Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Diz-me o que lês-te e dir-te-ei o que sabes!

Diz-me o que lês-te e dir-te-ei o que sabes!

Categoria: Literatura
Visitas: 4
Comentários: 4
Diz-me o que lês-te e dir-te-ei o que sabes!

O acto de ler encanta e delicia muita gente. Para outros, porém, constitui uma enorme dificuldade, pela falta de tempo, incapacidade de concentração, inexistência de condições adequadas, dislexia, e uma infinidade de obstáculos, intrínsecos ou externos.

A leitura é um excelente meio de uma pessoa se cultivar, quando e onde lhe for mais oportuno, de se transportar a mundos e dimensões da existência que jamais poderiam ser percorridos de outro modo, de assimilar conteúdos vitais, de se auto-educar e auto-conhecer, de se comparar e de se impor uma disciplina, de se rir e divertir, de se emocionar e reconhecer vulnerável, de viajar sem sair do lugar, de sonhar sem limites!

Para quem não sabe ler, todavia, o âmbito da literatura não passa do relato de acontecimentos históricos e ensinamentos encerrados, como um tesouro, num cofre sem código de acesso. A taxa de analfabetismo, sobretudo em países e locais menos desenvolvidos, continua a apresentar valores preocupantes, especialmente porque a alfabetização é o primeiro passo do caminho da evolução, pessoal e comunitária. Nos últimos anos, tem-se verificado um esforço crescente no sentido da instrução até de reformados e idosos, recorrendo, maioritariamente, aos serviços gratuitos de voluntários abnegados. A satisfação de quem aprende e os progressos dos alunos representam para estes altruístas a compensação que buscam. Seja como for, convém que um analfabeto consiga ler mais que os pensamentos dos outros…!

As publicações diárias, semanais, mensais, bimensais, semestrais e anuais têm, para os leitores que as procuram, múltiplas utilidades e colmatam necessidades muito diversas, porque abordam temas absolutamente distintos, de maneiras divergentes, e socorrendo-se de linguagens particulares e adaptadas. Contudo, especificidades aparte, os livros granjeiam, do público em geral, o maior apreço. As feiras do livro reúnem, normalmente, milhares de visitantes, com pretensões e gostos dos mais variados quadrantes literários. Muitos são os que querem aproveitar para adquirir, a preços bastante mais convidativos, peças para o seu espólio cultural e decorativo. Efectivamente, as estantes guarnecidas conferem à casa um ambiente selecto e a concentração de assuntos, em formas e aparências diferentes. Por exemplo, um livro de matemática será sempre mais carrancudo do que qualquer outro, mas isso prende-se com o facto de ter muitos problemas…

Há quem preencha com a leitura uma grande fatia das suas horas vagas. Em casa ou vestindo a pele de autênticos “ratos de biblioteca”, devoram volumes inteiros num ápice, apoiados na máxima de que «o saber não ocupa lugar». Ainda bem, nomeadamente para os idosos (verdadeiras bibliotecas vivas) e aqueles que, de tanto ler, mais parecem enciclopédias com pernas, porque, de certeza, alguém se lembraria de lhes cobrar uma taxa sobre o espaço tomado por tanta sabedoria!



Maria Bijóias

Título: Diz-me o que lês-te e dir-te-ei o que sabes!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

772 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSofia Nunes

    11-09-2012 às 12:16:46

    Considero que aquilo que lemos diz muito de nós enquanto ser cultural, moral e social. Há três anos, antes de entrar para a universidade, lia os livros da saga Crepúsculo e achava que eram bons. Hoje, apenas três anos mais tarde, leio Melville, Steinbeck e Tolstoy. Não podia ter mudado mais.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    10-09-2012 às 13:29:13

    Eu leio muito mesmo. Arranjo sempre um tempo para ler e há sempre concentração quando o livro é óptimo. Naqueles dias chuvosos de Inverno, sabe tão bem ler um bom livro perto da lareira, rodeada pelos nossos entes queridos felizes. É muito entusiasmante quando leio um livro enorme em muito pouco tempo. Fico tão feliz que vou logo comprar outro livro. O pior é quando este já não corre tão bem, ou seja, seca.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãotiggs

    18-04-2010 às 20:42:41

    lês-te ou leste?

    ¬ Responder
  • Gabriel Rosa

    06-06-2015 às 15:08:31

    "leste"

    https://www.facebook.com/PortoEditora/posts/587379017966278

    ¬ Responder

Comentários - Diz-me o que lês-te e dir-te-ei o que sabes!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cães e Humanos: Amizade por interesses

Ler próximo texto...

Tema: Animais Estimação
Cães e Humanos: Amizade por interesses\"Rua
Não é de hoje que os cães são considerados nossos melhores amigos, porém como toda amizade ela não é totalmente incondicional e livre de interesses, pense bem, você pode discordar a princípio, mas analise a fundo e verá que tenho razão.

Cães convivem conosco a mais de 10mil anos, foi lá atrás na pré história que essa amizade começou, uma das mais duradouras da história. Teorias dizem que essa conexão iniciou pois ambas as espécies precisavam de algo que não possuíam e juntos se completaram.

Em plena era do gelo onde a sobrevivência estava sendo testada a todo vapor, aquele lobo considerado mais corajoso se encontrou com um homem também corajoso e resolveram unir forças, talvez não conscientemente, mas deu certo para ambos, e ali iniciava uma amizade que duraria por milênios.

Nesse estágio da nossa história, corríamos perigo de sobrevivência; faltava comida, segurança e energia ! ... E então percebemos que esses lobos simpáticos poderiam nos dar uma vantagem na corrida contra a morte, afinal eles caçavam muito bem , coisa que tínhamos dificuldade em fazer pela falta de energia naquele momento; então pensamos, eles nos ajudam a caçar, nós dividimos o alimento e em troca eles ganham segurança e afeto, e foi assim que essa amizade nos ajudou a enfrentar todos os percalços do caminho, e hoje evoluímos tanto que não precisamos mais de seus serviços e ainda sim continuam sendo nossos melhores amigos, posso dizer então que realmente é uma amizade verdadeira, que surgiu da dificuldade e interesses mas que não se deixou abalar por nada.

Então, agora quando virmos alguém maltratar esses animais, desdenhar deles dizendo que "não prestam pra nada", "não fazem nada de útil", como a galinha que põe ovos, ou a vaca que dá leite, lembremo-nos o quão útil eles foram na nossa caminhada, não só no quesito físico mas também no emocional, numa época em que as aparências não importavam e nem o QI para se fazer um amigo, bastava ser corajoso o bastante pra ultrapassar barreiras e conhecer mais o outro, do jeito que ele viesse, garanto que vantagens incríveis nascerão dessa amizade, e não pense em vantagens como algo ruim, quando digo penso em a vantagem da gente se sentir o humano mais importante do mundo quando esses seres peludos nos olham nos olhos sem pedir mais nada em troca, damos e recebemos carinho como nunca, uma retribuição silenciosa a quem sempre esteve do nosso lado, no pior e melhor momento.

O maior interesse em uma amizade é que ela dure para sempre, e acho que com os Cães conseguimos isso.

Pesquisar mais textos:

Lara Lavic

Título:Cães e Humanos: Amizade por interesses

Autor:Lara Lavic(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios