Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Relação obsessiva

Relação obsessiva

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 4
Comentários: 4
Relação obsessiva

O relacionamento entre pares do sexo oposto é saudável e benéfico a não ser que se caia numa relação desequilibrada para ambos.
Desde sempre que o amor foi considerado um sentimento nobre. Mas o fato de se sentir amor com alguem não invalida que se deixe de falar ou contactar com outras pessoas.
Na verdade as pessoas precisam de se relacionar com seus familiares, amigos e conhecidos. Na auséncia de algum deles pode eventualmente criar-se sentimentos pouco harmoniosos entre os pares.

Para haver um ambiente salutar em volta das pessos o amor entre pares tem que ser harmonioso e saudável.

Mas, se os pares se fecharem para os outros e viverem envoltos neles próprios, surgem as relações obsessivas com consequ^encias demasiado nefastas para ambos.
Uma relação obsessiva é sinónimo de pouca inteligência, aprisionamento, sufoco e destruição. Não é raro inclusive haver casos de morte ou outras agrssões psicológicas entre as pessoas nela envolvidas.




De fato o amor obsessivo é apenas uma doença mental, alida à mentira e à irracionalidade.
As pessoas envolvidas neste tipo de obsessão estáo por vezes ligadas a vícios de sexo , drogas ou rejeição na infância ou no ùtero materno.

Deste modo, desenvolvem um amor cego, que é apenas ilusório e , irracional e destrutivo da vida da pessoa a quem o projeta.

Este tipo de amor revela apenas carência, baixa auto-estima e perda de razão.
O que acontece é que a pessoa enferma, por ter sido regeitada nalgum momento, quer agarrar o objeto da doença mental, só para si, limitando todo o espaço ao seu amor, ao qual não dá liberdade de ação, ficando este também aprisionado.

Na realidade, quem sofre este tipo de patologia, devia ser alvo de tratamento e terapias, a fim de resolver os seus traumas de regeição, vícios ou de fraca inteligência para resolver os vazios.

Os vazios interiores devem ser sempre preenchidos pela própria pessoa enferma e não ver ou projetar no outro o modo de se preencher e ser feliz.
Infelizmente este tipo de amor é muito frequente na sociedade, a tal ponto que, não sendo tratado, desemboca na destruição, ou matar o envolvido.

Pode mesmo dizer-se que há uma vítima, que é o alvo do obssessivo,e que já nem sequer consegue libertar-se, ao ponto de resultar quase sempre em tragédia ou outros problemas no seu círculo.
A relação obsessiva, seja ela qual for é considerada uma doença mental, a quem o outro alimenta os instintos, falhas, vícios e sentimentos de rejeição ou outros.

Às vezes pode ainda estar ligada a abortos provocados ou naturais e respetivos sentimentos de perda, que não foram tratados na devida altura e ficam no subconsciente da pessoa, projetando-os no outro com sentimentos de perda , rejeição , baixa auto-estima e fracos valores morais.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Relação obsessiva

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 4

666 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    31-07-2014 às 02:54:33

    Esse tipo de relação obsessiva tem se pode chamar de amor. É um relacionamento destrutivo e sofrido, sem controle. Não dá para aceitar um homem ou uma mulher desse jeito, tem que se tratar - emocionalmente.

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    17-09-2012 às 12:19:54

    Uma relação demasiado obsessiva entre duas pessoas é altamente prejudicial e nociva.Ela revela um estado de doença mental e aprisionamento que normalmente leva à tragédia. Deste modo deve ser tratada atempadamente, afim de libertar a obsessão.

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    17-09-2012 às 00:08:54

    Uma relação obsessiva pode tornar-se extremamente perigosa. Até quando acaba a situação pode piorar. A palavra stocking tem vindo a ser falada em muitos lados e até a comunicação social tem falado no assunto. O Stocking acontece durante uma relação, mas principalmente quando uma que seja obsessiva termina.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSofia Nunes

    12-09-2012 às 15:07:12

    No amor obsessivo, que é de facto uma doença, existem duas vítimas. Afinal, quando alguém sofre uma depressão, também uma doença que coloca em risco tanto a vida do doente como de familiares e até desconhecidos, consideramos quem ela sofre como vítima de uma patologia. Não que os actos que advêm da obsessão amorosa devam ser desculpabilizados - o que considero necessário é que, a par da segurança da vítima, se assegure tratamento ao doente.

    ¬ Responder

Comentários - Relação obsessiva

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios