Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Fotografia > A Luz Da Fotografia

A Luz Da Fotografia

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Fotografia
Visitas: 2
A Luz Da Fotografia

Já notou que num mesmo dia a gente pode tirar diversas fotos da mesma pessoa e só uma sai realmente bonita?

Isso porque fotografia é luz. Photo é uma palvra de origem grega e significa luz. Fotografia é um momento iluminado de luz e não apenas um registro.

Uma fotografia tirada nestes momentos de pura inspiração ótica, carrega consigo a magia de lembrarmos não apenas do momento em que foi tirada, mas também dos sentimentos experimentados quando a tal fotografia acontecia.

Hoje estamos livres dos rolos de filmes e de máquinas que não mostram a foto. As máquinas digitais atuais estão cada vez com mais recursos. Quanto mais megapixel melhor a qualidade na ampliação, maior fidelidade na cor e nas texturas. Algumas vêm com recursos tão interessantes, que às vezes ficamos incrédulos que tanta tecnologia caiba em tão pequeno espaço por um preço tão acessível.

Fico a imaginar como seria o encontro de um fotógrafo lambe-lambe com as atuais máquinas fotográficas, que tem um décimo do tamanho da sua, mas com qualidade centenas de vezes superior. Não querendo desmerecer o papel histórico dos lambe-lambes, pois sem eles a história das famílias dos século XIX não ficariam registradas.

Observe quando se fotografa alguém de uma máquina digital: na mesma hora a pessoa quer ver a imagem produzida, torce o nariz dizendo que ficou feia, pede para repetir ou sorri de pura felicidade com o resultado. Essa sutileza com a própria imagem é algo mágico.

O tamanho das máquinas digitais nos permite levá-las dentro da bolsa para qualquer evento ou para o dia a dia, afinal, nunca se sabe quando podemos estar diante de um flagrante interessante.

Nas adolescentes, podemos também observar um significativo aumento de sua autoestima pois se fotografam milhares de vezes todos os dias para publicarem na net, o que permite o conhecimento de seus ângulos positivos e negativos.

Nas máquinas digitais também encontramos recursos para fotografar crianças e animais (que se movimentam o tempo todo), paisagens com muita luz e com pouca luz, mas o mais legal é poder fotografar a vida, que acontece todos os dias: acompanhar o crescimento de uma criança, suas brincadeiras, seus diversos tipos de sorrisos (inclusive o fingido pois logo entendem o que é uma fotografia e quer sair bonita). Interessante é que até os animais domésticos posam para fotos, querendo participar deste encantamento.

Um detalhe: as máquinas de fotografar também filmam com ótima resolução. Enfim: completas!



Rosana Pegoraro

Título: A Luz Da Fotografia

Autor: Rosana Pegoraro (todos os textos)

Visitas: 2

650 

Imagem por: Travis Isaacs

Comentários - A Luz Da Fotografia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: Travis Isaacs

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios