Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Praxes Académicas

Praxes Académicas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 6
Comentários: 4
Praxes Académicas

A praxe académica é um conjunto amplo de tradições, usos e costumes que se praticam e repetem todos os anos no foro universitário. Fortemente ligada ao conceito de praxe académica está a tradição de integrar os caloiros na sua nova escola. Esta tem um ritual inicial fortemente hierarquizado, ou seja, os mais velhos dos seus cursos é quem mandam.

Muitas vezes a praxe académica ultrapassa os limites da brincadeira e prejudicam o caloiro física e psicologicamente. A praxe exagerada pode gerar mesmo processos-crime contra os praticantes. Associado à praxe académica, está o mote Dura Praxis, Sed Praxis, ou seja, a praxe é dura, mas é praxe.

A atual praxe académica aparece na Universidade de Coimbra. Tem como base uma jurisdição especial, à qual é aplicada uma polícia própria, os Archeiros, sob tutela das autoridades universitárias.

Antigamente, o seu papel era zelar pela ordem no campus e fazer cumprir as horas de estudo e recolher obrigatório por alunos e professores, sob pena de prisão, sobrepondo-se às autoridades policiais locais.

Em 1727, devido à morte de um aluno, D. João V proíbe as investidas feitas pelos veteranos. Os veteranos são alunos com mais de uma matrícula na Universidade.

No século XIX, o termo “investida” dá lugar ao termo “troça”. Os problemas de violência aumentam entre os caloiros e os mais velhos. Com o fim da polícia universitária em 1834, os estudantes organizam-se em trupes, ou seja, eles são uma espécie de polícias universitários. Após o toque vespertino da “cabra”, um dos sinos da Torre da Universidade de Coimbra, patrulham as ruas da cidade à procura de infratores.

Entretanto, a praxe foi interrompida durante alguns períodos. Durante a Implantação da República a praxe é abolida devido à oposição dos estudantes republicanos, sendo mais tarde reposta em 1919.

Durante o século XX, a Universidade de Coimbra tornou-se um centro de luta contra a ditadura e a Guerra Colonial. Isto causou o Luto Académico, em 1961, que levou à suspensão de todas as atividades académicas. Com o fim da ditadura a 25 de abril de 1974, as praxes foram proibidas em muitas universidades. O ressurgimento das praxes apenas ocorre no final dos anos 70. Nesta altura, a praxe deixa de ser um ritual apenas da Universidade de Coimbra.

No entanto, as praxes trouxeram de novo a violência para as universidades. Entretanto, surgem também movimentos anti-praxes. Os membros destes movimentos afirmam que as denúncias não chegam nem a metade do que realmente é na verdade. Atualmente, pelo menos em Coimbra, o caloiro já pode optar por ser praxado ou não, no entanto tem consequências se a sua decisão for negativa, não pode usar traje académico nunca mais.


Daniela Vicente

Título: Praxes Académicas

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 6

801 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • WB

    06-09-2014 às 11:58:19

    http://notasemelodias.blogspot.pt/2014/07/notas-as-trupes-academicas-origens-e_2.html

    ¬ Responder
  • Yuri SilvaYuri

    18-08-2014 às 04:24:49

    Muito interessante vocês chamarem em Portugal de praxes acadêmicas. Aqui no Brasil é chamado de "trote" logo quando se ingressa na faculdade. Adorei o texto.

    ¬ Responder
  • WB

    04-07-2014 às 20:44:13

    O seu texto está cheio de erros e imprecisões históricas.
    Queira visitar o blogue Notas

    ¬ Responder
  • WB

    05-07-2014 às 12:46:58

    O blogue é o Notas

    ¬ Responder

Comentários - Praxes Académicas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cães e Humanos: Amizade por interesses

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Animais Estimação
Cães e Humanos: Amizade por interesses\"Rua
Não é de hoje que os cães são considerados nossos melhores amigos, porém como toda amizade ela não é totalmente incondicional e livre de interesses, pense bem, você pode discordar a princípio, mas analise a fundo e verá que tenho razão.

Cães convivem conosco a mais de 10mil anos, foi lá atrás na pré história que essa amizade começou, uma das mais duradouras da história. Teorias dizem que essa conexão iniciou pois ambas as espécies precisavam de algo que não possuíam e juntos se completaram.

Em plena era do gelo onde a sobrevivência estava sendo testada a todo vapor, aquele lobo considerado mais corajoso se encontrou com um homem também corajoso e resolveram unir forças, talvez não conscientemente, mas deu certo para ambos, e ali iniciava uma amizade que duraria por milênios.

Nesse estágio da nossa história, corríamos perigo de sobrevivência; faltava comida, segurança e energia ! ... E então percebemos que esses lobos simpáticos poderiam nos dar uma vantagem na corrida contra a morte, afinal eles caçavam muito bem , coisa que tínhamos dificuldade em fazer pela falta de energia naquele momento; então pensamos, eles nos ajudam a caçar, nós dividimos o alimento e em troca eles ganham segurança e afeto, e foi assim que essa amizade nos ajudou a enfrentar todos os percalços do caminho, e hoje evoluímos tanto que não precisamos mais de seus serviços e ainda sim continuam sendo nossos melhores amigos, posso dizer então que realmente é uma amizade verdadeira, que surgiu da dificuldade e interesses mas que não se deixou abalar por nada.

Então, agora quando virmos alguém maltratar esses animais, desdenhar deles dizendo que "não prestam pra nada", "não fazem nada de útil", como a galinha que põe ovos, ou a vaca que dá leite, lembremo-nos o quão útil eles foram na nossa caminhada, não só no quesito físico mas também no emocional, numa época em que as aparências não importavam e nem o QI para se fazer um amigo, bastava ser corajoso o bastante pra ultrapassar barreiras e conhecer mais o outro, do jeito que ele viesse, garanto que vantagens incríveis nascerão dessa amizade, e não pense em vantagens como algo ruim, quando digo penso em a vantagem da gente se sentir o humano mais importante do mundo quando esses seres peludos nos olham nos olhos sem pedir mais nada em troca, damos e recebemos carinho como nunca, uma retribuição silenciosa a quem sempre esteve do nosso lado, no pior e melhor momento.

O maior interesse em uma amizade é que ela dure para sempre, e acho que com os Cães conseguimos isso.

Pesquisar mais textos:

Lara Lavic

Título:Cães e Humanos: Amizade por interesses

Autor:Lara Lavic(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios