Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Decoração > Como decorar a casa sem gastar muito dinheiro

Como decorar a casa sem gastar muito dinheiro

Categoria: Decoração
Comentários: 1
Como decorar a casa sem gastar muito dinheiro

O design e a decoração de interiores nunca estiveram tão na moda! Abundam as lojas recheadas de objectos lindos, todos a pedirem um cantinho especial lá em casa! Infelizmente, a nossa procura nem sempre consegue aproveitar tanta oferta, mas um orçamento limitado não é motivo suficiente para andar zangado com a decoração da sua casa. Aqui, mostramos-lhe como pouco pode ser muito!

Para começar a decorar (ou a redecorar) e para um efeito imediato, não há nada como organizar a divisão em questão. O caos nunca se deu muito bem com o design de interiores, onde a simplicidade é uma regra de ouro. Avalie o que realmente precisa e o que realmente pode deitar fora ou doar e faça-o! A aquisição de uma simples estante para livros ou caixas “bonitinhas” (que hoje são feitas para combinar com qualquer espaço!) para ajudar a organizar a “confusão”, podem fazer maravilhas num escritório!
Já pensou em trocar os seus quartos? É simples, é barato e vai dar nas vistas: basta substituir, por exemplo, as cortinas, roupa de cama, almofadas, tapetes, objectos decorativos e quadros do quarto principal com o de hóspedes ou vice-versa. Agora não se engane na hora de dormir!

Se, por outro lado, estiver com vontade e energia para arrastar móveis, deixe os acessórios no quarto principal e troque apenas o mobiliário dessa divisão com o do quarto de hóspedes. Não há carteira que não agradeça esta dica!

Se não quiser ser tão radical, pense nas diferentes formas que existem para mudar a disposição de uma divisão. Alguma vez pensou colocar a sua cama na diagonal ou debaixo da janela? Imagina a sua sala sem mesa de centro ou com um pequeno sofá mesmo em frente à lareira? Leve a sério este projecto, utilizando papel e recortes do mobiliário e acessórios existentes, e faça algumas experiências antes de começar a pôr tudo de pernas para o ar – vai ficar certamente surpreendido com as múltiplas facetas de um simples espaço que parecia não conseguir sair do sítio!

Às vezes, basta pintar o mobiliário existente para ficar com um espaço completamente renovado. Da próxima vez que não olhar com carinho para os móveis da cozinha ou do escritório, pense se não ficariam mais bonitos de branco, azul marinho ou cor de laranja!

Saturado com as mesmas cadeiras na sala de jantar e na cozinha? Troque-as de uma divisão para a outra ou dê-lhes uma nova cara com a aquisição (ou faça você mesmo!) de umas capas ultra modernas ou coloque uns assentos fofinhos numa das cores tendência da estação.

Lembra-se daquelas velas lindas que a sua amiga lhe ofereceu no Natal? E da jarra espectacular que a sua sogra teve a gentileza (e o bom gosto!) de escolher para o seu aniversário? Pois é, escondidos no armário não servem de muito! Está na hora de recolher as peças decorativas que têm estado em exposição ao longo dos últimos meses (ou anos!) e trocá-las por aquelas que estão ansiosas por sair das suas caixas!
Se infelizmente não tiver um armário com objectos suplentes lindos de morrer, não desespere! Que tal pegar nos objectos de decoração da sala de jantar e pô-las na entrada? Ou substituir as peças que dão vida ao quarto com as da sala de estar? A isto chama-se trocar as voltas com muito estilo!

Decorar o WC!? Deve estar a brincar comigo! Garanto-lhe que não estou! Temido por muitos, o WC é tido como uma divisão com a qual não se pode fazer nada! Engane-se… ora por onde é que começo? As possibilidades são mais que muitas: basta comprar uma cortina para a banheira que faça um verdadeiro fashion statement e, a partir daí, conjugar, conjugar, conjugar! Um tapete alegre e um set de lavatório igualmente estiloso e vai ser um prazer estar por estas bandas!

Apetece-lhe fazer algo lá em casa e não sabe bem o quê? Que tal brincar com as paredes ou com apenas uma? Pode mudar drasticamente qualquer divisão, bastando para isso pintar as paredes com uma cor que não o branco! Se não quiser ir tão longe pode divertir-se tanto ou mais com uma só parede. O difícil será escolher: pintá-la com uma cor ousada tipo preto, beringela ou dourado; “vestindo-a” com um papel de parede muito fashion ou um tecido ousado; aplicando um detalhe em autocolante (existe uma enorme variedade de motivos a baixo custo); emprestando-lhe uma lufada de ar fresco com uma tela ou uma fotografia XXL…

Guarde os euros e pinte o seu próprio quadro ou ponha os seus filhos a fazê-lo. Passe os olhos pelos seus calendários antigos ou algumas revistas de eleição e escolha várias imagens que possam ser emolduradas. Se gostar de fotografia aproveite as suas preferidas – sejam de pessoas, animais, paisagens ou uma viagem – e mande fazer posters gigantes para colocar em quadros (pode encontrar um sem número de soluções económicas nesta área). Brinque com a própria foto, imprimindo-a a preto e branco, sépia ou à Andy Warhol – a maior parte das lojas de fotografia disponibilizam todos estes serviços a preços justos. Um passepartout ou um conjunto deles é, muitas vezes, o suficiente para preencher qualquer mesa triste e despida!

Cansado do sofá da sala mas não pode deitá-lo fora? Compre um tecido novo (nas lojas da especialidade ou até na feira – nem imagina as pechinchas que pode encontrar lá!) e mande-o forrar. Escolha as novas texturas tendo em conta as cores ou o estilo predominante nessa divisão ou faça do sofá o novo foco da sala e redecore a partir daí! Aproveite a deixa e inspire-se numas velas, almofadas ou pouf (se calhar até já os tem noutra divisão), para completar a nova decoração.

Não há forma mais natural de decorar do que incluir, em qualquer canto da casa, uma bonita planta ou arranjo floral. Se a ideia de trazer a Mãe Natureza para dentro das suas quatro paredes não lhe agradar, opte por flores e verdes artificiais. Um jardim interior para alegrar e para “confundir” todos… é que hoje em dia a flora está tão bem feita que parece tudo verdadeiro!

Os têxteis-lar são, por si só, uma pequena maravilha doméstica. Refresque os seus quartos de dormir com lençóis e capas de edredon que estão guardados há séculos ou adquire um conjunto novo (há para todos os bolsos e é sempre um bom investimento porque dura muitos anos). Realce o que já existe com uma linda manta aos pés da cama e encha o local dos seus sonhos com mil e uma almofadas.

Inspire-se literalmente no minimalismo e dê um novo visual a qualquer divisão da casa com recurso a apenas uma peça chave: um tapete vistoso; um quadro colorido; um candeeiro a estrear ou reciclado (experimente trocar os abajours que já possui de uns candeeiros para os outros ou pinte a base de outra cor); uma cortina diferente ou as mesmas, mas com a bainha mais comprida e o varão quase a tocar no tecto para dar a ilusão de um pé direito bem mais alto e uma divisão mais ampla; uma vela gigante para repousar em frente à lareira; um cesto para as revistas que andam sempre espalhadas… as opções são infinitas, por isso, puxe pela sua imaginação de decorador! Quando estiver a planear e a decorar, faça o máximo que conseguir sozinho. Para além de deixar os cheques na carteira, vai divertir-se e inspirar-se para fazer sempre mais e melhor. A casa é sua, vista-a à sua maneira e, se não gostar, comece de novo!


Miguel Pereira

Título: Como decorar a casa sem gastar muito dinheiro

Autor: Miguel Pereira (todos os textos)

Visitas: 0

607 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-04-2014 às 21:47:15

    Isso é sempre bem angustiante - decorar sem gastar muito. A Rua Direita agradece pelas dicas, bem úteis para quem deseja decorar a casa!

    ¬ Responder

Comentários - Como decorar a casa sem gastar muito dinheiro

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Ler próximo texto...

Tema: DVD Filmes
Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.\"Rua
Este texto irá falar sobre o filme Ex_Machina, nele podem e vão ocorrer Spoillers, então se ainda não viram o filme, vejam e voltem depois para lê-lo.

Impressões iniciais:

Ponto para o filme. Já que pela sinopse baixei a expectativa ao imaginar que era apenas mais um filme de robôs com complexo de Pinóquio, mas evidentemente que é muito mais que isso.

Desde as primeiras cenas é possível perceber que o filme tem algo de especial, pois não vemos uma cena de abertura com nenhuma perseguição, explosão ou ação sem propósito, típica em filmes hollywoodianos.
Mais um ponto, pois no geral o filme prende mais nos diálogos cerebrais do que na história em si, e isso é impressionante para o primeiro filme, como diretor, de Alex Garland (também roteirista do filme). O filme se mostrou eficiente em criar um ambiente de suspense, em um enredo, aparentemente sem vilões ou perigos, que prende o espectador.

Entrando um pouco no enredo, não é difícil imaginar que tem alguma coisa errada com Nathan Bateman (Oscar Isaac), que é o criador do android Ava (Alicia Vikander), pois ele vive isolado, está trabalhando num projeto de Inteligência Artificial secreto e quando o personagem orelha, Caleb Smith (Domhnall Gleeson), é introduzido no seu ambiente, o espectador fica esperando que em algum momento ele (Nathan) se mostrará como vilão. No entanto isso ocorre de uma forma bastante interessante no filme, logo chegaremos nela.

Falando um pouco da estética do filme, ponto para ele de novo, pois evita a grande cidade (comum nos filmes de FC) como foco e se concentra mais na casa de Nathan, que fica nas montanhas cercadas de florestas e bastante isolado. Logo de cara já é possível perceber que a estética foi pensada para ser lembrada, e não apenas um detalhe no filme. A pesar do ambiente ser isolado era preciso demonstras que os personagens estão em um mundo modernizado, por isso o cineasta opta por ousar na arquitetura da casa de Nathan.

A casa é nesses moldes novos onde a construção se mistura com o ambiente envolta. Usando artifícios como espelhos, muitas paredes de vidro, estruturas de madeira e rochas, dando a impressão de camuflagem para a mesma, coisa que os ambientalistas julgam favorável à natureza. Por dentro se pode ver de forma realista como podem ser as smart-house, não tenho certeza se o termo existe, mas cabe nesse exemplo. As paredes internas são cobertas com fibra ótica e trocam de cor, um efeito que além de estético ajuda a criar climas de suspense, pois há momentos onde ocorrem quedas de energia, então fica tudo vermelho e trancado.

O papel de Caleb á ajudar Nathan a testar a IA de AVA, mas com o desenrolar da história Nathan revela que o verdadeiro teste está em saber se Ava é capaz de “usar”, ou “se aproveitar” de Caleb, que se demonstra ser uma pessoa boa.

Caleb é o típico nerd introvertido, programador, sem amigos, sem família e sem namorada. Nathan também representa a evolução do nerd. O nerd nos dias de hoje. Por fora o cara é careca, barbudão com uns traços orientais (traços indianos, pois a Índia também fica no Oriente), bebê bastante e ao mesmo tempo malha e mantém uma dieta saudável pra compensar. E por dentro é um gênio da programação que criou, o google, o BlueBook, que é um sistema de busca muito eficiente.

Destaque para um diálogo sobre o BlueBook, onde Nathan fala para Caleb:
“Sabe, meus concorrentes estavam tão obcecados em sugar e ganhar dinheiro por meio de compras e mídia social. Achavam que ferramenta de pesquisa mapeava O QUE as pessoas pensavam. Mas na verdade eles eram um mapa de COMO as pessoas pensavam”.

Impulso. Resposta. Fluido. Imperfeição. Padronização. Caótico.

A questão filosófica vai além disso esbarrando no conceito de “vontade de potência”, de Nietzche, mas sobre isso não irei falar aqui, pois já há textos muito bons por aí.

Tem outra coisa que o filme me lembrou, que eu não sei se é referência ou se foi ocasional, mas o local onde Ava está presa e a forma como ela fica deitada num divã, e questiona se Caleb a observa por detrás das câmeras, lembra o filme “A pele que habito” de Almodóvar, um outro filme excelente que algum dia falarei por aqui.

Talvez seja uma versão “O endoesqueleto de metal e silicone que habito”, ou “O cérebro positrônico azul que habito”, mesmo assim não podia deixar de citar a cena por que é muito interessante.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Suassuna 11-09-2015 às 02:03:47

    Gostei do texto, irei conferir o filme.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    15-09-2015 às 15:51:02

    Que bom, obrigado! Espero que goste do filme também!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios