Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > A quinta dos Girassóis, o Património que a cidade da Maia esqueceu

A quinta dos Girassóis, o Património que a cidade da Maia esqueceu

Categoria: Arte
A quinta dos Girassóis, o Património que a cidade da Maia esqueceu

Guilhermina Suggia (1885-1950) foi um nome importante em e para Portugal. Filha de um violoncelista de ascendência italiana e espanhola, Guilhermina é educada num ambiente familiar onde a música lhe é um lugar comum, e onde esta lhe é ensinada, desde tenra idade, sendo que também precoce é a sua primeira atuação em publico, aos sete anos de idade. Aluna de um dos maiores Violoncelistas da época, o catalão Pablo Casals, em 1901, com 15 anos de idade apenas, ela e a sua irmã, no piano, atuam para a Família Real Portuguesa. À pergunta da Rainha Dona Amélia, sobre qual era o maior sonho da sua vida, Guilhermina respondeu que gostaria de aperfeiçoar os seus conhecimentos no estrangeiro. Estas palavras fizeram, ao que parece eco, nos ouvidos da Rainha, pois uns meses depois, a coroa concedeu uma bolsa a Guilhermina para que fosse estudar no seu lugar de eleição, a Alemanha. Com apenas 17 anos, Guilhermina tornou-se a primeira mulher, e a interprete mais jovem a atuar com uma orquestra, e com o êxito que obteve, teve de repetir toda a sua atuação, a pedido do maestro. A carreira de Guilhermina atinge uma notoriedade enorme, e no regresso ao Porto e na atuação com a sua irmã, ela é convidada para as mais famosas salas de concerto de toda a Europa. Vive em Paris, onde volta a encontrar Casals, com quem enceta o mais falado romance da época, tendo um fim abrupto em 1913, quando Casals se casa com uma cantora norte americana e Guilhermina se muda para Londres. Aí, obtém também as melhores críticas da imprensa. No entanto, em 1924, decide regressar às suas origens, ao Porto, e comprar casa nessa cidade, na rua da Alegria. Em 1927 casa com o médico José Casimiro Carteado Mena, de quem nunca teve descendência, e vai morar para uma outra casa da mesma rua, casa esta pertença do marido. E é aqui que surge a ligação de Guilhermina à cidade da Maia, pois José Casimiro, possuía uma quinta nesta cidade, chamada a Quinta dos Girassóis, que hoje podemos ver da rua por onde passa a linha do metro, para quem vem da estação do fórum da Maia e vai em direção à rotunda de Brandinhães ou rotunda das pedras, (assim conhecida na cidade), ou para quem faz o percurso inverso. Guilhermina frequentava algumas vezes esta quinta e é disso prova as fotografias que o seu espólio presente na Camara Municipal de Matosinhos nos mostra.
O que nos perguntamos hoje, é o porquê da Quinta dos Girassóis, uma quinta de referência cultural, de uma enorme artista portuguesa, estar abandonada como está e em decadência constante como a vemos, não havendo qualquer intervenção da Camara Municipal da Maia, ou do Ministério da Cultura em Portugal, no sentido de a recuperar, e a tornar um marco de homenagem de uma enorme artista deste país. Perguntamo-nos o que aconteceu para que uma Camara Municipal tenha votado ao esquecimento este magnifico exemplo de património, e esperamos que este esquecimento não faça com que mais tarde ou mais cedo, não lhe suceda o mesmo que sucedeu à casa do famoso Visconde Barreiros, um dos grandes patronos desta cidade, tendo sido deixada ruir, depois deitada abaixo e por fim, decidida a construção do edifício da Câmara Municipal no mesmo local. As voltas que o património dá, é questão para se dizer…

Liliana Félix Leite

Título: A quinta dos Girassóis, o Património que a cidade da Maia esqueceu

Autor: Liliana Félix Leite (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - A quinta dos Girassóis, o Património que a cidade da Maia esqueceu

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cães e Humanos: Amizade por interesses

Ler próximo texto...

Tema: Animais Estimação
Cães e Humanos: Amizade por interesses\"Rua
Não é de hoje que os cães são considerados nossos melhores amigos, porém como toda amizade ela não é totalmente incondicional e livre de interesses, pense bem, você pode discordar a princípio, mas analise a fundo e verá que tenho razão.

Cães convivem conosco a mais de 10mil anos, foi lá atrás na pré história que essa amizade começou, uma das mais duradouras da história. Teorias dizem que essa conexão iniciou pois ambas as espécies precisavam de algo que não possuíam e juntos se completaram.

Em plena era do gelo onde a sobrevivência estava sendo testada a todo vapor, aquele lobo considerado mais corajoso se encontrou com um homem também corajoso e resolveram unir forças, talvez não conscientemente, mas deu certo para ambos, e ali iniciava uma amizade que duraria por milênios.

Nesse estágio da nossa história, corríamos perigo de sobrevivência; faltava comida, segurança e energia ! ... E então percebemos que esses lobos simpáticos poderiam nos dar uma vantagem na corrida contra a morte, afinal eles caçavam muito bem , coisa que tínhamos dificuldade em fazer pela falta de energia naquele momento; então pensamos, eles nos ajudam a caçar, nós dividimos o alimento e em troca eles ganham segurança e afeto, e foi assim que essa amizade nos ajudou a enfrentar todos os percalços do caminho, e hoje evoluímos tanto que não precisamos mais de seus serviços e ainda sim continuam sendo nossos melhores amigos, posso dizer então que realmente é uma amizade verdadeira, que surgiu da dificuldade e interesses mas que não se deixou abalar por nada.

Então, agora quando virmos alguém maltratar esses animais, desdenhar deles dizendo que "não prestam pra nada", "não fazem nada de útil", como a galinha que põe ovos, ou a vaca que dá leite, lembremo-nos o quão útil eles foram na nossa caminhada, não só no quesito físico mas também no emocional, numa época em que as aparências não importavam e nem o QI para se fazer um amigo, bastava ser corajoso o bastante pra ultrapassar barreiras e conhecer mais o outro, do jeito que ele viesse, garanto que vantagens incríveis nascerão dessa amizade, e não pense em vantagens como algo ruim, quando digo penso em a vantagem da gente se sentir o humano mais importante do mundo quando esses seres peludos nos olham nos olhos sem pedir mais nada em troca, damos e recebemos carinho como nunca, uma retribuição silenciosa a quem sempre esteve do nosso lado, no pior e melhor momento.

O maior interesse em uma amizade é que ela dure para sempre, e acho que com os Cães conseguimos isso.

Pesquisar mais textos:

Lara Lavic

Título:Cães e Humanos: Amizade por interesses

Autor:Lara Lavic(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios