Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Instrumentos Musicais > Pequena história do violão moderno

Pequena história do violão moderno

Visitas: 26
Pequena história do violão moderno

O violão, também conhecido como guitarra ou guitarra acústica, é um instrumento da classe das cordas, assim como os violinos, violas e os baixos.

Os violões populares mais comuns possuem seis cordas que são feitas de aço ou nylon.
Alguns violões possuem 7 cordas ou mais, dando ênfase aos baixos (graves) do instrumento, que são as cordas feitas com aço, mesmo nos violões fabricados para cordas de nylon. Ou seja, os baixos (graves) são sempre feitos de corda de aço.

Seu surgimento é indefinido, mas provavelmente é fruto da evolução da antiga “vihuela” persa, instrumento ancestral do violão atual e que foi criado há mais de 2000 anos atrás.
Posteriormente, na Idade Média, o violão era usado para a interpretação de peças eruditas e era menos acessível à população em geral.

O violão como conhecemos atualmente, em forma de oito e com caixa oca e acústica somente foi produzido no início do século XX, na Espanha, por Antônio de Torres.

Nessa época o violão desembarcou nas Américas, trazido pelos colonizadores europeus.
Vale notar que por aqui já existia a viola caipira criada no interior do Brasil, sendo esse um instrumento completamente independente e diferente do violão popular.

A viola caipira possui cinco pares de cordas, unidas com a diferença de uma oitava, o que proporciona um som mais aberto e um timbre único para o instrumento brasileiro.
A popularidade do violão é apenas comparada com o piano, estando presente na maioria das composições ou interpretações atuais.

Os formatos pequenos e leves do violão, assim como sua harmonia e amplitude sonora, foram responsáveis por sua popularização rápida e abrangente.

Contando com a caixa acústica mais ampla e bem planejada, era possível tocar violão em locais abertos e o som não se perdia no ar com a distância.

Até mesmo sem o uso de palhetas, que só foram implementadas na execução do violão nesse século, é possível se obter um som alto e claro nos violões modernos.

Além disso, não necessita de amplificadores como as atuais guitarras elétricas.
Pode ser executado tanto na harmonia quanto na melodia de qualquer música, alcança várias oitavas de extensão e é um dos instrumentos mais completos e complexos que existem.

Apesar de sua difusão, ainda são poucas as pessoas que estudam ou estão dispostas a aprender realmente alguma técnica de execução do violão.

Normalmente, o auto aprendizado a e execução por hobby são o que prevalecem entre os amantes do instrumento.


Filipe Mixa

Título: Pequena história do violão moderno

Autor: Filipe Mixa (todos os textos)

Visitas: 26

0 

Comentários - Pequena história do violão moderno

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios