Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Informática > Como viviamos antes?

Como viviamos antes?

Categoria: Informática
Visitas: 9
Comentários: 1
Como viviamos antes?

Já ninguém se lembra exactamente de quando apareceram, mas todos sabem como lhes mudaram a vida. O que há uns anos parecia um “mono” intocável, hoje são ferramentas indispensáveis. Os computadores vieram para ficar, e rapidamente se modificaram para ganhar lugar na secretária de trabalho de todos. De monstros que ocupavam uma ou várias salas das grandes empresas, evoluíram para simples computadores portáteis, acessíveis a qualquer um e quase a todos os bolsos.

Mas não são imprescindíveis apenas no mundo laboral. Poucos são os que hoje passam sem eles. Consegue-se fazer de tudo num computador com acesso à internet. Desde uma simples pesquisa acerca qualquer assunto, passando pelo pagamento de serviços ou mesmo pela reserva de hotéis do outro lado do globo, tudo é possível, e tudo pode ser feito na mesa do café da esquina da rua. Ao descobrir a internet, é como se descobríssemos outra vida e um sem número de oportunidades.

É até curioso e engraçado assistir à posição das pessoas mais velhas. Se os mais novos mexem num computador “como gente grande” e até parece que já nascem ensinados, os mais velhos têm alguma dificuldade e renitência em fazê-lo. O primeiro encontro é geralmente traumatizante (muitas vezes para ambas as partes!): o receio de fazer mal ou o simples facto de manusear o rato, são obstáculos aparentemente intransponíveis. Na grande maioria dos casos, ao fim de algum tempo, quer seja por gosto ou por obrigação, já todos “tratam o computador por tu”. Então é vê-los a inscreverem-se em cursos, a comprar livros ou a pedir ajuda aos mais próximos, porque querem aprender mais e perderem-se no mundo da internet. O possuir um email e perceber como este funciona, é já uma vitória, capaz de alegrar até o que se sentia mais perdido e ignorante. Tudo o resto vem por arrasto: o procurar a receita para o jantar, enviar aos amigos fotos do neto recém-nascido, consultar o estrato bancário, etc.

Mas se falamos de informática, temos também de nos lembrar que esta está presente em quase todas as actividades do dia-a-dia, até naquelas que nos esquecemos. Já alguma vez pensaram como seria gerido o trânsito de uma grande cidade se não pudéssemos recorrer a computadores? Imaginam um polícia em cada cruzamento? Felizmente tal não acontece, senão tudo seria mais caótico e o tempo que hoje perdemos no trânsito, seria triplicado ou mesmo quadruplicado!

Bem haja a informática!



Cláudia Bandeira

Título: Como viviamos antes?

Autor: Cláudia Bandeira (todos os textos)

Visitas: 9

630 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoIvo

    18-03-2009 às 16:03:05

    Sou totalmente fanatico pela informatica. passo todo dia no meu quarto e até fico zangado quando a minha mãe me chama para comer, que seca de perca de tempo.

    Adoro e vivo na net. O unico amigo que me visita diz que eu sou um frick. Mas eu nem fumo "senas". Como é que posso ser um frick. Isso são os drogados. Ele não me entende nem os meus pais. Bom tenho de ir, estou a responder a mais 4 chats...

    ¬ Responder

Comentários - Como viviamos antes?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios