpabilizar” ou mesmo fazer a apologia da ditadura de Salazar, era o facto de a sua diplomacia nos ter mantido fora da 2ª Guerra mundial.

Curiosamente, um dos imperadores mais controversos da história de Roma, Nero, mais conhecido por mandar incendiar a cidade capital do seu império, foi um dos governantes que teve o privilégio de poder mandar fechar as portas do templo de Jano, mostrando, assim, que Roma e as suas províncias estavam em paz. Para propagar essa feliz notícia, Nero serviu-se habilmente de um instrumento que chegava a toda a parte e que disseminaria o feito por todas as classes sociais. Mandou emitir uma moeda de cobre (vulgo Asse) com a sua efígie no verso e a fachada do templo de Jano com as portas fechadas, no reverso. Assim se percebe que o potencial da utilização da moeda como meio de propaganda política era já conhecido e utilizado.

No acervo numismático do Museu Nacional de Arqueologia, há um exemplar desta moeda de Nero, proveniente do sítio arqueológico de Troia de Setúbal. Deparei-me com ele, enquanto procedia à inventariação de parte do tesouro numismático descoberto nessa estação arqueológica. E ter conhecimento de que o império romano gozou de um período de paz, fosse por quanto tempo fosse, sob o reinado de Nero, foi um dos conhecimentos mais surpreendentes para mim.

Costumo contar esta história para ilustrar o interesse que a numismática tem, pois uma simples moeda pode ser lida e interpretada como um livro inteiro, devido à história ou histórias que pode contar.

Ex Panta Spirito


Paulo c. Alves

Título: Moeda de Nero

Autor: Paulo c. Alves (todos os textos)

Visitas: 22

638 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Rita GravataRita Gravata

    10-09-2012 às 19:52:57

    Muito bem...:)

    ¬ Responder

Comentários - Moeda de Nero

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios