Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Voar sem asas

Voar sem asas

Categoria: Desporto
Comentários: 3
Voar sem asas

Voar deve ser uma das maiores aspirações do ser humano. Quanto mais não seja nas asas do sonho… Quando se concretiza este desejo, ainda que com a ajuda de um parapente, um helicóptero, um avião, ou qualquer outro mecanismo, a mente transporta-se para uma dimensão diferente, para um estado de liberdade único. Pois bem, este vencer a lei da gravidade tem conduzido o Homem e superar-se nos saltos, cada vez mais longe e mais alto, frequentemente com o auxílio de uma vara. E há quem realmente voe…!

Saltar constitui um dos primeiros exercícios que a necessidade de fugir aos perigos ditou ao género humano, sendo que também dava jeito para caçar. Efectivamente, saltar é o que há de mais próximo de voar. Por outro lado, os saltos integraram os primórdios da competição desportiva, no que concernia a alcançar o ponto mais alto ou mais distante. Com o passar do tempo e o progresso técnico apareceram, entretanto, duas formas mais aprimoradas: o triplo salto e o salto com vara. Estas quatro especialidades estão presentes no sector de atletismo do programa olímpico.

O salto em comprimento tem a dita de, no contexto dos saltos, ser o primogénito competitivo. De acordo com os padrões contemporâneos, o atleta ganha velocidade numa pista curta (40 metros por 1,22 metros de largura) e utiliza o impulso, na tábua de chamada, para se projectar o mais longe que for capaz, para dentro de uma caixa de areia. Em competição, são validadas as tentativas, de três possíveis, em que a tábua de chamada não for ultrapassada. É precisamente a partir deste limite que se mede a distância do salto até ao ponto mais próximo onde se regista o contacto do corpo com a areia.

Existe outro tipo de salto horizontal, idêntico mas com duas chamadas (com um pé e depois o outro) antes da projecção. Neste caso, o espaço entre a tábua de chamada e a caixa de areia (que tem invariavelmente 10 metros de comprimento) é de 13 metros para os homens e 11 metros para as mulheres. No salto em comprimento, este espaço é de somente um metro.

No salto em altura (o mais simples dos saltos verticais), é colocada uma barreira, denominada de fasquia, com 3,98 metros, que não pesa mais de dois quilos, nivelada horizontalmente a uma determinada altura, fazendo o atleta a chamada com um pé para se impulsionar para cima, caindo depois num colchão.

A pista do salto com vara é idêntica à dos saltos horizontais, mas com 45 metros (mais cinco). A vara (flexível, normalmente em fibra de vidro ou de carbono) serve para impulsionar o atleta, depois de convenientemente apoiada numa caixa, junto à base da barreira. Este movimento é conhecido como planta. A força de braços é fundamental para elevar o saltador, que faz uma rotação quando larga a vara (cujos comprimento e material são livres).



Maria Bijóias

Título: Voar sem asas

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

666 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    07-10-2014 às 12:14:45

    Fico maravilhada com esse desporto! Saltar apenas com uma vara e alcançar uma altura tão elevada, realmente é ter uma experiência sensacional! Voar, então nem se fale! Voar é ser livre!

    ¬ Responder
  • eliselis

    11-03-2010 às 12:13:29

    Eu tbm!

    ¬ Responder
  • Mariana Pintoandiara

    09-10-2009 às 00:21:34

    Gostaria de saber qual a profundidade da caixa de areia, no salto à distância.
    Obrigada

    ¬ Responder

Comentários - Voar sem asas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios