Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Enceste a bola

Enceste a bola

Categoria: Desporto
Comentários: 1
Enceste a bola

Toda a gente tem a tendência, quando quer mandar um papelinho, ou outra coisa que se preste a enrolar, para o lixo, de fazer pontaria a ver se acerta no cesto. Normalmente, não se aceita de ânimo leve errar o alvo, e vai-se tentando até poder levantar os braços em sinal de vitória.

Com base nesta atracção, natural de todo o ser humano, para atirar coisas para receptáculos, o professor James Naismith teve a ideia de colocar dois cestos de rede furada suspensos nas extremidades do ginásio da Associação Cristã da Mocidade de Springfield, nos Estados Unidos, opondo os alunos em duas equipas de cinco, tendo como propósito encestar a bola o maior número de vezes possível. Nascia, em pleno ano de 1891, o basquetebol. O poder atractivo não se desvaneceu e estima-se que sejam mais de 300 milhões de pessoas a praticá-lo em todo o mundo.

As regras desta modalidade foram vendo mutações rápidas, ao sabor do arrebatamento instalado. O cesto, instalado a 3,05 metros do solo, passou a ter, por detrás, uma tabela, com o intuito de auxiliar os lançamentos efectuados de mais longe. Estes começaram a ter maior compensação em termos de pontos: três para os de distâncias superiores a 6,25 metros; um para os lances livres (a 5,8 metros, sem oposição e com os pés assentes); e dois para os demais.

Dada a altura do cesto, e sendo o objectivo colocar lá a bola, os jogadores de estatura mais elevada conquistaram supremacia. Nesta perspectiva, o principal campeonato do mundo – a NBA (National Basketball Association) – é também famoso por se ter tornado numa concentração de gigantes!... Ainda assim, a altura não é tudo; predicados como a coordenação de movimentos, a pontaria, a rapidez e o sentido colectivo podem realmente marcar a diferença para jogadores menos altos, e não só.

Um dos princípios que mais distingue o basquetebol é o drible, ou seja, a obrigação de bater com a bola no chão quando se está em andamento, que pressupõe um domínio considerável desta. Outra norma diz respeito ao afastamento físico. As faltas têm uma punição severa, sendo que à quinta o jogador é definitivamente substituído.

Uma variante que vai ganhando cada vez mais adeptos é o minibasquete, orientado para crianças dos seis aos doze anos, no sentido de lhes proporcionar um primeiro contacto com este desporto. O cesto encontra-se a 2,60 metros do chão e todos os jogadores devem actuar em cada um dos períodos. Contrariamente ao que ocorre no basquetebol, a partida pode acabar empatada.

Ninguém lhe pede que seja um Michael Jordan ou um Magic Johnson; basta que vista uns calções e uma camisola de alças e se ponha a treinar!



Maria Bijóias

Título: Enceste a bola

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

619 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Yuri SilvaYuri

    10-10-2014 às 15:41:28

    Muito interessante esse texto sobre enceste a bola. Pode-se obter outra visão deste assunto. Muito bom!

    ¬ Responder

Comentários - Enceste a bola

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios