Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Mesopotâmia - Arte da Acádia e Arte da Assíria

Mesopotâmia - Arte da Acádia e Arte da Assíria

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 22
Mesopotâmia - Arte da Acádia e Arte da Assíria

Sargão conquistou a Suméria bem como o Norte da Síria e o Elam. Baseou o seu poder na cidade de Acad. O acádico tornou-se a língua de poder na Mesopotâmia. Tentou a consolidação entre as cidades-estado sumérios e acádicos. Para os acádicos era importante mostrar poder do monarca através da arte. Os temas de poder e da narrativa encontram-se combinados na estela Naramsin. A estela comemora, em alto-relevo, a vitória de Naramsin sobre os Lullubi, povos das montanhas. Fileiras de soldados escalam os contornos ondulados de uma montanha arborizada. À medida que os soldados vitoriosos pisam os derrotados, estes imploram misericórdia ou jazem, contorcidos na morte. Sobre eles está o rei, em grande escala, figura centralizada, perto do pico da montanha, ou seja, perto do divino. Tem uma coroa de chifres.

É uma figura rica em musculatura e altivez. Divindades solares brilham sobre a sua cabeça.
A babilónia sucumbiu aos hititas em 1595 a.C., que se tinham estabelecido na Anatólia.

Quando os hititas partiram, deixaram o estado babilónico vulnerável a outros invasores. No final do milénio, os assírios já controlavam quase todo o Sul da Mesopotâmia. Guerras e caçadas são o espírito da assíria. Os assírios inspiravam-se fortemente nos feitos artísticos dos sumérios e dos babilónios, mas adotaram-no aos seus objetivos. A sua arte era altamente imperial, mostrando a supremacia da civilização assíria – Zigurate de Assur, Palácio Nava e Palácio Antigo, Templo duplo de Sin e Samash e Templo Nabu. O Palácio-Fortaleza de Sargão II Khorsabad, uma residência real protegido por uma majestosa muralha.

A Zigurate do Templo em ascensão envolvente tinha 7 andares. No último andar celebrava-se a festa do ano novo. As escadas contornam o edifício – movimento eliquidal. Diante dos portões erguiam-se figuras de guardiões conhecidos como lamassu, com corpo de touro e cabeça humana. Tem uma quinta perna, o que indica que foram concebidos de modo a serem legíveis de perfil e de frente. Tem uma cornamenta poderosa com 3 pares de cornos, brincos na orelha, altos toucados, olhos profundamente encovados, poderosa musculatura, delicadas barbas e asas. No interior, baixos-relevos da vida privada do rei, das cenas militares e do cavalo de guerra.

Daniela Vicente

Título: Mesopotâmia - Arte da Acádia e Arte da Assíria

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 22

781 

Comentários - Mesopotâmia - Arte da Acádia e Arte da Assíria

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios