Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Pólo na água

Pólo na água

Categoria: Desporto
Comentários: 1
Pólo na água

Nadar é uma actividade física que agrada a muita gente, sobretudo em tempo de Verão. Apresenta múltiplas vantagens e oportunidades de diversão. Além de nos poder salvar a vida, saber nadar aporta a possibilidade de jogar pólo aquático. Já toda a gente deve ter experimentado brincar com uma bola dentro de água, constatando como é aprazível, mas sem tocar com os pés no fundo da piscina não é assim tão fácil.

O pólo aquático desenvolveu-se no final do século XIX, em simultâneo nos Estados Unidos e na Europa, mas foi o estilo europeu, menos agressivo, que prevaleceu. O pólo aquático masculino estreou-se nos Jogos Olímpicos de Paris, em 1900.

Trata-se de um desporto colectivo. As equipas são compostas por sete jogadores, incluindo um guarda-redes. O objectivo é semelhante ao do andebol ou do futebol: marcar golos. Joga-se em piscinas de 20 a 30 metros de comprimento por 10 a 20 metros de largura e uma profundidade mínima de dois metros. As balizas têm três metros de largura e 90 centímetros acima da linha de água.

A bola pesa entre 400 e 450 gramas. O seu diâmetro varia entre os 68 e os 71 centímetros nas competições masculinas e entre os 65 e os 67 nas femininas. Esta nunca pode ser tocada com as duas mãos, excepto pelo guarda-redes.

Não obstante as parecenças que tem com o andebol e o futebol, as maiores semelhanças são com o basquetebol, nomeadamente no que se refere ao tempo máximo para executar uma jogada, que no caso do pólo aquático é de 35 segundos.

Os encontros são divididos em quatro partes de sete minutos de tempo útil. O cronómetro pára quando há interrupções. Todos os jogadores utilizam toucas com protecções especiais para os ouvidos, onde se colocam os números individuais. Uma equipa joga com gorros brancos e a adversária utiliza azuis. Ambos os guarda-redes usam touca vermelha.

Dado que as deslocações na água são consideravelmente mais complicadas, a colocação dos jogadores na piscina – a táctica –, é essencial no pólo aquático. O avançado-centro, geralmente um atleta possante, é nuclear, posicionando-se entre as linhas (imaginárias, naturalmente) dos dois e quatro metros, determinadas em relação à linha final através de bóias. Sujeito a marcações cerradas, raramente o avançado-centro tem ocasião de executar dribles (nadar com a bola), intervindo preferencialmente com passes secos (sem que a bola toque na água).

Existem dois tipos de faltas: as simples, como jogar a bola com as duas mãos, empurrar o adversário ou deixar ultrapassar o tempo limite para concluir a jogada; e as graves, nas quais se incluem agarrar o adversário ou atirar-lhe água. As faltas graves implicam exclusão de 20 segundos e à terceira o jogador tem de ser substituído. As grandes penalidades constam de faltas graves dentro da área de quatro metros e são cobradas dessa linha, com apenas o guarda-redes na baliza.

Não falte! Venha daí!


Maria Bijóias

Título: Pólo na água

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

674 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Kizua UriasKizua

    02-07-2014 às 00:08:13

    Que fantástico! O pólo na água tornou-se bastante comum entre as pessoas que adoram nadar. Mesmo porque é uma prática bem prazerosa.

    ¬ Responder

Comentários - Pólo na água

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios