Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Música > Wagner e o antissemitismo

Wagner e o antissemitismo

Categoria: Música
Visitas: 8
Wagner e o antissemitismo

O tão propalado antissemitismo do compositor Richard Wagner, serviu de base para Hitler, começar uma revolução na cultura alemã. Se Wagner fosse vivo por essa época, creio que não concordaria com os métodos de extermínio de Hitler. Wagner podia ser antissemita, mas apenas no sentido cultural da coisa. Ele não gostava das óperas, nem das obras de outros autores, era muito focado em si mesmo e em sua terra natal. Não sabia viver em outro lugar..

detestava Paris, Londres.. ele queria estar para sempre na Alemanha.
Wagner nasceu em um quarteirão judeu em Leipzig, em 22 de maio de 1813 e lá viveu ao menos por 13 anos. As críticas de Wagner em relação ao judeus e que acabou descambando em antissemitismo, dizia respeito a não inclusão pelos judeus dos costumes alemães em sua vida ordinária. Ele era realmente cruel em seus ataques aos judeus e suas influências sobre a cultura alemã.

Nacionalista exacerbado, Wagner, destilava críticas venenosas a eles, escrevendo ensaios onde falava coisas do tipo "ex-canibais, agora treinados para ser agentes de negócios da sociedade". Ainda na visão de Wagner, os judeus haviam corrompido a língua do país onde viviam há centenas de gerações. Segundo Wagner, a sua natureza, tornava-os incapazes de penetrar a essência das coisas.

Mas, críticas ácidas assim, eram dirigidas particularmente aos compositores judeus Giacomo Meyerbeer e Felix Mendelssohn, que, antes de tudo, eram seus rivais. Wagner, achava que os judeus que viviam na Alemanha deveriam abandonar a prática do Judaísmo e incorporar o modo de vida alemão. Por toda a vida, Wagner teve amigos e colaboradores judeus. Uma pena que sua obra tenha sido redirecionada pelos nazistas, como prelúdio musical, trilha sonora fatal do extermínio de raças e povos inteiros, com a desculpa de serem eles, os arianos, os senhores do Ragnarock.

A nora de Wagner, Winifred, casada com Sigfried, filho de Wagner, o responsável pelo seu legado, é que era nazista de carteirinha, surgindo até alguns rumores de que ela mantinha um conluio romântico com Hitler. Infelizmente, após a morte de Sigfried, todo o legado de Wagner foi parar nas mãos de Winifred e por causa dela, a casa dos Wagner, em Bareyuth, tornou-se o centro de peregrinação de Hitler, recebendo por isso, apoio do governo e isenção de impostos.

Winifred, apesar de sua ligação estreita com Hitler, negou qualquer relação com o partido nazista, coisa que não acredito, ela professava as mesmas crenças do líder Nazista e facilitou suas entrevistas com a Inglaterra, servindo como tradutora.

Richard Wagner (1813-1883)


Sayonara Melo

Título: Wagner e o antissemitismo

Autor: Sayonara Melo (todos os textos)

Visitas: 8

0 

Comentários - Wagner e o antissemitismo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios