Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Christina Lauren – Um Cretino Irresistível

Christina Lauren – Um Cretino Irresistível

Categoria: Literatura
Christina Lauren – Um Cretino Irresistível

Chole Miles é uma estagiária que trabalha há seis anos na Ryan Media Group , está prestes a cursar seu MIBA e sua vida vai muito bem até que o filho do chefe Bennet Ryan, 31 anos, bonito e bem sucedido, resolve voltar ao país e assumir função de chefe num departamento da empresa. Desde então a vida de Chloe vira um inferno. Ele é autoritário, inflexível, e super exigente e parece que não mede esforços para Chloe se sentir um verdadeiro nada e ela resolve o apelidar de o Cretino Irresistível.

Se passam nove meses de “tortura”, mas a figura muda quando Chloe um dia se atrasa e como punição, Bennet manda que ela providencie até o final do dia uma apresentação de contas milionárias da empresa, mas ao apresentar ele não se controla e pega ela ali mesmo, em cima da mesa da sala de reuniões.

Bennet e Chloe são como dois semelhantes que se atraem. Ambos possuem personalidades fortes e por isso quando estão juntos eles ameaçam incendiar tudo o que está ao redor. Seja no elevador, nas escadas, no carro a caminho de uma reunião de negócios, não adianta, o ódio que sentem é palpável ao ponto de deixá-los raivosos e prontos para a briga independente do local em que se encontram. E uma vez submersos em um mundo de ódio, ficam a apenas um passo do desejo de caçar e dominar um ao outro, e é aqui que a relação dos dois muda de foco, suas desavenças geram a aversão, ao mesmo tempo em que suas semelhanças e constantes brigas geram um desejo físico bruto e inexplicável.

E a partir daí os seus encontros são cada vez mais quentes e carregados de intensidade, e a maioria desses encontros acontece lá mesmo na empresa. Mas esse não-relacionamento começa a trazer preocupações, já que afinal Chloe tem um futuro pela frente e muito potencial para crescer na empresa e não quer jogar tudo isso janela abaixo e pensamentos similares passam por Bennet que é ninguém menos que o chefe, que deveria ser o exemplo da empresa.

A trama é envolvente e extremamente viciante. Aqui é válido dizer que o artifício usado pela autora de fazer com que cada personagem narre um capítulo da história colabora diretamente para o nosso envolvimento com a trama, por que aí conhecemos o que cada um realmente pensa e deseja.

Vale ressaltar que o livro é adulto. O relacionamento de Bennet e Chloe começa com algo carnal e puramente sexual, então para ler o livro é preciso gostar desse tipo de narrativa mais explícita. Contudo também é importante dizer que o livro não é só sexo, a história envolve sentimento, comprometimento e emoção, ao ponto que foi fácil me sentir tocada por ela.


Wanderson Ramos Duarte

Título: Christina Lauren – Um Cretino Irresistível

Autor: Wanderson Ramos Duarte (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Christina Lauren – Um Cretino Irresistível

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios