Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Informática > A dependência da informática

A dependência da informática

Categoria: Informática
Visitas: 20
Comentários: 25
A dependência da informática

Estamos, indubitavelmente, na era da informática. Os programas de software são cada vez mais exigentes, o que obriga a um aperfeiçoamento constante do hardware. O software exige que a máquina (hardware) detenha predicados que permitam trabalhar com maior rapidez e eficácia superior. Sendo assim, as evoluções de software e hardware andam a par e esta concomitância leva a que, tanto particulares como empresas, se vejam na iminência de proceder a investimentos sucessivos de renovação dos equipamentos, nomeadamente no que respeita aos computadores portáteis.

É clara a relação de proximidade entre a informática e a gestão, sua “freguesa” de eleição. A própria construção de sistemas de informação no interior de uma estrutura organizacional é percepcionada como um acto de gestão. A natureza técnica fica subjugada aos objectivos a atingir e a dimensão da intervenção informática constitui apenas um pormenor.

Não obstante a curta “vida” dos aparelhos, a decisão de aquisição ou substituição destes obedece a determinadas ponderações, sobretudo em tempos de crise. Há empresas que optam pela via do crédito bancário, outras que negoceiam prazos de pagamento mais alargados, e ainda outras que preferem aguardar alguma retoma económica para então investir. Muitas apostam na vertente informática para reduzir ao mínimo os custos com a mão-de-obra, e a actualização contribui grandemente para a rentabilização dos negócios. Não será fácil nem muito expectável encontrar, nos dias que correm, uma empresa que subsista sem estar dotada de rede informática. A dependência da tecnologia pode estar relacionada com tarefas internas, tais como a facturação e a gestão de stocks, com a premente necessidade de comunicação (com fornecedores, sócios, clientes, ou mesmo colegas de função), com certos cálculos e projecções, com estatísticas e simulações, enfim, a actividade económica encontra-se alicerçada, quase na totalidade, nos instrumentos informáticos.

A “vassalagem” prestada aos computadores deve, porém, revestir-se de uma boa dose de bom senso, a fim de se evitar cair em excessos e mergulhar naquilo que alguns apelidam de “stress digital”. Este estado de “nervoso miudinho” advém da exigência de adaptação do utilizador ao manuseamento dos engenhos e às novas possibilidades de relacionamento com o mundo. O mau uso tecnológico sacrifica relações afectivas, o são convívio com outras pessoas, e conduz a repertórios de vida depauperados e diminuídos em diversos aspectos, podendo ainda ser o móbil da baixa de rendimento na escola ou no emprego.

Afigura-se, portanto, vital a concepção de ideias para atenuar o isolamento e de estratégias que precavenham a demasia de tarefas a realizar. Deste modo, além de se defender contra o “stress digital”, esquiva-se ao título de “maluquinho (a) dos computadores”…


Maria Bijóias

Título: A dependência da informática

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 20

810 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 25 )    recentes

  • SophiaSophia

    06-05-2014 às 19:56:05

    Estamos a cada dia dependentes da informática. Só não podemos deixar de fazer algo quando está não se encontra disponível!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    08-10-2012 às 15:18:10

    Um dos aspectos mais preocupantes é o facto de toda a humanidade neste momento ser gerida através da informática. Até que ponto um atentado tecnológico não colocaria em risco os dados de instituições e governos de forma devastadora. As bases de dados, processos e informações em papel caíram em desuso, causando uma dependência perigosa da informática.

    ¬ Responder
  • Ruben GonçalvesRuben Gonçalves

    08-10-2012 às 01:22:12

    Há casos de pessoas que são muito dependentes da informática pela sua profissão outras criaram essa dependência como uma alternativa á vida real. Tal como todas as outras dependências a informática pode-se tornar um grave problema se implicar mudanças no nosso comportamento social.

    ¬ Responder
  • Ruben GonçalvesRuben Gonçalves

    08-10-2012 às 01:22:01

    É um facto que um computador de secretaria tem melhor desempenho e que um portátil pode ser extremamente útil. Mas pensarmos comprar dois computadores na mesma altura pode não fazer sentido nenhum. Podemos comprar alternadamente cada uma das versões de forma a termos sempre pelo menos uma das máquinas atualizada.

    ¬ Responder
  • Ruben GonçalvesRuben Gonçalves

    08-10-2012 às 01:21:47

    Dependendo do uso que fazemos da máquina e dos recursos que utilizamos, um computador pode durar vários anos e não devemos ser iludidos com marketing. Devemos sempre analisar bem as características de um computador e comparar vários produtos antes de efetivar a compra. Uma boa escolha pode sair mais barata a longo prazo se nos durar mais tempo, mas pode não fazer sentido se não precisamos de uma máquina tão sofisticada.

    ¬ Responder
  • Ruben GonçalvesRuben Gonçalves

    08-10-2012 às 01:21:24

    Por conseguirmos encontrar imensas soluções em frente a um computador, isso não significa que possamos abdicar da nossa vida real e das nossas relações com outras pessoas. A capacidade de relacionamento é um dos principais factores para a nossa evolução enquanto seres humanos e não podemos de forma alguma encontrar uma alternativa numa máquina. Pelo menos para já...

    ¬ Responder
  • Ruben GonçalvesRuben Gonçalves

    08-10-2012 às 01:21:09

    A nossa relação com a informática tem vindo a tornar-se cada vez mais intensa, principalmente no caso dos jovens, que usam a maior parte das funcionalidades informáticas em prol do seu conforto. Mesmo as pessoas de maior idade acostumaram-se a usar as inúmeras vantagens que a tecnologia trouxe até nós. Este facto faz com que a evolução tecnológica seja cada vez mais rápida.

    ¬ Responder
  • Ruben GonçalvesRuben Gonçalves

    08-10-2012 às 01:20:52

    Efetivamente de uma forma ou de outra todos somos dependentes da informática, uns mais do que outros. Nos países desenvolvidos mesmo os que pensam usar pouco o computador têm uma enorme dependência da informática tendo em conta que dependemos de uma série de sistemas informáticos que gerem o país.

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    07-10-2012 às 23:26:38

    Muito se estuda sobre a revolução industrial e as suas origens e consequências. Muitos de nós não se apercebe que passámos (e ainda passamos, naturalmente por uma das maiores revoluções no mundo - A revolução tecnológica. Esta revolução criou uma dependência nunca antes vista na história da humanidade.

    ¬ Responder
  • Pedro gil FerreiraPedro gil Ferreira

    07-10-2012 às 11:19:31

    Sem dúvida que há cada vez mais pessoas dependentes da informática.O motivo deve-se á substituição de trabalhadores pelos recursos de informática o que faz com que muita gente trabalhe à distância.Outro motivo são as redes sociais que para muita gente são um modo de preencher vazios existenciais ou de isolamento.

    ¬ Responder
  • Gabriela TorresGabriela Torres

    06-10-2012 às 02:42:08

    Somos todos viciados em informática.Na verdade,somos viciados em tecnologia em geral.Qualquer coisa que tenha a ver com tecnologia nos desperta o interesse imediato.Estamos numa era onde ficou impossível viver sem tecnologia.

    ¬ Responder
  • Anne TeixeiraAnne Teixeira

    05-10-2012 às 01:43:11

    Percebo que ultimamente as pessoas estão mais dependentes ainda da tecnologia. Já não conseguem se desligar, pois temos redes sociais de todos os tipo que sempre são atualizadas dizendo o que estamos fazendo ou deixando de fazer.Apesar de ser um benefício, tecnologia demais pode distanciar as pessoas que estão mais próximas, exatamente por elas se comunicarem com quem está mais distante. Um bom exemplo disso é que estou escrevendo agora pra pessoas do mundo todo.

    ¬ Responder
  • Pedro gil FerreiraPedro gil Ferreira

    03-10-2012 às 18:49:18

    A dependência da informática já é uma realidade, tal como a realidade virtual.Por mais que se queira fugir, ela aí está sempre à espreita para tudo, impondo-se no social.São as compras pela net, mais cómodas, as redes sociais, os trabalhos da escola e do emprego, os mails ds amigos et.Em face disto a necessidade e a dependência instala-se sem mesmo se dar por isso.

    ¬ Responder
  • Cristina SousaCristina Sousa

    03-10-2012 às 14:09:03

    A informática trouxe vantagens no quotidiano das empresas, pois proporcionou a otimização da produção. Tendo sido assim possível aumentar a produção, minimizar os tempos produtivos e reduzir os custos de produção. No entanto, a informatização de muitas operações provocou a substituição de mão de obra por máquinas.

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    03-10-2012 às 09:59:37

    Há cada vez mais pessoas dependentes da informática. dos jogos e das redes sociais.Se por um lado tudo isso faz evoluir e contactar com outras pessoas, por outro provoca dependência e isolamento.O isolamento social reflete o uso indiscriminado das redes sociais, em especial Facebook , twitter e youtube.

    ¬ Responder
  • Jovita CapitãoJovita Capitão

    02-10-2012 às 01:17:44

    Parabéns pelo seu texto e pelo assunto em questão. Também eu, não vivo sem as novas tecnologias. Quando era pequena não me faziam falta, mas hoje é indispensável o uso do computador com acesso á internet. A evolução do tempo permite que muitas pessoas utilizem a internet para trabalhar e para ter o seu sustento ao final do mês. Como eu costumo dizer, a internet é a minha "janela para o mundo".

    ¬ Responder
  • Luís da CostaLuís da Costa

    29-09-2012 às 17:35:28

    O texto que acabei de ler reflecte, sem sombra de dúvida, a forma como os fabricantes de "hard e software" exploram essa neessidade. A escolha de um equipamento informática deve ser criteriosa e baseada naquilo que precisamos usar num computador. Existem ainda os sistemas livres e grátis (open source) que permitem ao urlizidazor, pe,lo menos, economizar no software. O que mais me choca são os preços exorbitantes pedidos pelos fornecedores de serviços de Internet.

    ¬ Responder
  • Nilson EmpreendedorNilson Uemoto

    28-09-2012 às 06:03:05

    Eu confesso que atualmente sou totalmente dependente da informática e da internet.Faço praticamente tudo on line,converso com amigos,pago contas,me divirto, ouço musicas e vejo vídeos,só não como e não tomo banho pelo computador porque não dá kkkk.Eu nem imaginaria até há pouco tempo atrás que ficaria tão viciado em internet, mas hoje vivo mais a realidade virtual do que a minha vida real

    ¬ Responder
  • Daiany Nascimento

    27-09-2012 às 12:30:13

    Computadores modernos, a internet e todo o mundo da informática, de maneira geral, atualmente não quase impossíveis de excluir da nossa vida. Podemos notar a presença de tais aparelhos em praticamente tudo o que vamos fazer, não é mesmo? Seja para estudar, trabalhar ou utilizá-los para fazer outras tarefas do dia a dia. Portanto, não há como imaginar um mundo com a ausência de tal tecnologia, pois ela ajuda e muito a muitas pessoas !

    ¬ Responder
  • Gabriela TorresGabriela Torres

    26-09-2012 às 03:16:37

    Tem muita gente que é viciado em internet.Que não consegue ficar um dia sem acessar o email.Acho que isso é normal,já que vivemos num mundo onde a informática domina tudo.

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    25-09-2012 às 13:29:50

    No mundo dos nossos dias pode dizer-se que há já uma dependência da informática.Ela é necessária para quase tudo e não se prescinde dela, desde as redes sociais, programas informáticos para tudo, marketing pela net, ensino à distância etc.Na verdade já todos usam o computador para tudo e não passam sem ele.A informática entrou na vida das pessoas e criou dependência psicológica e outras.E, o leitor o que acha disto?

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    24-09-2012 às 17:45:55

    Somos seres dependentes da informática. Isso de fato é uma verdade muito grande. Para tudo que iremos fazer, nos recorremos a ela. Seja no trabalho, estudos, para diversão, todas as coisas que realizamos, precisamos dela em nosso dia a dia. Ela nos auxilia, ajuda, facilita todas as nossas atividades. As vezes, fico imaginando como era anteriormente e eles conseguiam sobreviver sem ela, hoje podemos comprovar que sem ela não somos nada. Que tristeza esse fato!

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    24-09-2012 às 17:27:12

    Os computadores, a internet e o universo informático em geral disseminaram-se de tal modo que para nós é hoje inconcebível um mundo sem eles. E se é verdade que a o computador é uma ferramenta essencial para os estudos e para muitas áreas de trabalho, seria de esperar que na nossa vida pessoal não nos quiséssemos ver invadidos por estes aparelhos electrónicos. Mas não: os computadores e a tecnologia informática chegaram, verdadeiramente, para ficar.

    ¬ Responder
  • André BelacorçaAndré Belacorça

    21-09-2012 às 22:48:35

    O ser Humano sim, realmente tornou-se dependente da informática, das redes sociais, dos programas do computador, dos jogos, tudo o que engloba informática, somos todos dependentes dela, por certa parte, muito felizmente.

    ¬ Responder
  • Luis Antinioaparecida

    24-03-2011 às 14:32:42

    adorei me ajudou muito no meu trabalho

    ¬ Responder

Comentários - A dependência da informática

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O segredo de Van Gogh (Campo de Trigo com corvos)

Ler próximo texto...

Tema: Arte
O segredo de Van Gogh (Campo de Trigo com corvos)\"Rua
‘Campo de trigo com corvos’ destaca-se como uma das mais poderosas e mais ferozmente debatidas pinturas de Vincent Van Gogh. As várias interpretações deste trabalho em particular são provavelmente mais variadas do que qualquer outro na obra de Van Gogh. Alguns o veem como a "nota de suicídio" de Van Gogh transformada em uma tela, enquanto outros mergulham para além de uma visão geral superficial do assunto e favorecem uma abordagem mais positiva. Alguns críticos mais extremos vão ainda um pouco mais longe - além da tela e das pinceladas - a fim de traduzir as imagens em uma linguagem inteiramente nova do subliminar.

Uma análise artística é, por sua própria natureza, um esforço subjetivo. Ainda assim, as interpretações mais razoáveis são melhor realizadas a partir de uma base fatual.

Ao contrário do mito popular, ‘Campo de trigo com corvos’ não é a última obra de Van Gogh. A pintura é, sem dúvida, turbulenta e, certamente, transmite uma sensação de solidão nos campos - uma imagem poderosa de Van Gogh como artista derrotado e solitário em seus últimos anos. Além disso, ambos os filmes populares ‘Lust for Life’ e ‘Vincent and Theo’ reescrevem a história e retratam esta pintura como sendo a última de Van Gogh - com mais interesse pelo efeito dramático do que pela precisão histórica.

A datação precisa de ‘Campo de trigo com corvos’ é difícil devido à sua semelhança com outras obras que Van Gogh estava pintando e escrevendo, dentro do mesmo período temporal.

Do ponto de vista simbólico vale a pena rever os elementos básicos da pintura e depois explorar cada um a partir de vários e diferentes fins interpretativos do espectro.

Os caminhos presentes no quadro são basicamente compostos de três conjuntos: dois em cada canto de primeiro plano e uma terceira no enrolamento em direção ao horizonte médio. Os caminhos desafiam a lógica em que eles parecem se originar, pois vêm do nada e levam a lugar nenhum. Alguns interpretaram isso como uma confusão em curso na vida de Van Gogh acerca da direção dúbia que a sua própria vida havia tomado. O caminho do meio manteve-se o mais fértil para a interpretação simbólica. O caminho leva a algum lugar? Será que com sucesso se atravessará o campo de trigo e se chegará a novos horizontes? Ou será que, de fato, termina em um beco sem saída inevitável? Van Gogh deixa ao apreciador da sua pintura essa decisão.

Desde os seus primeiros anos como artista Van Gogh, gostava de cenas envolvendo céu tempestuoso. Van Gogh tinha mesmo um grande respeito pelas forças da natureza e inclui céus turbulentos em uma série de suas obras, porque o assunto é tão poderoso e tão cheio de potencial artístico que causa impacto em uma tela vazia. Além disso, Van Gogh escreveu uma vez sobre as possibilidades libertadoras das tempestades: "O piloto, por vezes, consegue avançar porque tem de vencer a tempestade e não ser forçosamente destruído por ela”. Claro que, como o passar dos anos, o seu estado mental tornou-se mais debilitado e suas perceções em relação à natureza podem ter ‘escurecido’. No entanto, pode-se argumentar que Van Gogh entendeu as tempestades como uma parte vital e positiva da natureza.

Provavelmente, a imagem mais poderosa dentro do campo de trigo com corvos é a dos próprios corvos. Mais uma vez, muita interpretação simbólica surgiu a partir da representação do bando de corvos. Grande parte da especulação depende se os corvos estão voando em direção ao pintor (e, portanto, o espectador) ou para longe dele. Se o espectador escolhe perceber que os corvos estão voando em direção ao primeiro plano, entenderá essa aproximação com um mau presságio, como um pressentimento obscuro. Se entender que os corvos se afastam, uma sensação de alívio pode ser experienciada. Tudo depende da perspetiva e da carga emocional que o apreciador colocar na pintura e na sua interpretação no momento.

A verdade é que não há nenhuma resposta certa sobre qual a direção, se houver alguma, que os corvos estão seguindo. Este ponto permanece sem solução e, consequentemente, a sua subjetividade aumenta e a sua análise torna-se discutível.

Em segundo lugar, e talvez de maior importância para o entendimento da pintura, a interpretação dos corvos como arautos da morte é uma construção completamente artificial. Van Gogh, em seus próprios escritos, nunca parece aceitar isso mesmo, pelo contrário.

As várias interpretações de ‘Campo de trigo com corvos’ vão desde o mais simples ao mais absurdo. Uma interpretação simbólica pode ser muitas vezes interessante, às vezes reveladora de perseguição. Mas uma sobre-interpretação de uma obra de arte coloca o espectador em risco de perder o que é verdadeiramente essencial. As obras de Vincent van Gogh proporcionam ao espectador uma gama incrivelmente complexa e bonita de assuntos para explorar e para admirar. Seus desenhos são o produto de um relator de habilidade indescritível e suas pinturas são sempre brilhantes, muitas vezes sublime. Os espectadores que passam o tempo à procura de significados em profundidade dentro do campo de trigo com corvos podem se dececionar. Para alguns, o desejo insaciável de entender a mitologia de Van Gogh envia-os numa busca de meras miragens.

Ao invés de buscar respostas dentro de ‘Campo de trigo com corvos’, o apreciador irá sentir seu tempo bem passado se simplesmente admirar o conjunto desta pintura extraordinária: a cor, a vitalidade e a harmonia turbulenta de cada pincelada. Os segredos intangíveis, se os houver, continuarão envoltos no seu próprio reino inefável - como os corvos.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O segredo de Van Gogh (Campo de Trigo com corvos)

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    17-06-2014 às 02:30:44

    As obras de Van Gogh são bem inspirativas. Amei saber dessa história.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • 15-04-2014 às 23:54:00

    É verdade que 3 dos mais caros top 10 quadros do mundo são de Van Gogh?

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios