Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > FIAT 125 Special

FIAT 125 Special

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Automóveis
Visitas: 4
Comentários: 1
FIAT 125 Special

O primeiro carro que tive foi-me oferecido pelo meu avô. Já que também me tinha pago a Carta de Condução, deve ter pensado que não tinha jeito algum deixar o trabalho a meio e, uma vez que só tinha um filho e um neto, lá me comprou um carro em segunda mão, a uma velha amiga da minha avó, dos tempos de solteira.

O carro era um imponente Fiat 125 Special, branco, de 1971 (três anos mais velho que eu), com um potente e rotativo motor de 1608 cm3, jantes especiais, travões de disco às rodas dianteiras, tração traseira, caixa de cinco velocidades, carburador duplo, dupla árvore de cames à cabeça do motor e, ao lado do botão do ar (que regulava a mistura entre o ar e a gasolina e que devia ser puxado para o carro pegar a frio, tornando a mistura mais rica em gasolina), um outro botão que funcionava como acelerador manual, para manter a velocidade constante, por exemplo, em autoestrada – um género de velocidade de cruzeiro. Tinha também a particularidade de ter o depósito de gasolina no interior da bagageira, e os seus cintos de segurança eram já como os atuais.

Os anteriores proprietários tinham-no estimado, pelo que se encontrava em muito bom estado, para a idade, apesar de ter alguns pontos apodrecidos na chapa (mas poucos e pequenos) e a iluminação dos manómetros fosse fraca – notei o mesmo noutros modelos da mesma marca. Estava preparado para autorádio, mas não o tinha. Um simpático vizinho fez-me o favor de me instalar um que eu tinha lá para casa.

Era um carrão! Um três volumes comprido, de frente agressiva, pneus largos, sempre pronto a comer quilómetros, qualquer que fosse a velocidade que eu lhe pedisse – mas confesso que nunca puxei muito por ele, pois ainda estava muito “verde” a conduzir.

É costume dizer-se que o primeiro carro de alguém serve para “desemburrar”, pelo que não convém que seja um carro novo – já que muitas são as asneiras que um condutor inexperiente pode fazer, desgastando em demasia o material. Com este carro, eu não só comecei a “desemburrar”, como ganhei o gosto e o prazer de conduzir. O motor rotativo e sempre com boa resposta parecia estar sempre a dizer: “Puxa por mim! Disfruta do que tenho para dar”. Era carro para puxar e para usar com serenidade, uma vez que o seu espaço e conforto faziam dele um excelente carro de passeio em família.

Foi com pena que me separei dele, um ano depois de o comprar. O meu pai aconselhou-me a trocar de carro e fui para outra marca, para um carro com menos anos, receando que a avançada idade do Fiat viesse a trazer-me despesas de manutenção acima do que se justificaria e do que eu pudesse suportar.

Depois deste Fiat, já guiei outros carros, novos e usados, meus ou emprestados, quase tantos, quantos os anos que tenho de vida. Até hoje, continua a ser um dos três ou quatro carros que mais prazer me deram a conduzir. Uma grande máquina, sem dúvida!


Paulo c. Alves

Título: FIAT 125 Special

Autor: Paulo c. Alves (todos os textos)

Visitas: 4

652 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 05:00:15

    Acho bem econômicos e muito bons os carros da Fiat. Uma marca que ganha minha admiração, meu respeito e ele possui beleza em todos os seus modelos, além de serem acessíveis a qualquer pessoa.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - FIAT 125 Special

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios