Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Cross em bicicleta

Cross em bicicleta

Categoria: Desporto
Comentários: 1
Cross em bicicleta

Quando se vêem aquelas bicicletas com rodas muito pequenas, pensa-se imediatamente em miúdos e em acrobacias ou ralis infantis. Nada mais errado. Trata-se de BMX, concebidas para as habilidades, que se tornaram tão populares que já passaram a ser desporto olímpico.

O aparecimento das BMX remonta ao início dos anos 70 do século XX. As crianças da Califórnia (Estados Unidos) costumavam trilhar, com as suas bicicletas de estrada, os caminhos de terra traçados para as provas de motocross. A brincadeira começou a agradar também aos mais crescidos e, em meados dessa década, os industriais fabricavam já bicicletas adaptadas.

A designação BMX deriva de uma composição do inglês Bicycle-Moto-Cross (Cruz = X). Estes veículos “especiais” têm, usualmente, rodas de 20 polegadas e algumas divergências relativamente aos de estrada, como é o caso dos travões (de disco, pelo menos na roda de trás). Proporcionam maior capacidade de travagem e, como não se emprega borracha na sua feitura, oferecem maior segurança nos dias chuvosos. Aconselha-se a utilização de um fato protector idêntico ao do motocross, que inclua defesas para os cotovelos, os punhos, os joelhos e tudo o que se possa escudar, e de capacetes próprios para a prática deste desporto.

Existem duas modalidades de BMX: racing e freestyle. A primeira consta de corridas, numa pista de 350 metros (homens) ou 370 metros (mulheres), com saltos e curvas de nível e partida numa rampa (para adquirir velocidade). A segunda está dividida em cinco disciplinas. Em street os praticantes aproveitam lanços de escadas, corrimões ou muros baixos para levar a cabo os seus truques. Se tais habilidades tiverem lugar em parques de skate com obstáculos, o nome muda para park. No vert, porventura a opção mais radical, os ciclistas realizam artifícios dentro de um half-pipe (duas rampas, frente a frente, desenhando um “U”, entre 2,5 e 3,5 metros, verticais nos extremos, advindo daí a denominação). Os truques são executados no ar ou nas bordas das rampas, depois de ganho o necessário balanço. Outra especialidade é trails (linhas de terra). Os ciclistas saltam entre taludes de terra, formados para o efeito, ensaiando feitos acrobáticos no ar. A variante que falta é apelidada de flatland. As bicicletas aqui usadas têm um tamanho ainda mais reduzido do que as restantes BMX e são mais resistentes, uma vez que os ciclistas, não obstante utilizarem somente terreno liso e suave (um campo de basquetebol, um parque de estacionamento, …), podem apoiar-se em qualquer parte do quadro e, inclusive, em quatro barras colocadas como apêndices dos eixos das rodas, o que lhes faculta a realização de truques estranhíssimos.

Apesar de o BMX racing ter entrado este ano no programa olímpico, sob égide da União Velocipédica Internacional (UCI), os amantes do BMX continuam a decretar como principal competição os X-Games, mais devotos ao freestyle.



Maria Bijóias

Título: Cross em bicicleta

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

802 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Vanessa Camila Borrieduarda

    21-09-2010 às 00:11:51

    Essa coisaa de cross em bike é mt bomm!!!
    xauzinho ate+++!

    ¬ Responder

Comentários - Cross em bicicleta

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios