Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Publicidade > Como criar newsletters à medida dos clientes

Como criar newsletters à medida dos clientes

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Publicidade
Visitas: 2
Como criar newsletters à medida dos clientes

Uma newslettter concorre, no dia a dia normal de uma fatia considerável dos profissionais, com centenas de e-mails que povoam a caixa de correio eletrónico. Correndo o risco de ser considerada como lixo, há que criar estratégias diferenciadoras que permitam torná-la atraente, chamando a atenção do destinatário para mensagens que lhe interessem. Na prática, trata-se de fidelizar os consumidores numa relação com as marcas, repensando formas de comunicar e lograr capacidade para conseguir um pouco de tempo em agendas superpovoadas de afazeres.

Em primeiro lugar, a marca deve falar diretamente com os compradores prioritários. Na verdade, os indivíduos que busquem a comunicação da marca revelam ter com ela uma ligação que terá toda a vantagem em ser aproveitada. Os clientes mais antigos procuram o respeito a que a marca já os habituou e não estão dispostos a adaptar-se a novas abordagens. Por outro lado, os clientes que mostram familiaridade com a marca aceitam a newsletter para confirmar a sua decisão relativa a produtos ou serviços, numa perspetiva de ter a certeza de não cometer erros. Dado que as pessoas querem sempre estar de posse da razão, mesmo que as evidências apontem noutra direção, as marcas podem lucrar com a apresentação de provas que corroborem a opção sensata do consumidor. Em acréscimo, as newsletters são suscetíveis de fornecer um espetro mais vasto e aprofundado acerca do posicionamento e das características do que é oferecido.

Paralelamente, a explanação de algum dos processos produtivos ou a enumeração dos padrões de controlo de qualidade funcionam, em muitas mentes, como um designativo de exclusividade, que, em variadíssimas situações, não corresponde à realidade.

O marketing relacional aplicado deve ir no sentido de acenar com produtos e serviços que resolvam problemas, passíveis de melhorar a vida dos compradores ao invés de mudá-la. Efetivamente, o ser humano revela-se, invariavelmente, avesso à mudança, e agarra qualquer coisa que lhe possibilite continuar a desfrutar de tudo aquilo de que não deseja prescindir, mas sem as consequências nefastas dessa escolha. Portanto, fecha a mente a conteúdos que lhe falem de alterar maus hábitos, mas mostra-se recetivo a respostas inovadoras que não lhe exijam nada (ou o mínimo possível). Testar a comunicação enviada é assaz útil, sendo que o resultado pretendido é que cada consumidor chegue à conclusão de estar diante da marca perfeita para si.

A construção de vínculos sólidos com os consumidores prioritários é fundamental. Para estes, o preço não constitui um incentivo, pelo que se a comunicação implicar alguma promoção convém mencionar um intento que a ultrapasse (por exemplo, juntando um cartão de agradecimento ou de proposta de experimentação). Como se costuma dizer, «a imaginação é o limite»…


Maria Bijóias

Título: Como criar newsletters à medida dos clientes

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

626 

Imagem por: EMMEALCUBO

Comentários - Como criar newsletters à medida dos clientes

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: EMMEALCUBO

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios