Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Resenha: "Garotas de vidro" (Laurie Halse Anderson)

Resenha: "Garotas de vidro" (Laurie Halse Anderson)

Categoria: Literatura
Resenha: "Garotas de vidro" (Laurie Halse Anderson)

Oi pessoas, tudo bem? Espero que sim. Bem por onde começar ... Acredito que "Garotas de Vidro" é um daqueles livros que ou a pessoa ama, ou odeia. Primeiro, por que ele é pesadíssimo. Segundo, por que é narrado em primeira pessoa por uma personagem em vias de fragmentação mental e com um olhar extremamente distorcido da realidade. Mas vamos a estória.

Lia é uma adolescente de 18 anos que mora com o pai e a madrasta e sua meia irmã. O pai é um brilhante professor e escritor. A mãe, uma cirurgiã extremamente competente. Ambos são excelentes em sua carreira, mas como pais acabam não conseguindo ver que Lia precisa de ajuda até que esta sofre um acidente de carro. O motivo? Lia não come. Sua maior obsessão é perder peso. E perder mais. E mais.
- Garota morta passando - os garotos dizem nos corredores.
- Conta para a gente o seu segredo - as garotas sussurram, de um banheiro para o outro.
Eu sou essa garota.
Eu sou o espaço entre as minhas coxas, com a luz do dia brilhando por ali.
Eu sou a ajudante da biblioteca que se esconde na sessão de Fantasia.
Eu sou o circo de aberrações envolto em cera de abelha.
Eu sou os ossos que elas querem, em uma moldura de porcelana.

Lia já passou por duas internações e agora tem seu peso monitorado uma vez por semana por sua madrasta, mas conseguiu adulterar a balança de sua casa para parecer pesar quase 5 quilos mais. Sua recuperação vinha sendo lenta mas progressiva, mas um acontecimento vem fazer com que seu mundo se desestabilize novamente: sua melhor amiga, Cassie, morreu no banheiro de um motel após tentar ligar para Lia 33 vezes. Uma aposta há muito feita entre as duas? Um dia ser a mais magra.

Abro os olhos. Quarenta e cinco quilos. Estou oficialmente de pé sobre o Objetivo Número Um.
Se meus médicos soubessem, me jogariam de volta para o tratamento. Haveria consequências e repercussões porque (mais uma vez) eu quebrei as regras da Lia do tamanho perfeito. Tenho que ficar tão gorda quanto eles querem (...) O Objetivo número dois é 43 quilos, o ponto perfeito do equilíbrio. Com 43 quilos vou ser pura ... vou ficar de pé nas pontas escondidas das minhas sapatilhas de cetim de balé. fitas cor-de-rosa costuradas nas minhas canelas, e me erguer no ar: mágica.

Com 40 quilos, vou planar. Esse é o objetivo número 3.
Por mais que não seja dito de forma explícita, é visível como o fato de não ter atendido a ligação de sua melhor amiga - na verdade, ex melhor amiga, o que se descobre melhor no desenrolar da trama - afeta Lia, que passa a ter alucinações com a amiga morta. A partir de então, Lia volta a ter comportamentos auto-destrutivos, retomando um blog em que escrevia junto com Cassie - que sofria de Bulimia - além da dieta, exercícios em ritmo frenético e auto-mutilação para poder lidar com os acontecimentos.
Antigamente, meu corpo todo era minha tela - cortes quentes lambendo minhas costelas, degraus de escada escalando meus braços ... quando me mudei meu pai impôs somente uma condição. Uma filha que se esquece de comer, isso era só uma fase e eu já tinha superado. Mas uma filha que abre seu próprio invólucro de pele, querendo deixar sua casca cair no chão para que ela consiga dançar? Aquilo era doentio. Sem cortes, Lia Marrigan Overbrook. (...) Toda a maldade ferve sob a minha pele, bolhas latejantes de refrigerante de gengibre ... Eu escrevo três linhas, "rec rec rec", na minha pele. Fantasmas gotejam para fora.

Até onde Lia poderá aguentar sem ajuda? E o que era mesmo que Cassie gostaria de ter dito antes de morrer?

Li todo o livro em apenas um dia. Por mais que tenha sido uma leitura pesada e, em alguma passagens, um tanto quanto angustiante, não consegui tirar os olhos das páginas. Por mais que algumas vezes o discurso de Lia seja francamente delirante, acompanhar seus pontos de vista distorcidos, sua visão adulterada da realidade e sua contradição interna entre vontade de comer/medo de se contaminar é fascinante.

Fora isso, a escrita impecável de Laurie Halse Anderson, bem como a profundidade com que esta aborda um tema tão polêmico e complexo dos distúrbios alimentares, me conquistaram por completo. É um livro que com certeza entrará para minha lista de favoritos. Recomendo.


Sheila Schildt

Título: Resenha: "Garotas de vidro" (Laurie Halse Anderson)

Autor: Sheila Schildt (todos os textos)

Visitas: 0

276 

Comentários - Resenha: "Garotas de vidro" (Laurie Halse Anderson)

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios