Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Mesopotâmia - Arte da Acádia e Arte da Assíria

Mesopotâmia - Arte da Acádia e Arte da Assíria

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 22
Mesopotâmia - Arte da Acádia e Arte da Assíria

Sargão conquistou a Suméria bem como o Norte da Síria e o Elam. Baseou o seu poder na cidade de Acad. O acádico tornou-se a língua de poder na Mesopotâmia. Tentou a consolidação entre as cidades-estado sumérios e acádicos. Para os acádicos era importante mostrar poder do monarca através da arte. Os temas de poder e da narrativa encontram-se combinados na estela Naramsin. A estela comemora, em alto-relevo, a vitória de Naramsin sobre os Lullubi, povos das montanhas. Fileiras de soldados escalam os contornos ondulados de uma montanha arborizada. À medida que os soldados vitoriosos pisam os derrotados, estes imploram misericórdia ou jazem, contorcidos na morte. Sobre eles está o rei, em grande escala, figura centralizada, perto do pico da montanha, ou seja, perto do divino. Tem uma coroa de chifres.

É uma figura rica em musculatura e altivez. Divindades solares brilham sobre a sua cabeça.
A babilónia sucumbiu aos hititas em 1595 a.C., que se tinham estabelecido na Anatólia.

Quando os hititas partiram, deixaram o estado babilónico vulnerável a outros invasores. No final do milénio, os assírios já controlavam quase todo o Sul da Mesopotâmia. Guerras e caçadas são o espírito da assíria. Os assírios inspiravam-se fortemente nos feitos artísticos dos sumérios e dos babilónios, mas adotaram-no aos seus objetivos. A sua arte era altamente imperial, mostrando a supremacia da civilização assíria – Zigurate de Assur, Palácio Nava e Palácio Antigo, Templo duplo de Sin e Samash e Templo Nabu. O Palácio-Fortaleza de Sargão II Khorsabad, uma residência real protegido por uma majestosa muralha.

A Zigurate do Templo em ascensão envolvente tinha 7 andares. No último andar celebrava-se a festa do ano novo. As escadas contornam o edifício – movimento eliquidal. Diante dos portões erguiam-se figuras de guardiões conhecidos como lamassu, com corpo de touro e cabeça humana. Tem uma quinta perna, o que indica que foram concebidos de modo a serem legíveis de perfil e de frente. Tem uma cornamenta poderosa com 3 pares de cornos, brincos na orelha, altos toucados, olhos profundamente encovados, poderosa musculatura, delicadas barbas e asas. No interior, baixos-relevos da vida privada do rei, das cenas militares e do cavalo de guerra.

Daniela Vicente

Título: Mesopotâmia - Arte da Acádia e Arte da Assíria

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 22

781 

Comentários - Mesopotâmia - Arte da Acádia e Arte da Assíria

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O Mundo

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Internet
O Mundo\"Rua
O tão aclamado pelos seus mistérios e que continua a nos surpreender o mundo que não é tão somente cheio de pessoas há apenas sonhar em si próprio, mas sim também no seu próximo que poderia ser qualquer pessoa de seu convívio, mas que o laço que enlaça que enlaçai-nos próximo pode ser o mesmo que pela discórdia se deslaça, nunca mais enlaçando [...]

Não mais unidos de uma maneira sagrada assim como é o nosso convívio com as crianças que enlaça em Cristo, que com a idade vai se deslaçando, como uma semente que após um tempo cresce e dá frutos que pode ser não muito boas, apodrecendo, mas que se cuidarmos com certeza dará bons novos frutos.

Não pense que assim são somente as plantas, mas como também, é todo ser humano, pois o consentimento do que é o tal mundo esmero depende de cada gás carbônico expirado não só pelo, mas sim pela alma, cônjuge do Espírito que pode ser Santo ou não, pois já como temos o livre-arbítrio nós que decidimos se deixemos que Ele nos habite ou não para trilhar o Bem ou não mesmo que, embora Ele esteja sempre conosco, embora não vejamos e não aceitamos por apenas sentir e não o reconhecer através de nossos atos.

Costumo definir o mundo de acordo com o que vivo e não vivo, por não haver ainda a oportunidade de viver sem me arrepender já que querer não poder. Não sei como definir o mundo mesmo que o mundo seja o que eu e você estejamos vivendo mesmo sem querer viver o que vive, pois sei bem o que é isso porque vivo há caminhar de olhos vendados fazendo o que querem pra mim sem levar em consideração o que penso ou deixo de pensar por algo tão, às coxas de tão impensado seja o meu impulso como é essa agora de querer escrever porcarias mesmo que o foco sempre seja o mesmo que nada mais é do que desvendar o mundo que não conheço embora eu viva ele inconstantemente para descobrir dele mais, e mais, sem parar [...]. Sem que haja intervalos como em um jogo de futebol.

Pesquisar mais textos:

Kaique Barros

Título:O Mundo

Autor:Kaique Barros(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios