Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Vestuário > Controle os gastos

Controle os gastos

Categoria: Vestuário
Visitas: 8
Comentários: 3
Controle os gastos

O mundo atravessa uma crise económica, que tem levado o comércio a enfrentar grandes dificuldades. Muitas das lojas anteriormente lotadas de pessoas, têm visto o número de clientes a diminuir. Perante este cenário, os investimentos em publicidade também têm decrescido. Só que para lutar contra este problema, algumas lojas têm recorrido a estratégias primárias, tais como a oferta de brindes ou as liquidações com descontos que variam entre os 20 e os 70%, de forma a atrair o consumidor. As grandes empresas têm-se preocupado em compreender o que envolve o acto de comprar, de maneira a criarem essa necessidade e consequentemente aumentarem as vendas. Aliada a estas técnicas surge agora uma nova ciência dedicada a desvendar as raízes de uma decisão tão importante como é a de gastar dinheiro, já que mais do que nunca os consumidores estão a apertar os cordões à bolsa. Uma conclusão científica veio ditar que o consumo está mais ligado às emoções do que à razão, identificando mesmo regiões cerebrais que são activadas no momento da compra. Quando a compra é impulsiva, desperta três zonas do cérebro: o hipocampo, onde a memória está armazenada e é activado quando um produto remete para uma experiência positiva do passado; o cortéx pré-frontal que é accionado no momento em que a pessoa se identifica com uma marca e o núcleo acumbens onde se registam as sensações de prazer, entrando em actividade quando a pessoa percebe estar diante de uma compra que lhe será vantajosa.

Por outro lado, quando a compra é mais racional activa duas zonas, sendo elas o cortéx insular onde são processadas as emoções negativas, ficando em alerta quando se chega à conclusão que o produto não irá oferecer uma boa relação custo-benefício e o cerebelo que é de onde parte o estímulo para se pegar num produto exposto na prateleira, mas apenas depois de se ter racionalizado o gesto.

A verdade é que tudo isto faz sentido ou não me diga que nunca se sentiu num grande impasse perante uma compra? Se há momentos em que consegue controlar a vontade de comprar aquele vestido tão caro que lhe fica maravilhosamente bem, mas que na verdade não lhe faz falta, há outras em que tudo acontece tão rápido, de forma impulsiva que nem dá conta que acabou de estourar com o crédito do seu cartão, num par de sapatos pelos quais se apaixonou à primeira vista…

Fazer compras não é mais do que um acto de saber gerir as necessidades e os gastos que pode fazer. Não é uma tarefa fácil, mas também não é impossível.

Assim, para que não cometa excessos, aceite o conselho de uma consumidora assumida, e tente estabelecer limites. No início de cada mês faça as contas e defina quanto pode gastar em roupa (a maior perdição das mulheres) e depois estabeleça quanto está disposta a gastar em cada peça de vestuário. Por exemplo, só compra calças até 30 euros, camisas até 20 euros, sapatos até 40 euros… e sempre que encontrar algo que esteja acima destes valores, controle-se e não ceda. Adira a esta sugestão e depois diga-me se não lhe facilitou a vida.



Catarina Guedes Duarte

Título: Controle os gastos

Autor: Catarina Guedes Duarte (todos os textos)

Visitas: 8

607 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • SophiaSophia

    09-06-2014 às 02:22:48

    Muito boa a explicação de como nosso cérebro reage em meio às compras. Nooossa, amei! É isso mesmo! Temos que nos controlar, temos que controlar nossa mente!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarla Horta

    09-09-2012 às 12:43:17

    Uma boa dica é estabelecer um dia para ir às compras e levar somente o dinheiro que quer gastar. Aproveite os saldos e as reduções, pois nestas alturas podemos comprar com um valor muito mais baixo que o normal. Estabelecer limites para controlar os gastos é a melhor ideia.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoleonardo

    03-03-2009 às 23:11:21

    catarina, obrigado gostei muito do teu texto. fez -me muito sentido a dica de "estabelecer limites".
    vou seguir a tua sugestão.

    ¬ Responder

Comentários - Controle os gastos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Penumonia, as suas causas, sintomas e tratamento

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Penumonia, as suas causas, sintomas e tratamento\"Rua
A pneumonia é uma infecção bacteriana ou viral dos pulmões. Os sintomas podem incluir febre, calafrios, falta de ar, tosse que produz fleuma e dor no peito. Geralmente, a pneumonia pode ser tratada com sucesso em casa com antibióticos, mas alguns casos podem exigir hospitalização e podem resultar em morte. Vacinas estão disponíveis contra alguns dos agentes infecciosos mais comuns que causam pneumonia.

Causas de pneumonia
A pneumonia é uma infecção das bolsas de ar nos pulmões, sendo causada por bactérias, vírus ou, raramente, fungos. A maioria dos casos de pneumonia são causados por bactérias, mais comumente Streptococcus (doença pneumocócica), mas a pneumonia viral é mais comum em crianças.
 
Qualquer pessoa pode desenvolver pneumonia, mas alguns grupos estão em maior risco. Estes incluem:
- Bebês e crianças pequenas, particularmente aqueles nascidos prematuramente
- Pessoas que tiveram uma infecção viral recente, como um resfriado ou gripe
- Fumantes
- Pessoas com condições pulmonares crônicas, como asma, bronquite ou bronquiectasias
- Pessoas com sistema imunológico enfraquecido
- Pessoas que bebem álcool em excesso
- Pacientes hospitalizados
- Pessoas que tiveram problemas de deglutição ou tosse após um acidente vascular cerebral ou outra lesão cerebral
- Pessoas com 65 anos ou mais.
A pneumonia pode desenvolver-se quando uma pessoa respira as pequenas gotículas que contêm pneumonia, mas também pode ocorrer quando bactérias ou vírus que estão normalmente presentes na boca, nariz e garganta, entram nos pulmões.

sinais e sintomas de pneumonia
A pneumonia viral tende a desenvolver-se lentamente ao longo de vários dias, enquanto que, geralmente, a pneumonia bacteriana desenvolve-se rapidamente, muitas vezes ao longo de um dia.
A maioria das pessoas que desenvolvem pneumonia, inicialmente, têm uma infecção viral, como um resfriado ou gripe, que produz sintomas como dor de cabeça, dores musculares e febre. Se uma pneumonia se desenvolver, geralmente, os sintomas incluem:
- Febre alta
- Calafrios
- Falta de ar
Aumento da frequência respiratória
- Uma tosse que piora e que pode produzir escarro descolorido ou sangrento (fleuma)
- Dores no peito causadas pela inflamação da membrana que reveste os pulmões.

Em bebês e crianças, os sintomas podem ser menos específicos e podem não mostrar sinais claros de uma infecção no peito. Comumente eles terão uma febre alta, podendo parecer muito indispostos e tornarem-se letárgicos, mas eles também podem produzir uma respiração barulhenta e apresentar dificuldade para se alimentarem.
 
Também é possível que a pele, lábios e unhas se possam tornar-se azulados. Este é um sinal de que os pulmões são incapazes de fornecer oxigênio suficiente para o corpo. Se isso ocorrer, é vital procurar assistência médica imediatamente.

Diagnóstico para pneumonia
Se houver suspeita de pneumonia, é importante procurar atendimento médico com prontidão para que um diagnóstico preciso e um tratamento adequado possam ser implementados.

O médico poderá obter um histórico médico e realizar um exame físico. Durante o exame, o médico ouvirá o tórax com um estetoscópio. Respiração grosseira, sons crepitantes, sibilos e sons respiratórios reduzidos numa determinada parte dos pulmões podem indicar pneumonia.
Geralmente, para confirmar o diagnóstico, realiza-se uma radiografia de tórax. O raio-X mostrará a área do pulmão afetada pela pneumonia. Também podem ser efectuadas análises ao sangue e uma amostra do escarro pode ser enviada para um laboratório para realização de testes.

Tratamento de pneumonia
A maioria dos casos de pneumonia podem ser tratados em casa. Entretanto, bebês, crianças e pessoas com pneumonia grave podem precisar de ser internados num hospital para tratamento.
Geralmente, a pneumonia é tratada com antibióticos, mesmo que exista suspeita de pneumonia viral, já que também pode haver um grau de infecção bacteriana. O tipo de antibiótico utilizado e a forma como será administrado serão determinados pela gravidade e causa da pneumonia.
Se a pneumonia puder ser tratada em casa, geralmente, o tratamento inclui:
- Antibióticos, administrados por via oral sob a forma de comprimidos ou líquidos
- Medicamentos para alívio da dor
- Paracetamol para reduzir a febre
- Descansar

Se for necessário tratamento hospitalar, gerlamente, o tratamento inclui:
- Antibióticos administrados por via intravenosa
- Terapia de oxigênio, para garantir que o corpo receba o oxigênio de que precisa
- Fluidos intravenosos, para corrigir a desidratação ou se a pessoa estiver muito indisposta para comer ou beber
- Fisioterapia, para ajudar a limpar o escarro dos pulmões.

Pesquisar mais textos:

José Antunes

Título:Penumonia, as suas causas, sintomas e tratamento

Autor:José Antunes(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios