Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Capítulo 2 – Atropelando a sua história.

Capítulo 2 – Atropelando a sua história.

Categoria: Literatura
Capítulo 2 – Atropelando a sua história.

João Pedro já estava na estrada há muito tempo. Sua missão naquele dia era buscar o carro de seu patrão na cidade vizinha à sua.

Falando assim parece um trabalho fácil, mas entre a cidade de João e a cidade onde o carro estava havia uma distância de 200 km de zona rural. Ele dirigiu por algumas horas até que seu celular tocou. Ele sabia que era imprudência atendê-lo em horário de serviço e por isso deixou que ele tocasse.

“Se for alguma coisa importante, ligarão de novo mais tarde” pensou.
O movimento constante de acelerar, diminuir, entrar nas curvas, acelerar novamente, intercalando sempre uma troca de marcha aqui ou ali, já estava completamente mecanizado em João Pedro. Desse modo o que para alguns poderia ser uma grande viagem pelas serras do sul do Brasil, para o pobre motorista era apenas parte de sua rotina, por vezes entediante e repetitiva.

Quando passava por um posto de pedágio seu telefone começou a tocar novamente. Dessa vez, João não o ignorou completamente e entre a entrega do dinheiro para o funcionário do pedágio e o recebimento do cupom fiscal ele olhou rapidamente para a tela do pequeno aparelho tagarela.

“Um numero que não conheço, Hã! Deve ser da cadeia” então guardou o cupom e resolveu deixar o celular no silencioso para que ninguém mais o atormentasse.
O resto de sua viagem seguiu tranquila e serena, se é que se pode dizer isso das estradas brasileiras. O que ele contaria mais tarde para a sua esposa é que: “Não peguei nem um acidente no caminho dessa vez, tinha um engarrafamento ou outro quando tava subindo a última serra, né, mas isso é normal”.

O chefe de João era um Deputado que gostava muito de carros especialmente se eles pudessem ser comprados a preço de banana em leilões no interior do estado e revendidos a preços muitos altos em sua cidade. Este que estava trazendo, tinha sido comprado recentemente num leilão de carros apreendidos da polícia federal.

Até aqui não temos nada de ilegal. Não tem nenhuma lei que proíba que Deputados comprem carros baratos para revender e aumentar seu pequeno patrimônio, mas no caso do padrão de João Pedro, era um meio de lavar dinheiro, pois ele tinha informações privilegiadas com os polícias que organizavam os leilões de quais eram os mais valiosos. Alguns até se infiltravam para dar lances para ele, de modo a impedir que outras pessoas comprassem as raridades apreendidas.

João Pedro, no entanto não sabia de nada disso.
“Não me envolvo com política!” era seu lema.
“É muita gente querendo muita coisa e no fim todos acabam se dando mal!”
Seu trabalho era apenas ir até alguma cidadezinha de ônibus voltar dirigindo um carro de luxo. Pode parecer tentador se você gosta de carros de luxo. Mas, como para João era só um trabalho, era igual a todos os outros trabalhos. Chato, repetitivo e entediante.

O motorista do Deputado já havia entrado na cidade e aproxima de uma zona residencial que precisava atravessar para chegar ao condomínio onde deixaria o novo sedan preto do seu patrão. Já passará das oito horas da noite quando deixara a cidadezinha e agora duas horas depois estava perto de concluir seu trabalho do dia.
Seguiu direto por uma rua que passava por uma escola e que estava aparentemente fazia. Subiu pela rua observando algumas crianças que andavam de bicicleta numa quadra de futebol pública, que estava mal iluminada, mas a criançada nem se importava com isso.
Pode ver que havia luz na escola, mas não pode ver movimento de nenhum aluno ou professor.
Seguiu com o carro tranquilamente sem se preocupar com mais nada.

Chegando ao condomínio cumprimentou o porteiro com um sinal e seguiu para a casa do seu chefe. Usou o controle para abrir a garagem, estacionou o carro e entrou na casa pela porta dos fundos. Cumprimentou umas das empregadas e pediu a ela que lhe trouxesse um copo com água.
Deixou as chaves no porta chaves e pegou seu celular para avisar ao patrão que tudo tinha dado certo e que o carro estava entregue.
Foi só então que percebeu que havia um número muito grande de chamadas não atendidas. Algumas eram do numero estranho que vira quando passou pelo pedágio, outras do número pessoal do seu filho.

Ficou um pouco assustado e resolver ligar para o filho antes mesmo de ligar para o patrão.
O telefone tocou, tocou e ninguém atendeu.
Resolveu ligar então para o número desconhecido e um jovem rapaz atendeu.
“Alô, quem está falando?”
“Aqui é o J.P., você me ligou mais cedo, quem é?”
“O senhor é pai de Eduardo Marques?”
“Sou, sim, está o que tem o meu filho?”
“Éh, eu preciso que o senhor se acalme, mas eu e o seu filho nos envolvemos em um acidente. Éh, eu perdi o controle do meu carro e atropelei o seu filho.”
Continua...


Jhon Erik Voese

Título: Capítulo 2 – Atropelando a sua história.

Autor: Jhon Erik Voese (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Capítulo 2 – Atropelando a sua história.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios