Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Vestuário > Controle os gastos

Controle os gastos

Categoria: Vestuário
Visitas: 8
Comentários: 3
Controle os gastos

O mundo atravessa uma crise económica, que tem levado o comércio a enfrentar grandes dificuldades. Muitas das lojas anteriormente lotadas de pessoas, têm visto o número de clientes a diminuir. Perante este cenário, os investimentos em publicidade também têm decrescido. Só que para lutar contra este problema, algumas lojas têm recorrido a estratégias primárias, tais como a oferta de brindes ou as liquidações com descontos que variam entre os 20 e os 70%, de forma a atrair o consumidor. As grandes empresas têm-se preocupado em compreender o que envolve o acto de comprar, de maneira a criarem essa necessidade e consequentemente aumentarem as vendas. Aliada a estas técnicas surge agora uma nova ciência dedicada a desvendar as raízes de uma decisão tão importante como é a de gastar dinheiro, já que mais do que nunca os consumidores estão a apertar os cordões à bolsa. Uma conclusão científica veio ditar que o consumo está mais ligado às emoções do que à razão, identificando mesmo regiões cerebrais que são activadas no momento da compra. Quando a compra é impulsiva, desperta três zonas do cérebro: o hipocampo, onde a memória está armazenada e é activado quando um produto remete para uma experiência positiva do passado; o cortéx pré-frontal que é accionado no momento em que a pessoa se identifica com uma marca e o núcleo acumbens onde se registam as sensações de prazer, entrando em actividade quando a pessoa percebe estar diante de uma compra que lhe será vantajosa.

Por outro lado, quando a compra é mais racional activa duas zonas, sendo elas o cortéx insular onde são processadas as emoções negativas, ficando em alerta quando se chega à conclusão que o produto não irá oferecer uma boa relação custo-benefício e o cerebelo que é de onde parte o estímulo para se pegar num produto exposto na prateleira, mas apenas depois de se ter racionalizado o gesto.

A verdade é que tudo isto faz sentido ou não me diga que nunca se sentiu num grande impasse perante uma compra? Se há momentos em que consegue controlar a vontade de comprar aquele vestido tão caro que lhe fica maravilhosamente bem, mas que na verdade não lhe faz falta, há outras em que tudo acontece tão rápido, de forma impulsiva que nem dá conta que acabou de estourar com o crédito do seu cartão, num par de sapatos pelos quais se apaixonou à primeira vista…

Fazer compras não é mais do que um acto de saber gerir as necessidades e os gastos que pode fazer. Não é uma tarefa fácil, mas também não é impossível.

Assim, para que não cometa excessos, aceite o conselho de uma consumidora assumida, e tente estabelecer limites. No início de cada mês faça as contas e defina quanto pode gastar em roupa (a maior perdição das mulheres) e depois estabeleça quanto está disposta a gastar em cada peça de vestuário. Por exemplo, só compra calças até 30 euros, camisas até 20 euros, sapatos até 40 euros… e sempre que encontrar algo que esteja acima destes valores, controle-se e não ceda. Adira a esta sugestão e depois diga-me se não lhe facilitou a vida.



Catarina Guedes Duarte

Título: Controle os gastos

Autor: Catarina Guedes Duarte (todos os textos)

Visitas: 8

607 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • SophiaSophia

    09-06-2014 às 02:22:48

    Muito boa a explicação de como nosso cérebro reage em meio às compras. Nooossa, amei! É isso mesmo! Temos que nos controlar, temos que controlar nossa mente!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarla Horta

    09-09-2012 às 12:43:17

    Uma boa dica é estabelecer um dia para ir às compras e levar somente o dinheiro que quer gastar. Aproveite os saldos e as reduções, pois nestas alturas podemos comprar com um valor muito mais baixo que o normal. Estabelecer limites para controlar os gastos é a melhor ideia.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoleonardo

    03-03-2009 às 23:11:21

    catarina, obrigado gostei muito do teu texto. fez -me muito sentido a dica de "estabelecer limites".
    vou seguir a tua sugestão.

    ¬ Responder

Comentários - Controle os gastos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios