Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > A história do atletismo em Portugal - a ditadura e pós-ditadura

A história do atletismo em Portugal - a ditadura e pós-ditadura

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Desporto
Visitas: 4
Comentários: 1
A história do atletismo em Portugal - a ditadura e pós-ditadura

Com a chegada da ditadura militar em Portugal, o desporto fica quase à míngua. Num país cada vez mais fechado pela ditadura centralizada no fomento nacional, as hipóteses de progredir para além das barreiras nacionais tornam-se quase nulas. Aos poucos, o atletismo apercebe-se que o mundo lá fora é inalcançável. Os campeonatos nacionais são os que chamam a atenção da população, nomeadamente, o duelo entre os maiores clubes do país (Benfica – Sporting).

António Sarsfield, Mário Porto, Palhares da Costa, Martins Vieira, Jaime Mendes, Manuel Dias e Guilherme Espírito Santo são nomes que se destacaram durante a década de 20 e de 30.

A Guerra interrompe entretanto o decurso normal das competições internacionais. Vemos aparecer indivíduos como Francisco Bastos, que foi recordista nacional dos 400 m e 2000 m, Joaquim Branco, que conseguiu alguns recordes nacionais dos 1000 m e dos 5000, Álvaro Dias, Tomás paquete e Matos Fernandes.

Em 1950, Tomás Paquete, Luís Alcide e Álvaro Dias foram para Bruxelas, na Bélgica. Os dois primeiros não possam das eliminatórias e Álvaro Dias é apurado para a final no salto em comprimento, ficando na 4ª a posição.

Pouco tempo depois apareceu José Araújo, um maratonista que se destacou no Campeonato da Europa. Foi a Berna e ficou em 8º lugar. Nessa altura, na pista o domínio pertencia a Manuel Faria, recordista nacional.

Quando Faria saiu do circuito, apareceu Manuel Oliveira, que viria a ser reconhecido só a 17 de outubro de 1964, nos Jogos Olímpicos de Tóquio, onde o português ficou próximo do pódio. Quatro anos mais tarde, nos Jogos Olímpicos do México, Manuel Oliveira afundou-se devido aos problemas de altitude muito comuns nestes países.

Em agosto de 1975, Carlos Lopes, em Zurique, supera o seu recorde nacional dos 5000 M e fica em 3º lugar. Nos Jogos Olímpicos de 1976, destacaram-se Carlos Lopes e Fernando Mamede, que conseguiram algo inédito: dispensa dos empregos para puderem treinar, para além de começarem a receber uma bolsa como atletas pré-olímpicos. Em agosto de 1975, Carlos Lopes, em Zurique, supera o seu recorde nacional dos 5000 M e fica em 3º lugar. Em 1976, Carlos Lopes venceu em o Cross Lasarte e o Crosse de Chartres.


Daniela Vicente

Título: A história do atletismo em Portugal - a ditadura e pós-ditadura

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 4

641 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Yuri SilvaYuri

    30-06-2014 às 21:41:57

    Bem interessante a história do atletismo em Portugal, parece que muitas coisas mudaram!

    ¬ Responder

Comentários - A história do atletismo em Portugal - a ditadura e pós-ditadura

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Dicas para decorar salas pequenas.

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Decoração
Dicas para decorar salas pequenas.\"Rua
A realidade das grandes cidades é que a maioria das pessoas mora em espaços pequenos. É fato também que todos desejam ter um ambiente acolhedor e aconchegante para receber amigos. Em contrapartida, na medida em que os espaços encolhem, a quantidade de aparelhos eletrônicos que utilizamos aumenta cada vez mais. Há ainda quem use a sala como home-office.

Nesta busca de inspiração para organizar e incrementar sua sala, encontramos uma série de sites especializados e blogs com muitas, muitas ideias. O conceito de D.I.Y. (do it yourself) que significa "faça você mesmo” nunca esteve tão na moda. É uma alternativa para reduzir gastos com mão de obra e nada melhor do que criar um espaço com um toque todo seu. Inspirações e ideias não faltam. Hoje, de certa forma todos nos sentimos meio decoradores.

Mas planejar a decoração de uma sala pequena exige alguns cuidados para que o ambiente não fique entulhado de móveis, disfuncional ou até mesmo desagradável.

Confira algumas dicas para decorar sua sala com estilo e valorizando seu espaço:
Os espelhos, além da autocontemplação, causam efeitos interessantes. Aplicados, por exemplo, em uma parede inteira pode duplicar a amplitude do ambiente. Pode ser usado também em móveis, tetos, em diversos formatos e valorizar a luminosidade da decoração.

As cores tem poder de causar sensações. Em ambientes com pouco espaço, elas podem colaborar para que a sensação de amplitude possa tanto aumentar quanto diminuir. Para pintar as paredes de sua sala aposte em cores claras. O teto com uma cor mais clara que a das paredes, por exemplo, pode simular uma elevação do teto, já em uma cor mais escura, promoverá uma sensação de rebaixamento do teto.

A escolha e posição dos móveis são um aspecto muito importante. Opte por poucos móveis, nunca de tamanhos exagerados e posicione-os de forma que valorize o espaço. Móveis que misturam poucos materiais, baixos e com linhas retas proporcionam leveza ao ambiente.

Uma solução muito interessante para espaços pequenos é a utilização de prateleiras. Caixas para produtos horto frutícolas reformadas podem se tornar lindas prateleiras. Mas cuidado com a profundidade, para não atrapalhar na disposição de outros móveis e objetos.

Móveis multifuncionais ou móveis inteligentes são excelentes alternativas para uma sala pequena. Um bom exemplo são pufes, que podem ser usados como mesas de centro ou ficarem alojados debaixo de aparadores e quando recebemos visitas podem se transformar em assentos extras. Mesas dobráveis também são uma ótima opção.

Escolher o mesmo piso ou revestimento pode dar a impressão de área maior, de continuidade. Mudanças drásticas de um ambiente para outro pode causar a sensação de divisão e consequentemente fazer parecer menor.

Algumas outras dicas: um sofá retrátil ou reclinável garante muito mais conforto e ocupa o espaço de um sofá simples. Suporte ou painéis móveis para TV possibilitam que ela seja movida na direção desejável. Caso o ambiente tenha escadas, escolher um modelo de escadas vazadas evita divisões e pode se tornar uma peça de destaque na sala. E para as cortinas, escolha tecidos leves, lisas e sem estampas.

De qualquer forma, ouse, não tenha medo de arriscar, crie, não copie, só assim será seu!

Luciana Santos.

Outros textos do autor:
Dicas para decorar salas pequenas.

Pesquisar mais textos:

Luciana Maria dos Santos

Título:Dicas para decorar salas pequenas.

Autor:Luciana Maria Santos(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Carlos Rubens Neto 16-06-2016 às 16:20:24

    Excelente matéria! Parabéns Luciana ;)

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios