Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Futebol..na praia!

Futebol..na praia!

Categoria: Desporto
Futebol..na praia!

O futebol de praia, praticado debaixo de um sol, geralmente escaldante, vai fazendo, de certo modo, sombra ao dos relvados. Não que lhe retire protagonismo ou importância, mas ganha terreno, ou seja, areia, e também em remates (cerca de 76 por cada partida), golos (10), velocidade e reduzido número de faltas (5). Está de tal maneira implantado que já chegou a 120 países e possui quatro milhões de praticantes, dos quais 400 mil são federados.

A excelência e a capacidade de atracção deste jogo, cujo “berço” foi a praia de Copacabana, a mais famosa do mundo, situada no Rio de Janeiro, Brasil, levaram a que, volvidos apenas dez anos, a FIFA estivesse a organizar campeonatos mundiais de beach soccer com uma marca de “oficialidade”.

Trata-se de uma modalidade protagonizada por cinco jogadores de cada equipa, num campo de 37 por 28 metros, com balizas de 5,5 metros de largura e 2,2 metros de altura. No interior do rectângulo, as únicas linhas (imaginárias, entre bandeiras) são as da área de penalty, nove metros adiante da linha final, a toda a largura, onde o guarda-redes é autorizado a jogar com a mão.

A vivacidade impressa ao jogo passa pela marcação dos livres sem formação de barreira, não podendo haver ninguém no caminho da bola para a baliza.

Não são permitidos toques físicos e, perante erros, mostram-se os cartões amarelo, vermelho e azul (que corresponde a uma punição de dois minutos de exclusão, como castigo de faltas de média gravidade). As regras visam promover um bom espectáculo, obrigando ao ataque e combatendo o anti-jogo. Uma especificidade, que constitui, igualmente, uma diferença do futebol de onze, é que os jogos nunca podem terminar empatados. Se tal se estiver a verificar, parte-se para um prolongamento de três minutos e, a não haver um golo que resolva, para os penalties.

Visto que a areia exige muito mais esforço físico e cansa sobremaneira, é possível efectuar-se substituições atrás de substituições. Adicionalmente, as partidas têm três períodos de 12 minutos cada (contagem de tempo útil), com dois intervalos de três minutos.

A época de praia está à porta e uma “peladinha” na areia vem mesmo a calhar. Porque não experimentar a resistência de controlo de uma bola, com os pés ou a cabeça, em pleno areal? Quem vive no litoral não terá dificuldade em encontrar uma praia, mas quem está no interior tem à disposição praias fluviais com condições aceitáveis. Também existem campos artificiais, geralmente “nascidos” em quadras de ténis onde foram despejadas toneladas de areia. O resto fica por conta da imaginação…



Maria Bijóias

Título: Futebol..na praia!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

772 

Comentários - Futebol..na praia!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios