Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Caiaques: de mente aberta

Caiaques: de mente aberta

Categoria: Desporto
Caiaques: de mente aberta

Afinal, a bicicleta não é o único meio de transporte onde a “besta” puxa sentada, salvo seja.

Os caiaques, que são muito semelhantes às canoas, também exigem ser impelidos pelas águas através do vigor impresso aos remos.E, em princípio, não dá jeito nenhum remar de pé, de joelhos ou de cócoras…

Os caiaques nasceram na Gronelândia e constituíam um meio de trabalho dos esquimós, nomeadamente no sector da pesca. Aliás, caiaque na língua local significa, precisamente, “barco de caçador”. Uma caçada solitária, já que o comum destas embarcações admite unicamente um ocupante.

Não se trata de estruturas propriamente familiares que permitam passeios domingueiros com a parentela, atravessando o gélido Mar do Norte para avistar baleias, focas e outros hipotéticos animais que, ancestralmente, serviam de matéria-prima à construção dos próprios caiaques.

Descendentes destes barcos primitivos, destinados a contribuir para a sobrevivência das populações de então, os modernos caiaques, já reforçados com fibra de vidro, são concebidos para a canoagem, um desporto saudável e bastante seguro, desde que tidas em linha de conta algumas precauções básicas.

Se os antigos cá voltassem e vissem isto, bem podiam associar-se à máxima de “levar o trabalho na desportiva”…

Independentemente do motivo pelo qual se decida entrar num caiaque, saber nadar constitui, obviamente, o primeiro e mais evidente requisito para alguém que se propõe conduzir um veículo aquático…!

É também importante que, previamente, se tenham feito alguns exercícios de aquecimento, não só dos braços como das pernas. Ainda que se ostente a medalha de ouro da natação, esse facto não dispensa o uso de colete salva-vidas (e vice-versa).

Quando se sai para distâncias longas, deve procurar-se companhia. Por razões de segurança, é bom que a cabeça esteja coberta com um capacete, não vá haver imprevistos e, de repente, ficar-se com uma mente mais aberta…


Rua Direita

Título: Caiaques: de mente aberta

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

633 

Imagem por: FreeWine

Comentários - Caiaques: de mente aberta

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: FreeWine

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios