Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Jóias Relógios > Anéis versus compromisso

Anéis versus compromisso

Categoria: Jóias Relógios
Visitas: 2
Comentários: 2
Anéis versus compromisso

Adornos… enfeitar, símbolo, mensagem, materiais preciosos… jóias.

Relógios … horas, minutos, segundos, tempo, compromisso…

Horas, com tempo, sem tempo, atrasado, descomprometido.

Anéis… de cordel, de latão, pechisbeque, prata, ouro, platina.

Simples, em relevo, redondos, quadrados, ovais, com pedras.

Pedras sem valor, mais ou menos, preciosas, rubis, diamantes, brilhantes.

Anéis… nos dedos, um, em vários, num fio ao pescoço.

Anel para enfeitar, anel para comprometer, anel para exibir.

Relógio… antigo, vulgar, de marca, em prata, em ouro.

Com desenhos, com pedras preciosas, desenhados por estilistas famosos.

Anel e relógio, jóia e compromisso.

UFF! … Que confusão.

Vejamos se nos entendemos.

Os adornos fazem parte da história da humanidade desde o tempo da pré-história.

Enfeite pessoal, são também usados com um significado religioso ou como símbolo de poder. O uso de materiais nobres na sua confecção dá-lhe o estatuto de jóia.

O relógio condiciona o nosso tempo, a nossa vida e obriga-nos a cumprir compromissos. O compromisso de não nos atrasarmos, de não fazermos ninguém esperar por nós.

O relógio, objecto eminentemente prático, pode ser usado como uma jóia, por vezes mesmo apenas como tal. De prata, em ouro, com pedras mais ou menos preciosas, desenhados por estilistas famosos, transformam-se em belos e valiosos adornos.

Um outro adorno é o anel. Feito de diversos materiais e, cada vez mais, em diferentes for-matos é não só um objecto de enfeite mas também um símbolo de compromisso entre duas pessoas. Em diversas culturas, e em diferentes épocas, por exemplo os hindus, os gregos, os romanos, os cristãos, o anel é utilizado como símbolo do casamento, assumindo assim a designação de aliança.

Mais uma vez a utilização de materiais nobres na sua confecção dá-lhe o estatuto de jóia.

Jóia, compromisso.

Compromisso, obrigação.

Obrigação com o tempo, obrigação com alguém, prisão ao tempo, prisão ao outro.

Mas também…

Encontro, reencontro, partilha, companhia, contar com alguém.

Anel, adorno, beleza, jóia, valioso.

Relógio, enfeite, belo e útil, valioso.

Anel, faz-nos sentir mais bonitos, ou lembra-nos que temos alguém que nos quer bem.

Relógio, embeleza, impede-nos de faltar ao que é para nós importante.
Ambos podem ter duas faces.

Depende de como os usamos.

No seu caso, como é? E daí, não tem que ser sempre o mesmo, depende de si e do momen-to.

Por vezes compromisso, ou liberdade, ou felicidade.



Isabel Rebelo

Título: Anéis versus compromisso

Autor: Isabel Rebelo (todos os textos)

Visitas: 2

775 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    21-09-2014 às 14:24:39

    Um anel é tão lindo! É a expressão que pertencemos a alguém e que este pertence a nós. Um amor lindo e verdadeiro, sem fim como o anel. Um compromisso de cuidar, libertar, amar, dedicar!

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    09-05-2014 às 16:57:42

    O selo do amor tem que estar no coração e não em anéis de compromisso. Claro, que a representação é importante bem como a visibilidade de que estamos comprometidas com alguém, ou seja, mostrar que amamos a pessoa. Dessa forma, o anel se alinha ao desejo do coração e faz todo o sentido!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Anéis versus compromisso

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Superstições Náuticas

Ler próximo texto...

Tema: Barcos
Superstições Náuticas\"Rua
Todos temos as nossas manias e superstições. Não que se trate de comportamentos compulsivos, mas a realidade é que mesmo para quem diz que não liga nenhuma a estas coisas, as superstições acompanham-nos.

Passar por baixo de uma escada, deixar a tesoura, uma porta de um armário ou uma gaveta aberta ou até deixar os sapatos em posição oposta ao correcto, são das superstições mais comuns. As Sextas-feiras 13 também criam alguma confusão a muita gente, mas muitos são os que já festejam e brincam com a data.

Somos assim mesmo, supersticiosos, uns mais do que outros, mas é uma essência que carregamos, mesmo que de forma inconsciente.

Existem no entanto profissões que carregam mitos mais assustadores do que outros, e por exemplos muitos actores não entram em palco sem mandar um “miminho” uns aos outros.

Caso de superstição de marinheiro é dos mais sérios e se julga que se trata só de casos vistos em filmes de piratas, desengane-se. Os marinheiros dos dias de hoje carregam superstições tão carregadas de emoção quanto os de outros tempos.

Umas mais caricatas do que outras, as superstições contam histórias e truques. Por exemplo, contra tempestades, muitos marinheiros colam uma moeda no mastro dos navios.

Tal como fazem os actores, desejar boa sorte a um marinheiro antes de embarcar, também não é boa ideia. Os miminhos dados antes de entrar em palco também servem para o efeito.

Dar um novo nome a um barco é uma péssima ideia para um marinheiro. Dizem que muitos há que não navegam em barcos rebaptizados.

Lembra-se que os piratas de outros tempos utilizavam brincos? Pois isto faz parte de uma superstição. Dizem que os brincos evitam que se afoguem.

Entrar com um pé direito na embarcação é sinal de bons ventos. Tal como acontece com muitos de nós, os marinheiros também não gostam de entrar de pé esquerdo.

Já desde remotos tempos se dia que assobiar traz tempestades. Ora aqui está um mote dos marinheiros, pelo que se assobiar numa embarcação, arrisca-se a ter chatices com o marinheiro.

Verdades ou mentiras, as superstições existem e se manter os seus próprios mitos acalma um marinheiro, então que assim seja. Venham as superstições náuticas que cá estamos para as ouvir.

Já agora uma curiosidade ainda maior. Dizem que se tocar a gola de um marinheiro passará a ter sorte. Será verdade ou foi um marinheiro que inventou?

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:Superstições Náuticas

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    17-06-2014 às 06:39:27

    Não acredito em superstições de forma alguma.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios