Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > A meditação como uma fonte de cura

A meditação como uma fonte de cura

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Desporto
Comentários: 1
A meditação como uma fonte de cura

A meditação é uma fonte de cura das emoções e das perturbações do quotidiano?

Quando praticada com regularidade, ela traz inúmeros benefícios e pode inclusive transformar a vida.

Com o proliferar das muitas terapias alternativas ao convencionismo da medicina, está ao nosso alcance, escolher o tratamento ou prevenção que se aplica ao nosso caso. Hoje em dia existem muitos cursos e consultas para ensinar as técnicas adequadas de respiração, postura, vestuário e local que se ajusta a esta terapia.

Se precisamos de nos encontrar a nós próprios ou de nos conhece, nada melhor que meditar ou simplesmente aquietar a mente. Os resultados podem não ser imediatos mas trazem sempre os seus benefícios com a persistência.

Por exemplo para a depressão ela pode ser o seu antídoto, dado que acalma e relaxa. Normalmente é possível substituir os medicamentos, se ela for praticada com disciplina. Basta duas ou três vezes por semana para surtir efeitos. Permite um autoconhecimento e o descobrir da raiz dos nossos problemas ou fracassos. É considerada uma ferramenta necessária para treinar a mente e as emoções. É possível modificar certos padrões de vida, hábitos nocivos e aumenta a intuição.

Os seus efeitos positivos são consideráveis e visíveis. Torna as pessoas mais serenas com os problemas diários.

Inclusivamente, a meditação pode reduzir o metabolismo dado que baixa a frequência dos batimentos cardíacos, da respiração, reduz o consumo de oxigénio pelas células, a adrenalina e permite um aumento de tranquilidade. O stress e ansiedade são indubitavelmente reduzidos. Ajuda em muito certas doenças, especialmente, a insónia, obsessões, doenças compulsivas, cardíacas e outras de foro nevoso.

É ainda recomendada para controlar as emoções, desequilíbrios orgânicos e psicológicos e aumento das defesas.

O seu maior segredo é silenciar a mente a fim de descobrir aquilo que realmente nos incomoda. Ao descobrirmos a causa das preocupações, elas são mais fáceis de resolver. Por isso se considera de auto conhecimento e transformadora.

O importante para ela produzir estes efeitos é aprender a meditar corretamente. Assim, deve procurar-se a orientação de um mestre ou de cursos auxiliares. Estes ensinam as técnicas de respiração, concentração e atenção que ela exige para um correto funcionamento.

Se realmente queremos fazer da meditação uma terapias de cura, devemos procurar um grupo persistente, para não corrermos o risco de abandonar ou cair na preguiça. É importante aliarmos à meditação, uma alimentação adequada, livre de muita gorduras e o mais leve possível.

Se estes requisitos forem cumpridos, esta prática pode contribuir para o bem estar físico e emocional que necessitamos para um verdadeiro equilíbrio da mente e do corpo.
Devemos usufruir desta dádiva que pode inclusive sr uma fonte de sabedoria.


Teresa Maria Batista Gil

Título: A meditação como uma fonte de cura

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 0

665 

Imagem por: vaticanus

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    30-06-2014 às 22:30:47

    Creio que a meditação é bem relaxante, dá-nos tranquilidade e gera uma sensação maravilhos. Vale a pena!

    ¬ Responder

Comentários - A meditação como uma fonte de cura

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: vaticanus

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios