Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > Tenha uma condução ecológica e eficiente

Tenha uma condução ecológica e eficiente

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Automóveis
Comentários: 2
Tenha uma condução ecológica e eficiente

Uma condução ecológica torna-se mais eficiente, tal como uma condução eficiente traduzirá, necessariamente, uma condução mais ecológica. Na prática, para além de se tirar maior partido das capacidades dos carros, e da redução do consumo de combustível, da emissão de gases poluentes e de gases com efeito de estufa (que contribuem para o aquecimento global) e do ruído, reduz-se também a sinistralidade, já que a segurança é outra das consequências de uma condução mais racional.

Antes de tudo, da opção de compra do veículo dependerão fatores como o nível de consumos, o tipo de combustível, a aerodinâmica, a potência, a segurança, o grau de emissões para a atmosfera e tudo o que se relacione com a eficiência e a manutenção do automóvel.

Há uma série de dicas muito concretas que favorecem esta “eco-condução”: guiar a uma velocidade o mais constante possível, evitando acelerar ou travar de forma brusca permite uma poupança na ordem dos 15 por cento de combustível (e, consequentemente, de emissão de CO2) e torna a viagem mais confortável; Cumprir os limites de velocidade também poupa e promove a segurança rodoviária; Verificar mensalmente a pressão dos pneus acautela o desgaste, adiando a sua substituição, e promove a aderência ao asfalto; Adaptar a velocidade ao tráfego e privar-se de mudar de via de trânsito concorre, identicamente, para economizar; Manter o carro afinado e averiguar o nível do óleo regularmente pode originar uma poupança na ordem dos três por cento; Não transportar bagagens no tejadilho da viatura e retirar todo o peso desnecessário do porta-bagagem representa uma economia de cerca de cinco por cento; Utilizar uma mudança alta resulta num menor gasto de combustível (dez por cento), dado que o veículo circulará com uma rotação mais baixa; Fechar as janelas, sobretudo a velocidades mais elevadas, minora o atrito, fazendo com que seja preciso menos energia para a deslocação; Planear a viagem, tentando antecipar o fluxo de trânsito, é, de igual modo, muito útil: naturalmente que ninguém vai escolher o percurso mais longo ou concorrido…

Em acréscimo, recomenda-se que se utilizem os acessórios elétricos apenas quando estritamente necessário, pois consomem energia. O ar condicionado, por exemplo, é passível de incrementar o gasto de combustível em 25 por cento! Paralelamente, é de ponderar a precisão do recurso ao automóvel para distâncias curtas (indo a pé, poupa-se combustível e trabalha-se para o bem-estar físico), mormente se o motor estiver frio (o consumo de combustível seria excessivo).

A condução deve iniciar-se assim que se liga o motor e este desligado logo que a viatura fique parada por mais de um minuto. Nas descidas pronunciadas, o ideal é conservar o carro engrenado numa mudança compatível (no sentido de travar com o motor), granjeando maior segurança e consumo nulo.

Finalmente, é de considerar a partilha do automóvel com pessoas que, para trabalho ou lazer, se dirijam para o mesmo destino, o que ajudará a atenuar os congestionamentos de tráfego e o dispêndio de combustível. Servir-se dos transportes públicos economiza ainda mais tempo, dinheiro e stress, e concorre para tornar mais respirável a atmosfera nas cidades.


Maria Bijóias

Título: Tenha uma condução ecológica e eficiente

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

639 

Imagem por: Grant Mitchell

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 03:54:35

    Parabéns pelas ótimas dicas! Dessa forma, a pessoa não apenas economiza seu dinheiro, mas também contribui para a sustentabilidade e proteção dela mesma e dos outros.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    17-09-2012 às 16:17:23

    Apreciei as suas dicas, sobretudo porque o tema que aborda é tão crucial nos dias que correm, devendo ser um assunto sobre o qual os automobilistas e cidadãos se deveriam informar muito melhor. Os perigos da condução são muitos, e encontramo-nos em perigo apenas pelo simples ato de entrarmos no carro, porque estamos expostos à condução dos outros. Para além disso, é necessário, como refere, ter em conta o problema ecológico que os automóveis representam.

    ¬ Responder

Comentários - Tenha uma condução ecológica e eficiente

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Imagem por: Grant Mitchell

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios