Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Poesia é o tema, não tema

Poesia é o tema, não tema

Categoria: Literatura
Poesia é o tema, não tema

Existem verdades que precisam ser ditas, então, antes de falar sobre poesia, preciso confessar que em meus tempos de estudante, fazia parte daquele time que considerava a poesia como uma tremenda "babaquice", própria de quem só tinha tempo a perder. Só abria livros de poesias quando era obrigado, devido trabalhos escolares.


Principalmente aquele tal de Olavo Bilac... Quantas vezes xinguei o infeliz. Sempre foi complicado analisar suas obras, e tive um professor que era tiete declarado do "Príncipe dos Poetas", e fazia questão de frisar textualmente que deveríamos saber ler, analisar e entender uma poesia. E até que não me saia mal nessas análises, mas nem por isso gostava da coisa. Definitivamente não gostava de poesia, pois só gostava de livros de ação, recheados de aventuras. Sempre fui leitor ávido de tudo que me caia ás mãos (menos poesias...).Isso até começar a "brincar" com a Internet, e começar a ver as poesias que flutuam na telinha.
Depois que comecei a ler as poesias que me eram enviadas por amigos da Internet, comecei a aprender a ver a beleza que se entende e, principalmente aquela que se subentende.


Dou a mão à palmatória para o velho Prof. Pina, pois, conforme ele dizia, deve-se ler uma poesia com os olhos, senti-la com o coração, e imaginá-la com o cérebro, procurando interpretar o que realmente vai na alma do artista. Exige um pouco de sensibilidade, pois numa poesia o poeta coloca o que lhe vai na alma, e nem sempre as palavras conseguem exprimir todo o sentimento de um espírito poetal.


Pode-se considerar que nem sempre as poesias mostram a realidade da vida. Fantasia-se muito. Ama-se muito. Mas também já temos poesias falando de certas realidades, mostrando a crueza da vida, de uma maneira mais leve do que o noticiário. Uma realidade sub-reptícia, sem chegar no fundo do poço.


Sempre será mais agradável ler uma poesia, do que o noticiário policial, ou mesmo do que o noticiário mundial. Convenhamos que há muita violência nesse mundo real. Precisamos saber que ela existe, pois precisamos tentar nos preservar disso tudo, tomando certos cuidados, que nem sempre dão certo, mas precisamos também sonhar um pouco. Precisamos fugir do que parece estar tomando conta do mundo.

Pode-se dizer que é a realidade da vida. Deem-me o direito de não gostar dessa realidade. Convenhamos que não devemos fechar os olhos para o que acontece. Certo. Apresentem-me os fatos, poupando-me dos detalhes. Aprendi a ler os jornais "em diagonal". Você sabe de tudo, e não entra no mérito da questão.


Existe o noticiário político, que é mais sórdido ainda. O nível de corrupção causa revolta em todos. Então, vamos apenas conhecer a ação deles, para chegar à conclusão de que nenhum merece nosso voto, e fazer um protesto mudo, mostrando uma tomada de consciência, e que nas próximas eleições, ninguém deve se abster de comparecer. Contudo, ao invés de votar neste ou naquele corrupto (já está provado que todos são), simplesmente todos os eleitores, sem exceção anulassem o voto. Seria a melhor resposta que poderíamos dar a essa gente que faz pouco de nossa inteligência. Algo teria que ser repensado, pois ninguém seria eleito. É utopia pura pensar nessa possibilidade, mas que seria lindo, seria. Um protesto limpo, sem violência, sem baderna, apenas O PROTESTO.


Face ao exposto, convenhamos que é muito mais agradável ler poesias, poemas e contos escritos por pessoas que estão colocando sua alma no que escrevem, do que acompanhar todo esse mar de lama. Basta saber que existe e é real. Não podemos ficar alienados. E nem atolados na lama.
Nossos heróis e heroínas abrem o coração, colocando na telinha lindas mensagens de amor e otimismo e é isso, queridos amigos e amigas, que deve reger nossa vida.
O importante é termos bons pensamentos, e expressá-los sem nos preocupar com quem vai ou não gostar. Sempre haverá quem goste, e quem não goste. Existe "paladar" para todos os tipos de literatura.


Se a realidade está feia, vamos ficcionar um pouco. Não podemos fechar os olhos para o mundo, mas vamos saber também abri-los para a fantasia, que sempre dá um colorido especial para tudo.
Quero deixar aqui um agradecimento a todos esses artistas que estão colaborando, e muito para aliviar as tensões do dia a dia com seus trabalhos magníficos, que passeiam por esta Internet que, infelizmente tem seu "outro lado" também. Mas falemos apenas da beleza da alma das crianças (todo artista é uma criança), que é bonita...é bonita...é bonita.


Wanderson Ramos Duarte

Título: Poesia é o tema, não tema

Autor: Wanderson Ramos Duarte (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Poesia é o tema, não tema

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios