Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Seguros > Seguros para todos os gostos

Seguros para todos os gostos

Categoria: Seguros
Visitas: 2
Comentários: 2
Seguros para todos os gostos

Antigamente ninguém sabia o que era ter um seguro, até porque o único seguro que até então existia, era o seguro do carro e mesmo assim, apesar da sua obrigatoriedade, nem toda a gente proprietária de automóveis o tinha. Entretanto, de um momento para o outro, apareceram seguros para tudo. É o seguro da casa, o seguro de saúde, o seguro de vida, o seguro de bens materiais, o seguro de viagem… até o seguro para o corpo. Enfim, há seguro para tudo o que possa imaginar. E nós como cada vez mais temos o defeito de pecar pelo excesso, vamos subscrevendo alguns planos, sem sequer nos preocuparmos com os encargos que isso possa trazer.

Nós queremos é sentir que estamos seguros e que mesmo que algo de mal aconteça, o seguro irá ser a nossa salvação. As pessoas esquecem-se é que antigamente não havia nada disto e que mesmo assim sobrevivíamos. Não é que seja contra as seguradoras, porque eu própria tenho um seguro, mas também admito que só o tenho porque é o meu empregador que o paga. Se assim não fosse, teria que estudar muito bem as ofertas que o mercado tem, até porque são tantos os pacotes que oferecem, que uma pessoa acaba por ficar baralhada.

A meu ver o mais importante deles é o que nos permite ter acesso a bons serviços médicos. O ano passado a minha médica de família mandou-me fazer diversos exames a nível neurológico e cardíaco. Se estivesse a contar com o serviço de saúde nacional, possivelmente ainda hoje não os teria terminado, mas com o desconto que o seguro me permite, fiz tudo no privado, por um preço bastante baixo e depressa acabei com os medos. Também me recordo dos dias em que estava tão doente, que mal conseguia sair da cama e com apenas uma chamada telefónica, em menos de uma hora tinha em minha casa um médico a observar-me e a medicar-me, sem que para tal tivesse que pagar. Esta situação acontecia quando tinha o seguro da AMI, que sempre considerei muito credível e útil, além de que oferecia excelentes serviços, por um preço mínimo.

Hoje em dia, a concorrência destes serviços é tão feroz que há mesmo quem abdique de os ter, por não conseguir qual o que lhe oferece melhor condições, é que uma pessoa cansa-se de tanta oferta, quando no fundo os principios que cobrem são similares. O certo é que cada vez mais são as pessoas seguradas, seja a que nível for, chegando algumas ao exagero de subscrever serviços que nunca vão precisar, mas que pagam porque sentem-se mais seguras.

Ter um seguro é importante, mas analise bem as suas reais necessidades e não se deixe ir em estratégias de marketing que lhe podem sair caras. É bom sentir-se seguro, mas até que ponto é fundamental?



Catarina Guedes Duarte

Título: Seguros para todos os gostos

Autor: Catarina Guedes Duarte (todos os textos)

Visitas: 2

628 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    29-05-2014 às 06:50:44

    Realmente, é tanto seguro ofertado que o melhor mesmo é ser seletivo e ver as reais necessidades da pessoa.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoheliogo

    15-04-2009 às 00:22:34

    Sim , eu sei que tenho um nome estranho. Eu sei disso prefeitamente. Eu consigo viver com isso. Há! de seguros , não tenho, não quero, não concordo em ter seguros, e irritame estarem sempre a telefonarem-me a convencer para eu, heliogo, fazer um seguro de vida.

    Eles estão é lo...

    ¬ Responder

Comentários - Seguros para todos os gostos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios