Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Brinquedos > Transporte-se para outra dimensão!

Transporte-se para outra dimensão!

Categoria: Brinquedos
Visitas: 2
Comentários: 2
Transporte-se para outra dimensão!

Não há dúvida que nós somos tudo o que vivemos, como protagonistas ou receptores. Uma das vertentes que mais nos marcam é, incontestavelmente, o tempo das brincadeiras. Brincar faz parte da natureza da criança. Quando brinca com coisas, objectos, brinquedos, ela está a tentar compreender a complexa realidade que a circunda e, simultaneamente, a recriar essa mesma realidade. A brincadeira é um assunto sério, porque através dela as crianças reconvertem uns objectos noutros, o que as ajuda a descobrir a vida! Elas acreditam que se podem integrar nos objectos e vivem num mundo mágico. Se, por exemplo, se colocam atrás de uma cortina ou de uma porta, podem sentir-se leves e flutuantes como a primeira e incarnar a espessura e o peso da segunda.

Em cada coisa, em cada brincadeira, os pirralhos descobrem um saber oculto. Parece que vão desvendando mistérios, e assim a significação de cada um deles muda constantemente. O cabo da vassoura é passível de se transformar num ápice, e deixar de ser um cavalo para passar a representar uma bandeira. É nesta perspectiva de busca dos segredos da existência que os miúdos desmontam os brinquedos, no sentido de os reconstruírem, deixando cair por terra a teoria de que só estragam porque são mauzinhos. Escrevia Winnicott, em 1975, que «é no brincar, e talvez apenas no brincar, que a criança ou o adulto fruem a sua liberdade de criação». Para além de um direito, brincar é uma necessidade para o desenvolvimento pleno e harmonioso dos petizes.

A escolha dos brinquedos deve contemplar a avaliação de diversos factores, onde se incluem o estádio de progresso psicomotor, a personalidade, o gosto e/ou o interesse particular da criança por determinadas áreas, a segurança, o preço e a aprovação dos pais ou educadores. Não é tarefa fácil, nem deve ser feita de ânimo leve.

Ainda que os brinquedos assumam um papel preponderante no crescimento, não há que entrar em exageros. Não é por ter um quarto a abarrotar deles, de maneira que nem se sabe como é que o garoto ou a menina lá dormem, que se produz mais felicidade. Por vezes, uma história, um jogo improvisado ou uma manifestação de afecto inesperada constituem presentes de valor imensamente superior.

Quando se atinge uma fase posterior da vida, costuma chegar-se à conclusão (e isto é válido para quem teve muitos brinquedos e para aqueles que não puderam ter abundância ou mesmo nenhuns) que os melhores brinquedos são os irmãos. De carne e osso, dão e recebem, fazem-nos crescer e crescem também através de nós.
Grandes amigos, apesar das guerrinhas e competições, companhias sempre presentes, estímulos e refúgios seguros. De facto, a infância é temporária, mas os seus resultados são para toda a vida!



Maria Bijóias

Título: Transporte-se para outra dimensão!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

628 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    25-04-2014 às 18:27:53

    Muito bom o texto, a Rua Direita agradece.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoarthur parra arduino

    07-11-2009 às 13:16:21

    qual é 26 dimensão

    ¬ Responder

Comentários - Transporte-se para outra dimensão!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios