Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > No Teu Deserto – um quase romance

No Teu Deserto – um quase romance

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 2
Comentários: 1
No Teu Deserto – um quase romance

Miguel de Sousa Tavares, jornalista e um dos escritores mais vendidos em Portugal na atualidade, classifica o seu último livro «No Teu Deserto» como um quase romance. Alicerçado em acontecimentos autênticos vivenciados por ele próprio, este livro denota o cuidado do autor nas “cores” impressas à narrativa pautada por momentos certos que tem como cenário o deserto do Sahara. As palavras utilizadas e a forma de relato das diversas ocorrências transportam o leitor para o misticismo omnipresente na vida e na visita a estes lugares. Com efeito, há experiências que não se repetem…

Reimpressa em 2009, esta obra de 128 páginas editada pela Oficina do Livro, patenteia uma descrição pessoal do amor que é, simultaneamente, o relato de uma viagem de jipe de fabrico português no final dos anos 80 do século xx.

Pode acontecer, sobretudo a quem leu os grandes sucessos de Miguel de Sousa Tavares «Equador» e «Rio das Flores», ficar desiludido(a) com «No Teu Deserto». Efetivamente, é possível que aparente descuro na escrita, banalização da história, promoção de estereótipos da figura e da natureza femininas da protagonista.

Ainda assim, trata-se de um livro capaz de fazer mergulhar nele, sentir o pó, a areia, a dor, a alegria e as vicissitudes de uma tal viagem como estando a participar realmente na história e é isso que distingue um bom romance. Até o medo é capaz de assolar quem viaja por estas páginas!

E como há viagens sem regresso, «No Teu Deserto» pretende ser, talvez, um tributo a uma dessas viagens, em que, não obstante a existência de um grupo de pessoas integrando uma caravana de jipes, apenas se faz menção a duas almas que protagonizam uma peculiar história de amor, nada semelhante ao comum das sagas deste tema, provavelmente porque o próprio casal não se daria muito conta da presença dos companheiros de jornada, absorto que se encontrava dentro de si e das sensações que estava a experimentar.

Este livro, não constituindo uma compilação de cartas (ainda bem que em 1987 ainda se escreviam cartas... De outra maneira, com e-mails ou SMS apagados não se reescreveriam com a mesma exatidão e qualidade epístolas tão íntimas!), acaba por ser uma sucessão de correspondência entre duas pessoas que partilharam uma relação única. Escrever cartas foi a forma achada para dizer tudo o que não foi dito numa viagem de 40 dias a um deserto então pouco explorado.

Quiçá por não ser necessário separar a voz do autor da do narrador, verifica-se uma simplicidade tão grande, que mais parece um discurso falado. Ainda assim, há uma certa fuga da profundidade em excertos que bem poderiam dar conta de sentimentos pungentes.
«No Teu Deserto» é, basicamente, um livro de homenagem a Cláudia, entretanto falecida, uma carta de despedida, um agradecimento.


Maria Bijóias

Título: No Teu Deserto – um quase romance

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

761 

Imagem por: alessandro63

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    12-09-2012 às 20:34:40

    eu li este livro e é no mínimo fantástico. adoro. está com toda a certeza na lista dos meus livros predilectos pela simplicidade que é contada uma bela história de amor. acho o miguel sousa tavares um óptimo escritor. já li outro livro dele que também adorei: o rio das flores. este último já é um romance e que romance fantástico. com uma história de encontros, de viagens, de amor muito bonita.

    ¬ Responder

Comentários - No Teu Deserto – um quase romance

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: alessandro63

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios