Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > Como trocar o óleo do carro?

Como trocar o óleo do carro?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Automóveis
Visitas: 2
Comentários: 4
Como trocar o óleo do carro?

Uma preocupação importante em relação ao bom funcionamento do carro é a hora de trocar o óleo e como fazer essa troca. O óleo é o responsável pela vida do motor do carro. É ele que lubrifica as peças, evitando contato e atrito entre elas e prolongando a funcionalidade do automóvel. A troca de óleo é imprescindível na manutenção do carro e um aspeto importante a ser levado em consideração é usar o óleo correto para cada tipo de carro. Isto é facilmente encontrado no manual do proprietário e deve ser seguido. Cada tipo de óleo tem uma quilometragem adequada até a sua troca. É fundamental ler o manuel do óleo para estabelecer essa conexão.

O óleo adequado é aquele que é viscoso, pois a lubrificação com essa textura evita o atrito das peças do motor. Normalmente o que se faz é completar o óleo quando ele está abaixo do limite, o que não é o indicado. O recomendado é que se troque todo o lubrificante para evitar a sujeira e os resíduos dos combustíveis fósseis. As indicações para o melhor tipo de óleo devem ser retiradas do manual do carro. Essas informações vem através das siglas SAE, que se refere a viscosidade adequada e API, que diz respeito ao desempenho desse óleo.

Basicamente existem três tipos de óleo. O óleo mineral multiviscoso, mais facilmente encontrado no mercado, é recomendado para todos os tipos de motores. Se não for feita a troca na quilometragem adequada de cinco mil quilômetros, falhas começam a aparecer. Existe também o óleo semissintético, que mistura base sintética e mineral e é indicado para motores mais potentes. A troca do óleo nessa caso é indicada com oito mil quilômetros percorridos. E o óleo sintético é indicado para carros esportivos. A troca desse tipo de óleo é recomendado para vinte mil quilômetros, contudo é indicado que sempre se confira a taxa de óleo.

Normalmente a medição do óleo é feita em postos de gasolina. O correto antes de fazer essa medição é esperar pelo menos três minutos a fim de que todo o óleo vá para o reservatório, permitindo a sua correta visualização. A medida em que se usa o automóvel, o nível do óleo vai baixando, então o adequado é que se vá nivelando até o momento indicado para a troca do óleo.

Quando chega o momento da troca do óleo duas são as opções: ou levá-lo em uma autorizada ou em uma mecânica para fazer essa troca ou em casa mesmo realizar a tarefa que deve seguir alguns passos bastante determinados e importantes. Em casa os passos são os seguintes: primeiro ligar o carro por alguns segundos, depois desligá-lo, deixá-lo parado e freado, levantá-lo com um macaco, sempre se certificando de que o carro está imóvel. Após é necessário pegar uma bacia em que será colocado o óleo usado. Essa bacia deverá ser colocada embaixo do tampão de drenagem, situado no cárter (depósito de óleo) do carro. Após deve-se retirar esse tampão e deixar o óleo sair. Depois de esvaziar o cárter, é aconselhado que o tampão seja limpo e colocado novamente, deixando-o firme.

Depois tem que se encontrar a posição do filtro, retirá-lo com a junta de borracha que fica entre ele e o motor . O ideal é limpar o filtro com um pano e umedecer com óleo novo a junta do filtro e colocá-los no lugar. Por último é só acrescentar o óleo novo. Para isso, deve-se abrir a tampa na parte de cima e colocar o óleo com um funil. A quantidade de óleo é indicada no manual do proprietário. Deve-se deixar o óleo alguns minutos e após fazer a medição. É aconselhável ligar o carro novamente e de novo fazer a medição do óleo que deve estar entre as medidas MIN e MAX. Caso não esteja é só acrescentar mais óleo até a medida MAX.

Por fim é só abaixar o carro e a troca foi feita. É importante lembrar que o óleo usado é poluente e que deve ser depositado em um local adequado. Uma dica é deixá-lo em oficinas especializadas.


Rosana Fernandes

Título: Como trocar o óleo do carro?

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 2

798 

Imagem por: jeffwilcox

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • SophiaSophia

    22-04-2014 às 16:42:01

    Fantástica essas dicas de como trocar o óleo do carro. Realmente, é algo de suma importância no carro. A Rua Direita sugere que a pessoa deve fazer regularmente.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    11-09-2012 às 21:55:12

    O texto é muito informativo. Estando está em falta pequenos pormenores, tais como: o tipo de combustivel que o carro usa, a idade do carro e o clima do país (essencialmente devido à variação de temperatura), claro que hoje em dia e cada vez mais o fabricante tem em atenção estes pormenores entre outros mais minuciosos.Também não deve esquecer que consoante a idade do carro a mudança do filtro de óleo também deve ser realizada.

    ¬ Responder
  • william brazwilliam braz

    11-01-2012 às 01:05:41

    gostei muito da informação sobre a troca de oléo

    ¬ Responder
  • Carlos HenriqueCarlos Henrique

    06-11-2010 às 13:25:41

    Muito boa estas dicas, gostaria de receber novas dicas.

    ¬ Responder

Comentários - Como trocar o óleo do carro?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: jeffwilcox

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios