Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Decoração > Seja autodidacta!

Seja autodidacta!

Categoria: Decoração
Visitas: 4
Comentários: 1
Seja autodidacta!

A decoração, mais ou menos aprimorada, é sempre expressão de uma arte reveladora de determinado sentido estético, designativo de parte do perfil do carácter de alguém. As cores, as formas, os arranjos, a simplicidade ou a sofisticação, o aproveitamento, ou não, de certas áreas, o apreço pela exaltação da luz ou da penumbra, a opção por plantas e objectos naturais ou artificiais, o entupimento de prateleiras com bugigangas ou a sua nudez, a aplicação de cortinados mais leves ou mais pesados, entre muitos outros parâmetros, falam de e por si. Efectivamente, as pessoas procuram sentir-se bem no seu próprio espaço, e, para isso, acomodam-no ao seu gosto, de modo a conseguirem o conforto que desejam e a identificação que lhes permite exclamar «lar, doce lar».

O tema da decoração delineia em muitas cabeças a ideia errada de se tratar de um assunto de especialistas. É certo que estes possuem formação adequada para prestar um serviço com qualidade técnica, mas também é verdade que, em última análise, o que vigora é a preferência pessoal, detectável por traços bem marcados. Sendo assim, pode pedir-se uma opinião ou constatar que se aprecia o estilo do (a) decorador (a), mas será de muito mau tom e sinal de pouco senso deixar tudo apenas nas mãos de profissionais. A noção de estética denota uma forma de inteligência cujo espectro se estende a todas os campos da vida, pelo que convém treiná-la.

Quem tiver jeito para os trabalhos manuais, a pintura e afins, pode construir, a seu bel-prazer, artefactos que embelezem a casa e transmitam a “alma” de quem lá vive. A família, retratada por um dos seus membros apresenta, não só a fisionomia exterior, como deixa transparecer, através do engrandecimento de alguma característica, raias dos sentimentos que melhor a definem. Os retratos quase ganham vida por si mesmos!
Bem, os mortos não ressuscitam nem se devem esperar milagres relativamente à evaporação das deformidades… O engenho do artista apenas pode sublimar, mas não apagar, contornos de total imperfeição, e, para o trabalho ser fidedigno, inventar o menos possível atributos favoráveis. Por outro lado, as manufacturas que povoem o ambiente traduzem, além do talento, âmbitos de cultura e predilecção do (s) autor (es).

Com isto, não se quer dizer que tenha na parede quadros exageradamente ultra-realistas que, por exemplo, exibam um cacho de uvas de tal modo perfeito que as visitas lhe tentem arrancar bagos, ou mostrem um cão tão impressionantemente real que as autoridades sanitárias o obriguem a vaciná-lo…!

Maria Bijóias

Título: Seja autodidacta!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

604 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Lucas

    25-06-2014 às 19:19:19

    Em momento nenhum você menciona que para organizar uma biblioteca, pessoal ou não, é bom contar com um bibliotecário. Trabalho em uma biblioteca, com carteira assinada, e organizo, nas horas vagas bibliotecas particulares. Por que não sugerir no seu texto um bibliotecário? Aproveito a oportunidade para lhe corrigir quando diz que os livros devem receber luminosidade solar. Não, nunca, jamais luz solar direta, pois isto tem uma relação direta com o desgaste natural e pode até acelerar a acidificação das folhas.

    ¬ Responder

Comentários - Seja autodidacta!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios