Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Vestuário > Havaianas, quem é que não quer umas?

Havaianas, quem é que não quer umas?

Categoria: Vestuário
Comentários: 3
Havaianas, quem é que não quer umas?

Nascidas em 1962, são hoje o expoente de moda, mal o sol começa a espreitar e os pés a aquecer. São poucas as pessoas que cedem à tentação de ter pelo menos um par de havaianas, quer pelo conforto, pelo estilo ou mesmo por ser considerado fashion. Não deixa de ser interessante perceber de que maneira conseguiram obter tremendo sucesso. Antigamente tidas como um atestado de pobreza, são hoje usadas por qualquer pessoa, independentemente do estrato social a que pertence.

Tudo começou no início do século XX, em que no Brasil, os trabalhadores das colheitas do café, protegiam os pés com sapatos de lona de sola de corda, já que o dinheiro não dava para nada mais sofisticado. Em 1907 uma fábrica aproveitou este mercado e criou o original nome dos chinelos: São Paulo Alpargatas. Os anos passaram e 55 anos mais tarde, esta mesma marca inspirando-se nos chinelos japoneses feitos de palhinha de arroz e de enfiar no dedo, os Zori, adoptaram a borracha como matéria prima, criando um modelo mais confortável, de longa duração e genuinamente brasileiro. Começaram por ser vendidos no pequeno comércio. Em 1965 assumiram o nome que as traria para a ribalta: Havaianas. Porém, depressa tiveram que se “bater” com as imitações, usando a estratégia de marketing, de terem como caras da marca, nomes de figuras públicas conhecidas, tais como, Fábio Assunção, Luana Piovani, Reynaldo Gianecchini, Rodrigo Santoro e mais recentemente a modelo internacional Gisele Bundchen.

As sandálias acabaram por ser desejadas por quem gosta de estar na moda e subiram mesmo às passerelles de cidades como Milão, Paris e Nova Iorque. Já conquistaram mais de oitenta países nos cinco continentes. Apesar de tantos anos já terem passado desde a sua criação, a verdade é que têm mantido a boa qualidade e a cada ano que passa conseguem inovar. Mais irónico ainda é que mesmo sendo um sinónimo de estilo de vida versátil e sofisticado, continua a ter um preço bastante acessível. Veio mesmo revolucionar alguns conceitos de moda e ir a um restaurante, a uma festa ou mesmo ao cinema, envergando nos pés umas havaianas, já não choca ninguém, aliás há mesmo quem considere que seja um estilo chique. Os mais de 350 modelos existentes, de diferentes cores, apliques, tamanhos, fazem as delicias dos fãs.

Confesso que eu própria sou uma dessas fãs. Tudo começou quando me ofereceram o modelo que tinha uns apliques de missangas em forma de flores. Mal as calcei senti um enorme conforto e o certo é que foram as minhas maiores companheiras durante todo o Verão. A partir dai, todos os anos não resisto em aumentar o meu rol de havaianas, tendo diversas cores, que vou conjugando com a roupa que uso.
Não consigo entender o que é que as havaianas têm que as torna tão especiais, mas o que é certo é que já não consigo passar sem elas. E desconfio que quem as experimenta, já não quer outra coisa…

Catarina Guedes Duarte

Título: Havaianas, quem é que não quer umas?

Autor: Catarina Guedes Duarte (todos os textos)

Visitas: 0

796 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarla Horta

    07-09-2012 às 23:28:35

    A empresa que fabrica as havaianas é conhecida mundialmente e hoje em dia até existem estrelas de hollywood que têm havaianas. Os sapatos mais confortáveis do mundo. Há quem nunca os tire do pé.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãojaime

    05-04-2009 às 18:02:59

    Querida amiga, eu tenho vários pares de havaianas e são o máximo. São queridas, práticas e super confortavais. Eu vivamente recomendo a todos os pés o prazer de ter umas havaianas.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãopedro

    05-04-2009 às 12:26:33

    Amiga catarina, no verão não há um dia que me separe das havaianas.

    Tenho 2 pares, brancas e amarelas, e as havaianas são a minhas menias. Adoro-as.

    Recomendo...

    ¬ Responder

Comentários - Havaianas, quem é que não quer umas?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Superstições Náuticas

Ler próximo texto...

Tema: Barcos
Superstições Náuticas\"Rua
Todos temos as nossas manias e superstições. Não que se trate de comportamentos compulsivos, mas a realidade é que mesmo para quem diz que não liga nenhuma a estas coisas, as superstições acompanham-nos.

Passar por baixo de uma escada, deixar a tesoura, uma porta de um armário ou uma gaveta aberta ou até deixar os sapatos em posição oposta ao correcto, são das superstições mais comuns. As Sextas-feiras 13 também criam alguma confusão a muita gente, mas muitos são os que já festejam e brincam com a data.

Somos assim mesmo, supersticiosos, uns mais do que outros, mas é uma essência que carregamos, mesmo que de forma inconsciente.

Existem no entanto profissões que carregam mitos mais assustadores do que outros, e por exemplos muitos actores não entram em palco sem mandar um “miminho” uns aos outros.

Caso de superstição de marinheiro é dos mais sérios e se julga que se trata só de casos vistos em filmes de piratas, desengane-se. Os marinheiros dos dias de hoje carregam superstições tão carregadas de emoção quanto os de outros tempos.

Umas mais caricatas do que outras, as superstições contam histórias e truques. Por exemplo, contra tempestades, muitos marinheiros colam uma moeda no mastro dos navios.

Tal como fazem os actores, desejar boa sorte a um marinheiro antes de embarcar, também não é boa ideia. Os miminhos dados antes de entrar em palco também servem para o efeito.

Dar um novo nome a um barco é uma péssima ideia para um marinheiro. Dizem que muitos há que não navegam em barcos rebaptizados.

Lembra-se que os piratas de outros tempos utilizavam brincos? Pois isto faz parte de uma superstição. Dizem que os brincos evitam que se afoguem.

Entrar com um pé direito na embarcação é sinal de bons ventos. Tal como acontece com muitos de nós, os marinheiros também não gostam de entrar de pé esquerdo.

Já desde remotos tempos se dia que assobiar traz tempestades. Ora aqui está um mote dos marinheiros, pelo que se assobiar numa embarcação, arrisca-se a ter chatices com o marinheiro.

Verdades ou mentiras, as superstições existem e se manter os seus próprios mitos acalma um marinheiro, então que assim seja. Venham as superstições náuticas que cá estamos para as ouvir.

Já agora uma curiosidade ainda maior. Dizem que se tocar a gola de um marinheiro passará a ter sorte. Será verdade ou foi um marinheiro que inventou?

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:Superstições Náuticas

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    17-06-2014 às 06:39:27

    Não acredito em superstições de forma alguma.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios