Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Publicidade > A evolução da publicidade

A evolução da publicidade

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Publicidade
Visitas: 437
Comentários: 4
A evolução da publicidade

A publicidade existe desde há milhares de anos. Na verdade, foram encontradas mensagens comerciais e políticas na antiga Arábia. Os Egípcios, por seu turno, socorriam-se de papiros para criar cartazes patenteando missivas de vendas. Já em Pompeia havia tabuletas a anunciar combates entre gladiadores. A publicidade oral (sublinhando as virtudes do gado, dos escravos, etc.) manteve-se até à Idade Média.

As pinturas nos muros ou em rochas eram também um recurso de propaganda da antiguidade das civilizações egípcia e grega, e ainda hoje podem ser vistas em países da África, da Ásia e da América do Sul, incluindo o Brasil.

Estas expressões artísticas eram, todavia, auxiliadas com panfletos publicitários. A imprensa jornalística não tinha ainda eclodido, e a junção destes dois meios de comunicação constituía a maneira de atingir aquilo que mais tarde se viria a designar de público-alvo.

Com o aparecimento dos jornais em Inglaterra, surgiu mais uma via de promover produtos e serviços e emergiu o conceito de patrocínio. Livros, jornais e medicamentos compunham as principais ofertas. No entanto, começou também a publicidade enganosa, com alusão a serviços prestados por pessoas que não estariam, de todo, qualificadas para o fazer. Este problema culminou na regulamentação dos conteúdos publicados nos anúncios publicitários, no sentido da proteção do consumidor.

Foi precisamente o “pai” da publicidade, Benjamim Franklin, que em 1729 resolveu encarar a publicidade a partir da ótica do consumidor. Pouco tempo depois, em 1745, é criado o primeiro jornal exclusivamente dedicado à publicação de anúncios.
A Revolução Industrial marcou, definitivamente, a História da Humanidade a vários níveis, e a publicidade não é exceção. O início da produção em massa e a proliferação de empresas e indústrias incrementaram exponencialmente os produtos e serviços disponíveis, enquanto que a explosão demográfica “forneceu” um aumento bastante significativo do número de potenciais clientes.

Foi em 1841 que nasceu a primeira agência publicitária, em Boston, nos Estados Unidos. Com o progresso das tecnologias emergentes, iam-se multiplicando os caminhos para chegar de forma mais próxima e efetiva àqueles que poderiam querer comprar ou influenciar quem o fizesse. A rádio, despontada nos anos 20 do século xx, foi palco de promoção de muitas instituições (clubes, organismos populares, escolas, organizações sem fins lucrativos), sendo que muitas delas, mais tarde, construíram as suas próprias estações de rádio. Com a popularização do patrocínio de programas, cada espaço era apoiado por um anunciante em troca da simples menção do respetivo nome no princípio e no fim do programa que lhe correspondia. Os proprietários das estações, todavia, detetaram aí uma “galinha dos ovos de ouro” e encetaram a venda de pequenos espaços de tempo a vários anunciantes durante toda a programação, prática que viria a ser herdada pela televisão nos anos 40 e 50 do mesmo século, tendo-se esta tornado num dos maiores meios de publicidade em todo o Mundo.

A publicidade permitiu às mulheres uma opção de carreira, numa altura em que as escolhas no mercado de trabalho eram assaz escassas. Anunciantes e agências reconheceram o valor introspetivo da mulher no decurso dos processos criativos, enquanto responsáveis pela maioria das compras. A primeira mensagem de cariz sensual foi concebida e protagonizada, exatamente, por duas mulheres.

Persuasão é a palavra de ordem em publicidade. Atualmente, há que propor e motivar, sem esquecer o domínio informativo, ao invés de quase impor, como sugere a publicidade agressiva, radicada na concorrência desenfreada.


Maria Bijóias

Título: A evolução da publicidade

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 437

763 

Imagem por: creative location

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • SophiaSophia

    19-05-2014 às 02:06:44

    A publicidade está a cada dia em grande crescimento e isso não se pode negar! Que cada pessoa e empresa saiba aproveitá-la ao máximo! Sua influência não tem limites!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Thaís AlbarThaís Albar

    28-04-2011 às 19:13:34

    Parabéns pelo texto.

    Sou estudante e estou fazendo um trabalho sobre a influencia das pin-ups no desenvolvimento da propaganda, e pretendo comparar as mulheres da dec de 50 com as mulheres de agora. Gostaria de saber se você tem alguns livros como referencia para que eu possa estudar sobre o assunto?

    Abraços
    Thaís

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCaralho

    30-05-2012 às 20:20:22

    Sim, mas não é um livro, é um site, www.redtube.com

    ¬ Responder
  • AllanAllan

    21-03-2011 às 17:50:32

    Gostaria de saber mais sobre a evolução de midias na área, que estou fazendo o trabalho da faculdade.

    Favor entra em contato pelo e-mail

    ¬ Responder

Comentários - A evolução da publicidade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: DVD Filmes
Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.\"Rua
Este texto irá falar sobre o filme Ex_Machina, nele podem e vão ocorrer Spoillers, então se ainda não viram o filme, vejam e voltem depois para lê-lo.

Impressões iniciais:

Ponto para o filme. Já que pela sinopse baixei a expectativa ao imaginar que era apenas mais um filme de robôs com complexo de Pinóquio, mas evidentemente que é muito mais que isso.

Desde as primeiras cenas é possível perceber que o filme tem algo de especial, pois não vemos uma cena de abertura com nenhuma perseguição, explosão ou ação sem propósito, típica em filmes hollywoodianos.
Mais um ponto, pois no geral o filme prende mais nos diálogos cerebrais do que na história em si, e isso é impressionante para o primeiro filme, como diretor, de Alex Garland (também roteirista do filme). O filme se mostrou eficiente em criar um ambiente de suspense, em um enredo, aparentemente sem vilões ou perigos, que prende o espectador.

Entrando um pouco no enredo, não é difícil imaginar que tem alguma coisa errada com Nathan Bateman (Oscar Isaac), que é o criador do android Ava (Alicia Vikander), pois ele vive isolado, está trabalhando num projeto de Inteligência Artificial secreto e quando o personagem orelha, Caleb Smith (Domhnall Gleeson), é introduzido no seu ambiente, o espectador fica esperando que em algum momento ele (Nathan) se mostrará como vilão. No entanto isso ocorre de uma forma bastante interessante no filme, logo chegaremos nela.

Falando um pouco da estética do filme, ponto para ele de novo, pois evita a grande cidade (comum nos filmes de FC) como foco e se concentra mais na casa de Nathan, que fica nas montanhas cercadas de florestas e bastante isolado. Logo de cara já é possível perceber que a estética foi pensada para ser lembrada, e não apenas um detalhe no filme. A pesar do ambiente ser isolado era preciso demonstras que os personagens estão em um mundo modernizado, por isso o cineasta opta por ousar na arquitetura da casa de Nathan.

A casa é nesses moldes novos onde a construção se mistura com o ambiente envolta. Usando artifícios como espelhos, muitas paredes de vidro, estruturas de madeira e rochas, dando a impressão de camuflagem para a mesma, coisa que os ambientalistas julgam favorável à natureza. Por dentro se pode ver de forma realista como podem ser as smart-house, não tenho certeza se o termo existe, mas cabe nesse exemplo. As paredes internas são cobertas com fibra ótica e trocam de cor, um efeito que além de estético ajuda a criar climas de suspense, pois há momentos onde ocorrem quedas de energia, então fica tudo vermelho e trancado.

O papel de Caleb á ajudar Nathan a testar a IA de AVA, mas com o desenrolar da história Nathan revela que o verdadeiro teste está em saber se Ava é capaz de “usar”, ou “se aproveitar” de Caleb, que se demonstra ser uma pessoa boa.

Caleb é o típico nerd introvertido, programador, sem amigos, sem família e sem namorada. Nathan também representa a evolução do nerd. O nerd nos dias de hoje. Por fora o cara é careca, barbudão com uns traços orientais (traços indianos, pois a Índia também fica no Oriente), bebê bastante e ao mesmo tempo malha e mantém uma dieta saudável pra compensar. E por dentro é um gênio da programação que criou, o google, o BlueBook, que é um sistema de busca muito eficiente.

Destaque para um diálogo sobre o BlueBook, onde Nathan fala para Caleb:
“Sabe, meus concorrentes estavam tão obcecados em sugar e ganhar dinheiro por meio de compras e mídia social. Achavam que ferramenta de pesquisa mapeava O QUE as pessoas pensavam. Mas na verdade eles eram um mapa de COMO as pessoas pensavam”.

Impulso. Resposta. Fluido. Imperfeição. Padronização. Caótico.

A questão filosófica vai além disso esbarrando no conceito de “vontade de potência”, de Nietzche, mas sobre isso não irei falar aqui, pois já há textos muito bons por aí.

Tem outra coisa que o filme me lembrou, que eu não sei se é referência ou se foi ocasional, mas o local onde Ava está presa e a forma como ela fica deitada num divã, e questiona se Caleb a observa por detrás das câmeras, lembra o filme “A pele que habito” de Almodóvar, um outro filme excelente que algum dia falarei por aqui.

Talvez seja uma versão “O endoesqueleto de metal e silicone que habito”, ou “O cérebro positrônico azul que habito”, mesmo assim não podia deixar de citar a cena por que é muito interessante.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Imagem por: creative location

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Suassuna 11-09-2015 às 02:03:47

    Gostei do texto, irei conferir o filme.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    15-09-2015 às 15:51:02

    Que bom, obrigado! Espero que goste do filme também!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios