Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Instrumentos Musicais > A música é de todos

A música é de todos

Visitas: 12
Comentários: 2
A música é de todos

Há pessoas que são peritas em música. Possuem um dom natural, têm “queda” para a música, como se costuma dizer. Umas cantam maravilhosamente, para outras são os instrumentos musicais o grande fascínio. Depois há também as que desaproveitam um talento inato e aquelas que insistem em recusar que não são de todo dotadas para tal temática, “espalhando-se ao comprido”. Estas, poderia declarar-se, “tropeçam” na música, para não dizer mesmo que a assassinam! É um verdadeiro crime desvirtuar de forma tão dantesca a harmoniosa composição das notas…

Neste contexto, os instrumentos musicais podem ajudar ou complicar. Quando devidamente tocados, disfarçam; se literalmente arranhados, pioram tudo muito bem.
Há casos em que o que ressai é uma autêntica “sinfonia da asneira”, isto em linguagem benigna, pois a irritabilidade originada pelo ferir do ouvido sugeriria algo mais contundente.

À semelhança dos órgãos do corpo, todos os instrumentos musicais têm a sua importância numa orquestra.
Haverá os mais utilizados e sobressalientes, e os que, não obstante a sua discrição e subtileza, se revelam, contudo, essenciais. Até os aparentemente mais simples possuem uma ciência e uma cadência próprias a serem captadas e exploradas, a fim de darem o seu máximo contributo para o conjunto.
Orquestrar ou instrumentar constitui a especialidade de muita gente, não tanto no domínio musical, mas no seguimento de pautas de vida bastante discutíveis e, regra geral, nada lícitas, em que se usam outros géneros de instrumentos, mais virados para a mentira, a fraude, a extorsão, o engano, a traição e demais “familiares” directos. Alguns destes protagonistas, de tanto e tão alto que falam, mais parecem declarar concorrência ao trombone…

Melodias perversas à parte, não há dúvida que a música, ainda que apenas instrumental, favorece a criação de ambientes bastante agradáveis e únicos. Tanto em casa, como num restaurante e mesmo na rua (por exemplo na altura do Natal), é possível relaxar, retemperar forças ou, simplesmente, apreciar. Nalguns casos, como o do filme «Música no coração», esta arte milenar pode inclusive modificar corações (quando se tem um, obviamente!), tornando-os mais flexíveis, dóceis e vulneráveis. Efectivamente, a música não apresenta um carácter meramente auditivo; os sentimentos encontram-se intimamente associados aos ritmos dos diferentes instrumentos.

Quantas histórias de amor não têm como pano de fundo uma canção específica, escutada numa conjuntura favorável à actuação do Cupido… Quantos instrumentos musicais não tocam quase autonomamente em honra de alguém, como que perscrutando realidades íntimas e profundas… De facto, tocar sentidamente um instrumento corresponde, amiúde, a tocar o coração de quem tem sensibilidade para captar a mensagem.



Maria Bijóias

Título: A música é de todos

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 12

615 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    07-05-2014 às 23:33:00

    A música inspira a alma, nos faz receber uma linda mensagem seja de amor, amizade, despedida ou saudade. Realmente, um mundo sem música seria tão chato! Viva a boa música e sua diversidade de ritmos!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • André BelacorçaAndré Belacorça

    17-09-2012 às 15:50:32

    A música entra nas nossas vidas como se já fizesse parte delas, por vezes torna-se uma companhia indispensável, ouvir música é ultrapassar além-barreiras, é como levantar o espírito das tristezas.

    ¬ Responder

Comentários - A música é de todos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios