Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Praxes Académicas

Praxes Académicas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 6
Comentários: 4
Praxes Académicas

A praxe académica é um conjunto amplo de tradições, usos e costumes que se praticam e repetem todos os anos no foro universitário. Fortemente ligada ao conceito de praxe académica está a tradição de integrar os caloiros na sua nova escola. Esta tem um ritual inicial fortemente hierarquizado, ou seja, os mais velhos dos seus cursos é quem mandam.

Muitas vezes a praxe académica ultrapassa os limites da brincadeira e prejudicam o caloiro física e psicologicamente. A praxe exagerada pode gerar mesmo processos-crime contra os praticantes. Associado à praxe académica, está o mote Dura Praxis, Sed Praxis, ou seja, a praxe é dura, mas é praxe.

A atual praxe académica aparece na Universidade de Coimbra. Tem como base uma jurisdição especial, à qual é aplicada uma polícia própria, os Archeiros, sob tutela das autoridades universitárias.

Antigamente, o seu papel era zelar pela ordem no campus e fazer cumprir as horas de estudo e recolher obrigatório por alunos e professores, sob pena de prisão, sobrepondo-se às autoridades policiais locais.

Em 1727, devido à morte de um aluno, D. João V proíbe as investidas feitas pelos veteranos. Os veteranos são alunos com mais de uma matrícula na Universidade.

No século XIX, o termo “investida” dá lugar ao termo “troça”. Os problemas de violência aumentam entre os caloiros e os mais velhos. Com o fim da polícia universitária em 1834, os estudantes organizam-se em trupes, ou seja, eles são uma espécie de polícias universitários. Após o toque vespertino da “cabra”, um dos sinos da Torre da Universidade de Coimbra, patrulham as ruas da cidade à procura de infratores.

Entretanto, a praxe foi interrompida durante alguns períodos. Durante a Implantação da República a praxe é abolida devido à oposição dos estudantes republicanos, sendo mais tarde reposta em 1919.

Durante o século XX, a Universidade de Coimbra tornou-se um centro de luta contra a ditadura e a Guerra Colonial. Isto causou o Luto Académico, em 1961, que levou à suspensão de todas as atividades académicas. Com o fim da ditadura a 25 de abril de 1974, as praxes foram proibidas em muitas universidades. O ressurgimento das praxes apenas ocorre no final dos anos 70. Nesta altura, a praxe deixa de ser um ritual apenas da Universidade de Coimbra.

No entanto, as praxes trouxeram de novo a violência para as universidades. Entretanto, surgem também movimentos anti-praxes. Os membros destes movimentos afirmam que as denúncias não chegam nem a metade do que realmente é na verdade. Atualmente, pelo menos em Coimbra, o caloiro já pode optar por ser praxado ou não, no entanto tem consequências se a sua decisão for negativa, não pode usar traje académico nunca mais.


Daniela Vicente

Título: Praxes Académicas

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 6

801 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • WB

    06-09-2014 às 11:58:19

    http://notasemelodias.blogspot.pt/2014/07/notas-as-trupes-academicas-origens-e_2.html

    ¬ Responder
  • Yuri SilvaYuri

    18-08-2014 às 04:24:49

    Muito interessante vocês chamarem em Portugal de praxes acadêmicas. Aqui no Brasil é chamado de "trote" logo quando se ingressa na faculdade. Adorei o texto.

    ¬ Responder
  • WB

    04-07-2014 às 20:44:13

    O seu texto está cheio de erros e imprecisões históricas.
    Queira visitar o blogue Notas

    ¬ Responder
  • WB

    05-07-2014 às 12:46:58

    O blogue é o Notas

    ¬ Responder

Comentários - Praxes Académicas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios