Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Fotografia > Como posso fotografar o meu animal de estimação?

Como posso fotografar o meu animal de estimação?

Categoria: Fotografia
Visitas: 4
Comentários: 2
Como posso fotografar o meu animal de estimação?

Um albúm de família nunca esta completo se lá faltarem fotografias dos nossos animais de quatro patas que connosco habitam. Todavia, fotografar um animal de estimação nunca é uma tarefa fácil: exige tempo, muita sensibilidade e toneladas de paciência., requendo quase as mesmas habilidades e técnicas que são necessárias para fotografar bébés e crianças pequenas.

A parte mais difícil de fotografar cães ou gatos é fazer com que eles fiquem parados o tempo suficiente para que a máquina capte a imagem pretendida sem que eles se mexam e nos estraguem a fotografia. Assim, deverá estudar bem o seu animal e descubrir o período do dia em que ele está mais relaxado. Outra opção é tentar encontrar momentos em que ele esteja entretido a brincar, a comer ou mesmo a dormir.

Fotografe o seu bichinho num ambiente no qual ele passe muito tempo, como o sofá, o tapete, o pátio, ou seja, um espaço onde o mesmo se sinta confortável e plenamente à vontade. Opte também pelo factor surpresa ou esconda-se de modo a que ele não sinta a sua presença.

Outro truque para fotos bem sucedidas é deitar-se no chão ou ajoelha-se. Só assim conseguirá captar as suas expressões e transmitir o mundo pela visão de cada um deles.

A utilização do zoom é por vezes indispensável, já que muitos dos nossos animais náo deixam que nos aproximemos em demasia.

Capte a imagem com rapidez, já que o animal expressa-se de modo rápido e espontâneo. Utilize o modo de “desporto” da sua máquina, já que este modo é o ideal para captar um animal que não pára quieto. Este modo utiliza uma velocidade do obturador mais rápida para captar o seu bichinho. Além disto, o modo de “desporto” utiliza um sistema de focalização especial que ajusta constantemente o foco da câmara. Sem isto a câmara foca uma vez e mantém dessa maneira, o que faz com que a fotografia fique desfocada se o bichinho se mexer

A luz natural é a melhor para fotografar animais, já que umailuminação forçada os assusta.

Aproveite estas dicas, pegue na máquina e passe bons momentos a fotografar o seu amigo. São recordações para a vida.



Catarina Bandeira

Título: Como posso fotografar o meu animal de estimação?

Autor: Catarina Bandeira (todos os textos)

Visitas: 4

806 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    04-05-2014 às 18:57:49

    Já tentei várias vezes fotografar meu cão e nunca sai como gostaria, pois eles se mexem muito. Já consegui tirar quando me escondo e ele está mexendo em algo, mas tem que ser bem rápida. Adoro meu cão e fotografá-lo é bom porque ficarão guardados por muito tempo!

    ¬ Responder
  • LarissaLarissa

    30-08-2009 às 19:03:38

    Meus animais não param nem um segundo .
    EU OS AMO
    ELES JA FAZEM PARTE DA MINHA VIDA...

    ¬ Responder

Comentários - Como posso fotografar o meu animal de estimação?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios